Pode-se Lixar e Matar o Povo?


Sempre que estou diante da estátua do Pensador tenho a percepção de que seja um auto-retrato de Auguste Rodin contorcido pela complexidade da busca da razão no pensamento; pois não é fácil concatenar o pensamento com a reflexão e esta com a ponderação.

Actualmente, os políticos (pretenso-pensadores), salvo raras excepções, são de facto intelectualmente medíocres e falta-lhes algo no seu currículo: conhecimento básico da filosofia. Por exemplo, a União Europeia emitiu uma regulamentação (Regulamento 2017/458) para apertar a malha do controlo de fronteiras entre os países da zona Schengen; ora, pelo inexplicável e desnecessário transtorno causado aos milhares de passageiros, concluímos que a medida foi elaborada em cima do joelho, pois a sua exequibilidade é paupérrima e extremamente perigosa. Sabendo nós que a Europa está inundada de refugiados sintomáticos de fragilidades psicológicas; quem nos garante que perante tamanha concentração de massa humana nos aeroportos, os pequenos lunáticos não se deixem possuir por um surto psicótico e vai daí....e depois?

Estou sinceramente desolada com tamanha incompetência. Por tal, atrevo-me a sugerir que façamos uso do simplex de Sócrates: na compra da passagem, a pessoa introduz os seus dados completos (confirmados com fotografia do passageiro), e quando chega ao aeroporto para fazer o check in, é só cruzar os dados que naturalmente já foram de ante-mão processados. Sim, talvez não seja perfeito, porque se colocam muitas questões (sendo a principal o hacking, mas nesse caso que se criem balizas de salvaguarda da identidade das pessoas: um código pessoal à entrada ou à saída dos países); mas de qualquer modo, insto os políticos europeus a que agraciem os respectivos povos e viajantes no geral com uma resolução condigna, pois ninguém deseja ser chacinado na fila de um qualquer aeroporto europeu, devido a um grosseiro erro de inabilidade política.

Envenenamento Alimentar

Desconfio que a indústria alimentar esteja toda a ser gerida por um cartel de malfeitores perversos. Mais uma vez, podemos constatar que os agentes da União Europeia (EU) e os políticos en générale estão nos bolsos do grupo de pressão da indústria alimentar: o óleo de palma e seus similares são utilizados na indústria de cosmética há muitos anos; embora os povos da África ocidental possam discordar, diz-se que é uma gordura excelente para uso externo mas não para ser ingerido; está mais que comprovado que o óleo de palma a altas temperaturas é tóxico, logo prejudicial à saúde.

Apesar da UE ter advertido contra o uso daquela substância nos alimentos, o acima exposto impacto nenhum teve, visto que a maldita substância continua a constar nos ingredientes das bolachas, dos bolos, biscoitos, chocolates e em qualquer alimento que requeira gordura. Nada tenho nada contra o lucro, a ganância e outras envolventes próprias do negócio, mas abomino o militantismo pernicioso quando está em causa a vida humana.

A bem da verdade o Criador concedeu-me o dom e o tempo de fabricar as pequenas guloseimas para mim e para meus netos; portanto, disse adeus à Nestlé (minha primeira marca de referência enquanto crescia em Moçambique e depois em Portugal para os meus filhos) desde que terminou com os bombons Soir de France, desde que alterou o sabor dos Quality Street e dos After Eight; abandonei as minhas cream crackers favoritas desde que a Jacobs adoptou a tendência do óleo de palma, as águas e sal estão secas e bafientas; já não consumo Cadbury desde que a Mondélez lhe alterou a receita com uso de matéria gorda questionável, o chocolate da minha vida já não é convidativo (perdeu as suas características inventadas pela família Cadbury): outrora era seu apanágio uma macieza que contrastava com a fruta crocante, agora exibe uma cor macilenta em vez da sedosa. Já nem vou falar das Shortbread e Digestives da Mc'Vities que estão ressequidas como rabo de boi; a Triunfo abandonei quando se venderam a um grupo estrangeiro; a Nacional é uma desgraça, nunca foi boa no fabrico de bolachas e afins.

Bom, como já o afirmei, faço tudo na minha cozinha e agora estou a aprender a fazer chocolates com uma amiga belga. Quando as classes média e baixa estiverem quimicamente alteradas, em termos de saúde, quero ver a quem é que os políticos vão falar das alterações climáticas.

Só gostaria de saber quem tem estas ideias merdosas? Quem paga aos políticos e às instituições para serem tão idióticos? Onde estão os juízes? Tem de haver um que seja direito...caramba, o povo está a ser lentamente aniquilado.

Até para a semana

(Imagem: Caos no Aeroporto - Daily Mail)

[As opiniões expressadas nesta publicação são somente aquelas do(s) autor(es) e não reflectem necessariamente o ponto de vista do Dissecting Society (Grupo ao qual o Etnias pertence)]

Comentários

  1. Está impossível de viajar com estas novas regras! Não sei quem as inventou mas faltou-lhes de fato muita imaginação!
    Ai eu não sabia que andavam a por óleo de palma nas bolachas! Será a influência angolana?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Anónimo!
      Não sei de quem seja a influência, mas o lucro fala certamente mais alto.
      Basta ir ao quintal do Mutemba ou do Malemba e pagar-lhe para que ele organize umas mulheres do vilarejo para fazerem óleo de palma, a 50 centimos de dollar por cada 5 litros.

      Cumprimentos

      Eliminar
  2. Olá Lenny,

    "Quando as classes média e baixa estiverem quimicamente alteradas, em termos de saúde, quero ver a quem é que os políticos vão falar das alterações climáticas."

    lol realmente. Eu não como comida processada industrialmente, por isso estou a ver que eu (e aqueles como eu) é irei levar com esses políticos lol.

    Mas pensando bem, se calhar esse é o plano: matar o maior número de pessoas para reduzir os níveis de poluição? É que não faz sentido utilizarem ingredientes nocivos à saúde das pessoas em alimentos básicos.

    Quanto à União Europeia e a sua nova regra: boa ideia, embora precise de alguns melhoramentos. Mas é uma boa premissa a partir da qual se pode criar algo fabuloso. Obrigada, Lenny!

    Bom trabalho, linda.
    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Max!
      Quando o processo de selecção estiver terminado, imigrarei para o interior dos Hamptons e vou viver à grande e à francesa lol.

      Beijocas

      Eliminar
  3. Realmente, no fim só se safará quem abdicar da comida processada industrialmente. Gostei deste artigo, lenny, parabéns querida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, CCG!
      Seremos muito poucos, porque a comida processada é que está a dar; custa muito aprender coisas novas; as redes sociais são mais importantes que a saúde.

      Beijocas

      Eliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço