A Perturbação Europeia

Bandeira da União Europeia Escurecida
"A crítica pode não ser agradável, mas é necessária. Ela exerce a mesma função que a dôr no corpo humano. Ela chama a nossa atenção para um doente estado das coisas." - Winston Churchill

Na semana passada, li que Bruxelas decidiu substituir a árvore de natal tradicional por uma peça de arte abstracta, porque a árvore ofende os não-cristãos (em particular, os muçulmanos); logo, a solução foi ofender os cristãos e os amantes do natal tradicional.
Eu gostaria saber porque é que a câmara municipal quereria acomodar a comunidade muçulmana quando esta nem sequer pediu tal gesto (o presidente do Executivo Muçulmano Belga, o srº Semsettin Ugurlu, disse "Nós sabemos que estamos a viver num país de cultura cristã, a tradicional árvore de natal não nos ofende,"). Tal medida faz-me questionar se a intenção do presidente da câmara, ou de um qualquer vereador, não fora acender a chama do preconceito - não devemos ignorar o facto da extrema direita estar a dar sinais por toda a Europa; e que os seguidores de Anders Breivik (um fervoroso opositor daquilo que apelidou de "multiculturalismo Marxista) estão a começar a sair do buraco. 

Quando Oslo sofreu um ataque terrorista, no ano passado; o socialismo e a sua permissividade foram o motivo por detrás do ataque. Elio di Rupo, o PM socialista belga, corre o risco de ver o seu país sofrer um ataque similar. França, liderada por um presidente socialista, está a testemunhar o aumento de ataques a muçulmanos apesar das novas políticas de aproximação das nações Islâmicas. 
Os socialistas, por uma razão obscura, crêem que ignorar o problema Islamista que a Europa enfrenta; que adaptar a sua política externa de forma a provar o quão amigos dos muçulmanos são; que acomodar os não-cristãos e que rotular tudo o que seja de direita como sendo fascista, irá evitar ataques terroristas e outro tipo de problemas. 

A maior parte da Europa está a ser liderada por governos de direita que estão a ser tão perniciosos quanto os socialistas. A crise económica Europeia está longe de estar resolvida (as taxas de desemprego não param de aumentar) e o que é que os políticos fazem? Em vez de se concentrarem em criar empregos para os Europeus, na Europa, eles concentram-se na causa Palestiniana; em vez de incentivarem os bancos a injectarem capital na economia Europeia, incentivam a União a enviar dinheiro para o Egipto e para a Palestina de modo a melhorar as suas economias; em vez de investirem na Defesa Europeia (para combater, de modo eficaz, aqueles que lutam pela restauração do Califado juntamente com os seus cúmplices ocidentais), esforçam-se por financiar as Forças Armadas da Arábia Saudita, do Qatar, do Egipto, do Iraque, do Paquistão (e um deste dias, da Palestina). 
A história já nos ensinou acerca dos perigos de ter a classe-média no centro de uma crise económica. A classe-média Europeia foi transtornada, está incerta quanto ao seu futuro, quanto à sua identidade e, está a caminho de encontrar um alvo a quem possa atribuir culpas pela sua situação. Quando chegar a este ponto, a extrema direita estará já ali estendendo a sua mão e oferecendo "soluções" - e aí...o que fazer?  

"O palácio não está seguro quando a casa pequena não está feliz" - Benjamin Disraeli

Comentários

  1. Concordo plenamente. Estamos a perigo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Anónimo :D!

      Obrigada pelo seu comentário.

      Um abraço

      Eliminar
  2. Olá, Max!
    A Europa é desavergonhada e sempre será. Em vez de sentarem os Árabes e os Israelistas numa mesa e obrigá-los - sim digo bem obrigá-los, uma vez que os impostos dos Europeus estão a servi-los - a chegar a um acordo definitivo, não...! A esquerda Europeia, quer ter sempre uma causa, para se auto-promover; então prefere andar a moer os cidadãos europeus com uma causa que não tem razão de existir; ora isto é corrupção, porque involve gastos de dinheiro e não se dá a devida atenção aos problemas domésticos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Lenny :D!

      Sim, os impostos Europeus servem para servir os Árabes que se apelidam de Palestinianos. Concordo que a Europa devesse dizer-lhes, de uma vez por todas, que se sentassem à mesa de negociações sem pré-condições; mas qual quê! Se o fizessem qual seria a causa a utilizar para expressar o seu anti-Semitismo?
      A Europa não gosta dos Árabes, mas convém-lhe fazer uso deles por agora. Mas depois quando a extrema-direita se fartar...não se queixem.

      "A esquerda Europeia, quer ter sempre uma causa, para se auto-promover; então prefere andar a moer os cidadãos europeus com uma causa que não tem razão de existir; ora isto é corrupção, porque envolve gastos de dinheiro e não se dá a devida atenção aos problemas domésticos."

      Nem mais!

      Lenny, muito obrigada pelo teu super comentário :D.

      Beijocas

      Eliminar
  3. Não me sinto confortável em saber que os Sudaneses estão a ser espancados pela extrema-direita Grega, que um terrorista polaco quisesse atacar o parlamento por causa dos judeus e que um parlamentar hungaro tivesse requisitado que os judeus fossem investigados por causa do seu imenso poder; porque tudo começa assim! Os governos da Europa são uma vvergonha porque estão a levar as pessoas ao desespero e a dar munições a grupos malévolos, tanto de direita como de esquerda!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Clara :D!

      Seja bem-vinda.

      Compreendo a sua preocupação: de facto, a situação na Europa está a piorar a olhos vistos. Mas devemos entrar em pânico? Não sei bem...mas devemos prepararmo-nos para qualquer eventualidade :).

      Clara, muito obrigada pelo seu comentário :D. E calma!

      Um abraço

      Eliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço