A Lusofonia: Cabo Verde



A caravela zarpou de Lisboa afim de descobrir nova terra...O Infante D. Henrique, Duque de Viseu, ambiciona expandir o reino Português através dos mares...
1456: são descobertas 12 ilhas inhabitadas (5 pelo Italiano Antonio da Noli, e 7 pelos Portugueses Diogo Gomes e Diogo Afonso – todos ao serviço de trono Luso).
Este arquipélago foi baptizado “Cabo Verde” (formado pelas seguintes ilhas: Brava, Fogo, Santiago, Maio, Boa Vista, São Nicolau, São Vicente, Santo Antão, Santa Luzia, Ilhéu Branco e Ilhéu Grande).


Nos séculos seguintes, a localização estratégica de Cabo Verde não só contribuiu imenso para o seu desenvolvimento económico (uma vez que provia os barcos que ali atracavam, e fornecia escravos que iam para Vera Cruz, as Caraíbas e o sul dos Estado Unidos); mas também para o processo de colonização e, história económica, do Brasil (para mais informação, ler o excerto da carta régia do cronista, Gabriel Soares de Sousa, aqui).
1650: Cabo Verde é nomeado o administrador do território Português da Guiné.
1817: Inauguração da primeira escola primária oficial, na cidade da Praia (ilha de Santiago).
1831-1833: Período de fome, resultando na morte de milhares. Ajuda internacional chega dos EUA, uma vez que Portugal travava uma guerra civil (1828-1834).
1838: Os Britânicos instalam, no Mindelo (ilha de S. Vincente), um depósito de carvão (provimento dos barcos a vapor). Novo período de fome, que provocou a emigração e massa de muitos Cabo Verdianos.
1876: Abolição do tráfico de escravos. O interesse pelas ilhas decresceu até ao século XX, após a 2ª Guerra Mundial.

A maioria dos Cabo Verdianos é mulata (pois são uma mistura dos descendentes dos escravos e dos seus senhores Portugueses).

Cabo Verde atingiu a sua independência no dia 5 de Julho de 1975 (após a revolução Portuguesa de 1974). 

A língua falada no país é o crioulo de base lexical Portuguesa (uma vez que preservou algum léxico, fonologia e semântica do Português falado nos séculos XVI e XVII).

A música tradicional do arquipélago deriva de elementos musicais Europeus (principalmente de Portugal); e os seus géneros são: batuque, koladera, funáná, morna (que é similar ao fado) e tabanca.

E começaremos pelo funáná: no video abaixo, Gilyto canta  "Larga". Uma música que nos incentiva a nunca desistir daquilo que realmente queremos e, a ter fé em Deus para conseguirmos atingir os nosso objectivos!
Devo avisar-vos que o ritmo desta música é contagiante: divirtam-se!



Próximo porto: Guiné Bissau

Comentários

  1. Sabia que aqui em SP na região do Grande ABC onde moro há muitas pessoas de Cabo Verde? Inclusive na faculdade onde me formei e com a bela cultura e ritmos musicais Cabo Verde está cada vez mais conhecido e querido por aqui.
    Beijos
    Até...

    ResponderEliminar
  2. Oi CrazyAngel?

    Não..não sabia mesmo!! Sabia que a comunidade Cabo-Verdiana está em quase todo o lado, mas não sabia que estavam aí também !

    A comunidade de Cabo Verde tem muita força, aqui em Portugal, e a juventude já começa a aprender a língua deles e tudo (a ouvir a música...coisa que não faziam há 10 anos atrás)!

    Gostei de saber isto...obrigada por teres enriquecido o artigo com esta informação :D!

    Beijos

    ResponderEliminar
  3. Max, estou aprendendo muitas coisas que nao sabia com as suas postagens sobre a História e consequentemente cultura de tantos agregados portugueses. Também não conhecia a música que lembra muito os rítmos do nordeste brasileiro. Bom fim de semana! Beijus

    ResponderEliminar
  4. Oi Max
    História é sempre bom, aprendemos mais e mais sobre o passado, melhoramos nossa cultura além disso é muito prazeroso.
    Te confesso que não conheço muito sobre Cabo Verde, mas achei muito interessante, o vídeo é muito bom, e a dança temos parecida por aqui, agora o idioma mesmo tendo como base o português é muito difícil de entender.

    beijinhos amiga

    ResponderEliminar
  5. Oii ...muito bom vim aki..e saber de nossa historia...nao sabia dessa de cabo Verde profundamente nao...

    Agradeço vc que sempre esta comigo...estou de volta das ferias....

    ResponderEliminar
  6. Oi Luma :D!

    "Max, estou aprendendo muitas coisas que nao sabia com as suas postagens sobre a História e consequentemente cultura de tantos agregados portugueses. Também não conhecia a música que lembra muito os rítmos do nordeste brasileiro. Bom fim de semana! Beijus"

    Fico feliz por estes posts terem um efeito positivo :D! É verdade, o funáná lembra os ritmos do nordeste Brasileiro...será influência dos antigos escravos? Talvez...

    Minha linda, obrigada! Espero que tenhas tido um excelente fim-de-semana!
    Ah, estou a torcer pelo teu blog, ein! :D

    Beijos

    ResponderEliminar
  7. Oi Dri :D!

    "História é sempre bom, aprendemos mais e mais sobre o passado, melhoramos nossa cultura além disso é muito prazeroso."

    É verdade...eu também gosto de história, mas quando ela é transmitida de uma forma interessante! Digo-te, tive cada professor de história...Meu Deus...quase que assassinaram o meu amor pelo conhecimento sobre o nosso passado *aceno de cabeça*!

    "Te confesso que não conheço muito sobre Cabo Verde, mas achei muito interessante, o vídeo é muito bom, e a dança temos parecida por aqui, agora o idioma mesmo tendo como base o português é muito difícil de entender."

    É natural...principalmente se não viveres ao pé de uma comunidade Cabo Verdiana. Aqui em Portugal, Cabo Verde é muito conhecido, uma vez que a sua comunidade está muito enraizada aqui; já para não falar da música, e língua, que já penetraram na nossa cultura. Para tu veres, que o destino de férias de muitos Portugueses é Cabo Verde; e os nossos jovens já começam a falar o crioulo.
    Pois, a dança e o ritmo lembram o ritmo e dança do nordeste, né?
    LOL é porque não tens o ouvido habituado...

    Adriana, minha amiga querida, obrigada pelo teu comentário...é sempre um prazer falar contigo :D!

    Beijos

    ResponderEliminar
  8. Oi Philip :D!

    "Oii ...muito bom vim aki..e saber de nossa historia...nao sabia dessa de cabo Verde profundamente nao..."

    Então já fico feliz por ter postado este artigo :D!

    "Agradeço vc que sempre esta comigo...estou de volta das ferias..."

    De nada, meu lindo! A tua companhia é agradabilíssima :D! Espero que tenhas tido boas férias :D!!

    Philip, obrigada pelo comentário! Encorajaste-me a continuar,meu amigo!

    Beijos

    ResponderEliminar
  9. Oi Max
    É isso mesmo a dança se parece um pouco com o forró do nordeste, e também uma mistura com um pouco de música baiana.
    Muito bom amiga, e o prazer é todo meu.

    beijos

    ResponderEliminar
  10. Dri,

    Adoro o forró! Aprendi a dançar aqui numa discoteca Brasileira: amo!

    Beijos

    ResponderEliminar
  11. É muito bom abordares estes pontos da História.
    Há uma lacuna muito grande relativamente à colonização portuguesa nas escolas...ensina-se mas pouco. Então em relação à escravatura o meu livro de História do 12º ano apenas tinha 1 página sobre o assunto. Achas normal?

    Parece que preferem não mostrar os podres da História..eu penso que sendo mau ou não há que aprender para percebermos o quanto evoluimos como seres humanos.Só pelo facto dos portugueses terem sido um dos maiores traficantes de escravos do mundo (durante séculos) isso deveria ser motivo de estudo nas escolas.

    Um apontamento: tanto nas ilhas de Barlavento e Sotavento houve uma grande mestiçagem não só com os portugueses mas também com ingleses e franceses. Muita gente ainda conserva apelidos ingleses e franceses. A maioria das pessoas da Ilha da Brava têm os típicos traços africanos mas de pele muito branca, olhos verdes/azuis e carapinha muito loira. Em São Vicente e Santo Antão também houve muiiiiita mistura. A ilha de Santiago é a que menos mistura teve.

    :D ******

    ResponderEliminar
  12. Olá Doll :D!

    "É muito bom abordares estes pontos da História.
    Há uma lacuna muito grande relativamente à colonização portuguesa nas escolas...ensina-se mas pouco. Então em relação à escravatura o meu livro de História do 12º ano apenas tinha 1 página sobre o assunto. Achas normal?"

    Tens toda a razão...e não deveria ser assim, porque a colonização é o que nos define: faz parte das conquistas nacionais (dos seus erros também), da expansão dos nossos valores; da disseminação da nossa língua. Deveriam ensinar às crianças a ter orgulho nos nossos feitos!
    Não, não acho normal! É uma vergonha...

    "Parece que preferem não mostrar os podres da História..eu penso que sendo mau ou não há que aprender para percebermos o quanto evoluimos como seres humanos.Só pelo facto dos portugueses terem sido um dos maiores traficantes de escravos do mundo (durante séculos) isso deveria ser motivo de estudo nas escolas."

    Nem mais!! Concordo...mas também foram os primeiros a acabar com a escravatura.

    "Um apontamento: tanto nas ilhas de Barlavento e Sotavento houve uma grande mestiçagem não só com os portugueses mas também com ingleses e franceses. Muita gente ainda conserva apelidos ingleses e franceses. A maioria das pessoas da Ilha da Brava têm os típicos traços africanos mas de pele muito branca, olhos verdes/azuis e carapinha muito loira. Em São Vicente e Santo Antão também houve muiiiiita mistura. A ilha de Santiago é a que menos mistura teve."

    Sim, tens razão (viste: já completaste este artigo)!! Olha, estes detalhes não os sabia eu: obrigada :D!

    Doll, obrigada pelo teu precioso contributo, mesmo :D!!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço