Armação e Traição



Esta é a sequela de “Eventualidades”.
A opção B foi a mais votada: “Antes de nos livrarmos dele queremos saber o porquê da sua obsessão pela Elaine, e depois logo vemos como ajudar o jovem casal.”
Gostaria de agradecer áqueles que participaram na selecção do fim para este conto: vocês são máximo! E agora, eis a continuação:

Tu e eu descemos e aterramos na árvore favorita da Elaine, para observar os eventos seguintes.
Elaine beija o pescoço do seu marido quando se apercebe de que estão a ser observados. Beija a orelha de Christian e sussurra «Estamos a ser observados!» ele agarra nela, atira-a para cima da cama e põe-se em cima dela com um sorriso nos lábios...beijam-se e ele carrega num botão para fazer descer as persianas. Quando o quarto fica escuro, eles levantam-se rapidamente e correm para o quarto contíguo ao seu; Elaine liga os monitores, Christian senta-se ao lado dela e ei-lo...o Sr. Klein.
«Espera aí…eu conheço este tipo!» exclama Elaine, «Quem é ele?» pergunta o marido enquanto marca um número no telefone «Chris, finalmente temos o Buonfiglio à nossa frente! Nem acredito que tenha tido o descaramento de vir atrás de nós!» «Atrás de ti, queres tu dizer, querida!» «Não é a mesma coisa, meu amor?» pergunta ela enquanto beija a orelha dele «De facto, é [corresponde ao beijo]…[“Pronto! Pronto!”] Ó, perdão...Vittorio…ciao, come stai? [“Bene, grazie! Em que te posso ajudar?”] Nem vais acreditar quem aqui está [“Chi?”]: Buonfiglio [“O quê?! Caspita…do que necessitas?”] A Elaine precisa de ti, capisce? [“Estarei aí amanhã!”] Óptimo, e traz os gémeos contigo [“Certo!”]! Ciao [“Ciao!”]!» o Christian desliga o telephone e repara que a mulher está a olhar fixamente para o ecrãn, coloca a sua mão na dela e diz «Vai correr tudo bem, meu amor!» «Oh, eu sei...não é isso! Este tipo esteve mesmo à minha frente e nem sequer o reconheci!» «O que foi que o denunciou agora?» «Este sorrizinho estúpido. Ele acha-se o máximo quando na verdade não vale nada.» Christian dá uma gargalhada e o casal prossegue com a tarefa de vigiar o inimigo...

Eu digo-te “Começo a ter pena do Ernest! Vemos vê-lo de perto!” e aterramos por detrás dele.
[Celular toca] «Tou [“Ciao, Tomaso!”]! Agora chamo-me Ernest [“Ah, sì…scusami…Ernest. Como vão as coisas?”]! Neste momento, a Elaine está a copular com o marido dela, dá para acreditar? Quando estávamos juntos, tinha de implorar para ter um pouco de acção [“Oooh, ma che…olha o respeito,eh! Ela agora está casada! De qualquer maneira, o que ela faz ou deixa de fazer não é da nossa conta; tudo o que quero saber é se irás conseguir agarrar a receita ou não? É para isso que aí estás!”]! E pensar que ela nem sequer me reconheceu: a filha da mãe [“Mas tu não fizeste uma operação plástica…ma cosa faccio, io? Ouve, esquece essa mulher; ela jamais será tua, não depois do que fizeste ao pai dela! Traição é a única coisa que aquele homem não perdoa e, se ele ouvir que um homem andar a rondar a sua pequena ‘principessa’ ele saberá que és tu! Por isso, tem cuidado!”]! Tá, tá…vou pegar na receita e pisgar-me daqui! [“Isso! Agarra nisso e ganhemos dinheiro!”] Certo! Ciao [“Ciao!”]! Ernest desliga e coloca o celular no bolso. A seguir sente um calor na nuca, quando se vira para ver quem é, não vê alma. Levanta-se e vai para casa afim de pensar numa estratégia.

Manhã seguinte. [Campaínha] Luca, o mordomo, atende a porta «Signore Vittorio, seja bem-vindo de volta!» «Ciao, Luca! Obrigado; como estás?» «Muito bem, obrigado por ter perguntado!» Luca repara nos gémeos: um par de jovens baixinhas, com cabelo e olhos pretos, cara redonda, olhos em forma de amêndoa, nariz pequenino, lábios carnudos, pele dourada, corpos de violão e um caminhar de gazela. Lindas! Mas não sorriam nem por nada.
Vittorio e as suas gémeas reúnem-se com Elaine e Christian no escritório. Christian senta-se num cadeirão, Elaine fica em pé perto da janela (para observar a propriedade), as gémeas estão ao pé da porta e Vittorio senta-se vis-à-vis ao Christian: fica decidido que a receita deverá ser levada para fora do país (tu e eu estamos divertidíssimos a observar tudo isto, eles não precisam de ajuda).
«Mas para onde, Chris?» pergunta Elaine «Para um lugar onde o Buonfiglio jamais regressaria: Sicilia!» «È veroSignore Alberto, o seu pai (signorina Elaine), matá-lo-ia se soubesse que ele estaria por perto da ilha!»…Combinado: as gémeas levarão a receita para a Sicília.
Elaine coloca a receita no bolso dos boxers da Giulia e um bilhete no soutien da Giuliana.
Buonfiglio observa-a «Aah, ela está a pôr a receita no soutien dela! Provocadora! Se o Tito estivesse aqui para ver isto…que sexy!» levanta-se e enfia-se no carro.

Aeroporto. Giulia and Giuliana bebem um café no Garfunkel’s. O Buonfiglio aproxima-se delas e repara que elas são iguais [“Qual delas tem a receita?” pensa para consigo mesmo]; flirta com as duas mas só uma corresponde ao seus encantos. Ela levanta-se e ele segue-a até à zona das casas de banhos. Ela puxa-o para si, dá-lhe um beijo apaixonado e, quando ele está prestes a colocar a mão sobre o peito dela...ouve-se um surdo “dum dum dum!”…Três tiros…Buonfiglio cai no chão, as gémeas arrastam-no para dentro de um armário e partem para a sala de embarque. No avião, Giuliana, relê o bilhete que Elaine colocara no seu soutien “Abate-o!”…

Próximo Episódio: Os Vaticinadores
Imagem: David II de Caravaggio

Comentários

  1. Ah! que pena que não deu para eu participar da escolha do final do conto...

    beijos

    ResponderEliminar
  2. Oi Adriana,

    Não faz mal, lindinha! Há-de haver outras oportunidades ;D!

    Beijos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço