Egipto: Amigo ou Inimigo?

Monte Sinai de El Greco

Há uma semana atrás foi o 11º aniversário do 9/11. Nesse dia, os EUA foram atacados no Egipto e na Líbia (resultando na morte do Embaixador Christopher Stevens e de mais três funcionários diplomáticos). Diz-se que um filme intitulado “Innocence of Muslims” espoletou a violência praticada na passada terça-feira, na quinta-feira (no Iémen) e na sexta-feira (Sudão, Líbano e Tunísia).

O timing dos ataques confere-lhes a qualidade de uma acção concertada. O filme e o timing da sua disseminação fazem parte do plano. A reportada presença de Mohammed al Zawahiri, o irmão mais novo de Ayman al Zawahiri (o líder da Al-Qaeda), nos protestos de terça à noite sustenta a suspeita. Era suposto os protestos Islamistas, perante as embaixadas dos EUA, terem como base a fúria causada pela produção do filme; contudo, os cartazes e cânticos condenavam as invasões do Iraque e do Afeganistão – lideradas pelos EUA – mais a aliança entre a América e Israel. A alusão às duas guerras (uma que já acabou e outra que está prestes a acabar) é um indicador do espírito jihadista por detrás destes protestos; a referência à aliança entre a América e Israel é um aviso contra Israel e alvos Israelitas.

O produtor egípcio de “Innocence of Muslims” diz-se Cristão Copta, mas esta informação é extremamente improvável (após a visualização do filme e a análise dos diálogos, dobrados, concluí que o desprezo contido nas referências ao Torah e ao Novo Testamento denunciam a fé professada pelo produtor). Este cidadão egípcio pode muito bem ser um salafista que se infiltrou na comunidade Cristã Copta Americana (por motivos óbvios). Mais, o seu Modus Operandi encaixa-se bem num dos perfirs do Novo Estilo Jihadista: produções em Inglês e a sua disseminação através da Net (neste caso, o Youtube).
No dia 8 de Setembro, a TV Salafista, no Cairo, passou um programa de duas horas que expunha o filme infame. Contudo, os manifestantes só foram para as ruas três dias mais tarde...

“Não penso que possamos considerá-los um aliado, mas não os consideramos um inimigo. São um novo governo que está a tentar encontrar o seu caminho.” (President Obama)

O Egipto é um suspeito porque é o hipocentro da violência Islamista. Contudo, também poderá ser uma vítima.
O presidente Mursi tem estado a tentar provar que ele e os seus apoiantes da Irmandade Muçulmana (IM) são parceiros de confiança do Ocidente e que estão empenhados em cumprir o Tratado de Paz com Israel – coisa que não agradou à Arábia Saudita, que não só teme que os Islamistas estejam a competir pelos benefícios diplomáticos Americanos e a influenciar o povo Saudita descontente, mas que também vê a IM a remar contra a maré dos seus planos no que toca a Israel. Alguns, no Dubai, até estão a espalhar rumores de que a IM é um instrumento Americano para depôr os seus governantes.
Logo, levar o Egipto a ter problemas com os EUA (que estavam no processo de negociar termos nos quais o Egipto veria perdoada a primeira tranche da sua dívida, no valor de $1,5 mil milhões; e, que enviaram uma delegação de trocas comerciais de mais de 100 homens de negócios para reacender o interesse dos investidores no Egipto) serveria os interesses daqueles que mais temem a Irmandade Muçulmana.

Seria conveniente que o Egipto fosse um aliado, mas e se o Egipto se estiver a tornar um inimigo?

Comentários

  1. Óla, Max!
    Se o Egipto decidir tornar-se um inimigo está no seu direito, desde que o Povo egipcío esteja disposto a arcar com as consequências; i.e. fiquem por lá e nada de imigração em massa para a Europa.
    O Ocidente que não repita o erro cometido contra o Hamas, porque ao deslegitimizá-lo, conferiu-lhe força, para cometer actos de terror abertamente...
    Bjcas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Lenny :D!

      Concordo: o povo egípcio escolheu o seu governo de forma democrática e, se este falhar deve arcar com as consequências.

      Ora, disseste uma coisa acertadíssima: não devemos repetir os mesmos erros. Não queremos legitimizar os Islamistas de modo algum.

      Lenny, obrigada pelo teu super comentário :D.

      Beijocas

      Eliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço