Basta!

Grupo de Pesca em New Rochelle de James Goodwyn Clonney


Em democracia podemos todos vir a ser políticos; e, partindo deste pressuposto, devemos concluir que o exercício da liberdade política seja algo de bom.
Mas como seria contra-producente, se por cada decisão, o povo tivesse que se reunir para resolver problemas; o sistema político diz que, de 4 em 4 anos, os cidadãos devem escolher os seus representantes, para que possam ter voz nos negócios da nação. É justo, contudo a escolha não deveria ser entre aqueles que os clubes políticos indicassem, mas sim entre aqueles mais excelentes em cada concelho – só assim os cidadãos teriam a chance de chamar à pedra os seus representantes que, assim, se sentiriam na obrigação de lutar pelo povo e não pela agenda ideológica do partido.

Caros leitores, estou francamente desapontada com a classe política no mundo, já que são todos um bando de ambíguos; senão vejamos:

  1. As Nações Unidas, juntamente com o congresso americano e o governo inglês, estão contra o presidente do Rwanda porque, a priori, querem culpá-lo pela crise na República Democrática do Congo. Mas na verdade estão descontentes porque aquele, sem lhes dar cavaco, conseguiu estabilizar o seu país: o dinheiro dos dadores está a ser utilizado para avançar o desenvolvimento do seu povo; a corrupção gritante está a ser combatida; as crianças vão à escola; as mulheres estão protegidas, pela lei, da violência doméstica e, têm poder económico (nalguns casos, até, são o único ganha-pão); os direitos, garantias e liberdades das populações estão em princípio salvaguardadas etc. Isto é mau? Porque estará este pequeno país africano a fazer tanta mossa? E a quem? 
  2. Quando ligo o canal AR ou mesmo a RTP lá esta o sr. José Seguro a dizer, ao PM Passos Coelho “O primeiro ministro está sempre a criar crises artificiais....” ora, isto é o mesmo que os congressistas de direita norte-americanos dizem ao presidente Obama: “Mr. President you are always making up artificial crises....” – mas o que vem a ser isto; anda para aí uma nova cartilha política para idiotas?
  3. O sindicalista-mor da CGTP, o sr. Arménio Carlos (o tal que no Jornal O Sol, diz ser um homem fechado, que se guia pelo raciocínio lógico) exige que o Estado "invista" mais em infra-estruturas: ó Arménio, venham mais cinco...não me obrigue a ir para a rua gritar; OK? Todos sabemos que quando se pronuncia a palavra Estado é o mesmo que dizer despesa; e se não crê nesta capitalista que através deste meio lhe dirige a palavra, pergunte ao economista sr. André Esperança, da plataforma 15 de Outubro, que concerteza anda para aí consigo em todas as suas passeatas, “em nome de quem não tem voz”.
  4. Se os governos estão tecnicamente sem cash (sim porque, todos países do mundo estão a soldo do mesmo grupo), então porque raio, desde a CNN, à RTP, à BBC, France24, RAI Uno, TVE, à DW etc...andam os comentaristas (lacaios partidários, porque a maioria faz questão de não se desassociar da congregação política) a ladrar inconsistências e incongruências dependendo se é pró ou contra-governo? A confusão é tal que a conversa de um conservador de direita parece mais a de um socialista “caviar”; o patacuá de um socialista parece-se com a de um comunista dos anos 90, e a verborreia do comunista parece-se com a de um delator da antiga URSS.       

Excelentíssimos líderes políticos, líderes sindicalistas, directores de associações, presidentes das ordens disto e daquilo: rogo-vos que, a partir de hoje, cesseis de ser plagiadores e redundantes (e já agora, ide tratar da vossa imagem, porque a vossa pirosice é tanta que ainda apanho uma embolia cerebral de tanto abanar a minha cabeça). Se não conseguirdes criar frases coerentes e originais, talvez seja melhor selarem a fossa bocal porque sois deprimidos, deprimentes e depressores. Basta!

Comentários

  1. Lenny, nem sei porque ainda me surpreendo contigo! Claro que subscrevo tudo o que aqui disseste em relação à política (nem preciso de dizer); mas agora, fazeres pouco dos parolos...não está certo, Lenny; não está! Para além disso se o Lobo Antunes, há uns tempos atrás não conseguiu fazê-los mudar de ideias (quando disse abertamente que sabia identificar os Portugueses no estrangeiro...algo como "os mais baixos, feios, morenos e mal vestidos") porque continuas a abordar o assunto?
    Não obrigues Portugal a cantar "Não sejas má pra mim! Oh-oh-oh....oh-oh-oh..." quando em breve ele só te vai querer a ti ahahahaha....Shabbat Shalom...fui!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Ana!

      Como eu entendo o sr. Lobo Antunes.
      abordo o assunto, porque gosto de ver os nossos representantes bem vestidos.
      Shalom...e bjcas

      Eliminar
  2. Olá Lenny,

    Concordo que haja algo de estranho em relação ao Ruanda. O seu sucesso não está a agradar a muitos; mas gostaria de lhes lembrar que foi por causa deste tipo de comportamento que os Islamistas se acharam no direito de tomar África de assalto.

    Engraçado, tive esta conversa há pouco tempo com o conservador de direita Americano - sim, ouvir os socialistas em Portugal é o mesmo que ouvir os republicanos nos EUA. Nunca pensei assistir a tal nível de promiscuidade política na minha vida (quem será que o autor ou autora desta cartilha moderna?).

    Só tenho uma palavra para descrever este artigo: maravilha :D.

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Max!

      Não sabes? É um panfleto escrito pela falta de imaginação e pelo discurso descuidado...:D!
      Os Islamistas estão de assalto á África porque, os políticos africanos foram a busca de dinheiro, por outras bandas; tudo culpa do ocidente.
      Obrigada, pelo teu comentário, minha linda!
      bjcas

      Eliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço