Serão as Ameaças de Erdogan o Último Suspiro de um Moribundo? 4,3,2,1...


Do Irão vamos agora para Turquia – outro pássaro moribundo. Se queremos Paz no Médio Oriente, algumas peças terão de ser movimentadas e colocadas no seu devido lugar. O Recep Erdogan é uma dessas peças. Este líder político continua a colocar o pé na argola – tinha quase tudo para ser bem sucedido mas porque optou por implementar uma má estratégia islamista, ele cairá e arrastará a Turquia consigo.

Aleph: Apoiando o Terrorismo do Hamas

Erdogan não cessa de mostrar ao mundo que apoia o Hamas, e qualquer grupo terrorista, como instrumento de Política Externa contra Israel (tal e qual os Europeus). Sabendo que o Hamas envia os seus militantes, mulheres e crianças para a fronteira Gaza-Israel para “protestar” através da ejecção de pedragulhos, queima de pneus (o que alguns ambientalistas chamam de “terrorismo ambiental”) e através do envio de Papagaios-Bomba para os campos agrícolas israelitas como parte do plano islamista, mesmo assim Erdogan tem o desplante de transformar terroristas em vítimas e fazer acusações absurdas.

Nós não temos a vergonha da invasão sobre nós, Netanyahu. Tu és um invasor e agora estás presente nessas terras como um invasor. Ao mesmo tempo, tu és um terrorista. – Recep Erdogan

Esta declaração revela um alto nível de impotência intelectual.

A Turquia, enquanto Império Otomano (uma entidade que Recep Erdogan busca ressuscitar) ocupou o Sudoeste Europeu, o Norte de África, a Ásia Ocidental e Médio Oriente durante 600 anos (do século XIV ao XX), por isso claro que a Turquia carrega a vergonha da invasão:

  • Bulgária
  • Hungria
  • Aústria
  • Sérvia
  • Bósnia
  • Grécia
  • Macedónia
  • Albânia
  • Eslovénia
  • Itália
  • Roménia
  • Croácia
  • Israel

E muitos outros ainda carregam a memória da invasão turca. Mas poderão os donos de uma terra invadir o seu próprio território? Não. Logo, reestabeleçamos a Verdade aqui:

Primeiro, Israel foi ocupado por Expansionistas Árabes e depois por invasores turcos; depois o Povo Judeu começou a reconquistá-lo – servindo-se de todos os meios necessários. O Plano ainda não está completo, mas estará – “ainda que ele demore, mesmo assim esperarei por ele todos os dias”.

E aqueles que ajudam à prática e promovem o Terrorismo são igualmente Terroristas por co-autoria; logo, Recep Erdogan é um Terrorista porque a Turquia tornou-se um Estado Patrocinador de Terrorismo – com os cumprimentos da NATO e da UE.

Bet: a Turquia Vende Equipamento Israelita ao Irão

O Presidente Obama forçou a détente entre Israel e a Turquia, durante a sua visita a Israel em 2013. Confessei na altura ter desconfiado desta medida, ainda que eu tenha sido encorajada a ser diplomática; não obstante, os receios de toda a gente foram confirmados: a Turquia usou o Obama para empurrar Israel a amenizar as tensões consigo e a reatar relações para que pudesse servir de intermediário para compra de tecnologia nuclear para o Irão.

“Nós vendemos condensadores a companhias turcas normais, nós não vendemos produtos ao inimigo. A maioria das nossas vendas são feitas na Turquia e nos EUA, mas a Turquia não é um estado inimigo e não tínhamos razões para não fazer trocas com ela. De qualquer modo, se a mercadoria chegou mesmo ao Irão, isto significa que fomos enganados pelo comprador turco.” – Celem Power Capacitors

Isto é grave. Será que a Administração Obama sabia disto? Qual dos assessores do Presidente Obama promoveu a détente entre os dois países por motivos ulteriores? Já que o Presidente Obama declarou abertamente que “assumo responsabilidade por tudo o que se passa na minha administração” ele é, deste modo, directamente responsável por esta decisão negligente e por outras – como a decisão de interromper o Projecto Cassandra que investigava o Hezbollah, só para agradar o Irão – significando que ele deveria ser investigado e indiciado por servir interesses de um estado estrangeiro.

A Turquia é um inimigo. Estamos tentados a aconselhar a Israel que corte todos os laços com o Estado Turco, pelo menos até se obliterar este Regime nefasto. No que toca à NATO e à UE: aconselhamo-los a tomarem uma decisão rápida porque a Turquia está a espiar para o Irão e para outros inimigos do Tratado do Atlântico Norte.

Gimel: O Genocídio Arménio

Israel tem de reconhecer o Genocídio Arménio. É um imperativo moral fazê-lo. Como Judeus, conhecemos bem a dôr do Holocausto. 6 milhões dos nossos irmãos e irmãs foram abatidos como gado só por serem Judeus – por terem uma identidade, uma religião, uma tradição, uma cultura – porque é que deveríamos negar que o mesmo aconteceu ao Povo Arménio? A Expediência Política já não é mais uma justificação válida para não fazer o que está certo.

Os Líderes Muçulmanos há anos que escapam incólumes dos seus crimes. É chegada a hora que lhes apontar a natureza dos seu pecados em alto e bom som:

  • Muçulmanos ajudaram o Hitler a matar Judeus – colocaram fundos e homens ao dispôr do Partido Nazi para exterminar os Filhos de Abraão, de Isaac e de Jacob.
  • Muçulmanos estão a retomar a matança de Africanos na tentativa de tomarem o Continente de assalto.
  • Muçulmanos exterminaram o Povo Arménio – 1,5 milhões de pessoas massacradas só por serem Cristãos e por quererem a sua Terra de volta. 

Eis uma breve descrição do que ocorreu:

O Holocausto Arménio foi implementado em duas fases: homícidio da população masculina e submissão a trabalho forçado (para transporte de provisões militares), seguido de deportações de mulheres, crianças, idosos e de enfermos sob a forma da marcha para a morte em direcção ao deserto sírio. Os deportados eram privados de comida, de roupa e de água, e sujeitos a roubos, violações e massacres (Viscount James Bryce e Arnold Toynbee [in The Treatment of Armenians in the Ottoman Empire])

Isto é vergonhoso e qualquer pessoa que negue o Holocausto Arménio é um criminoso. Recep Erdogan nega o Genocídio Arménio logo é um criminoso. Ele também ameaçou o Estado Judaico com “consequências” se Israel reconhecesse o extermínio de mais de um milhão de Arménios. Só que Erdogan está enganado: ele é que irá enfrentar terríveis consequências se não mudar o seu percurso. A crise económica Turca é só o começo e mais: ele não ameaça o Estado Judaico, nem sequer enquanto último suspiro de um moribundo.

Dalet: Pode Haver Paz no Médio Oriente

Burro velho não aprende línguas, dizem. Compreendemos que hajam líderes, que como Erdogan, estejam a ser influenciados por grupos externos que não querem saber da Paz, ainda que falam dela prolificamente. Estes indivíduos – provavelmente pertencentes à seita Globalista – só servem os seus interesses, e não o bem-estar da Humanidade. Com isto em mente, gostaríamos de afirmar que os Portões ir-se-ão abrir a qualquer um que esteja disposto a mudar o seu percurso e a trabalhar para o Desenvolvimento Humano global.

A Paz está a caminho do Médio Oriente, isso é mais que certo; mas os líderes é que irão determinar o nível de intensidade com a qual essa Paz chegará: com o punho cerrado ou com a mão estendida?

Os dados estão lançados...

[As opiniões expressadas nesta publicação são somente aquelas do(s) autor(es) e não reflectem necessariamente o ponto de vista do Dissecting Society (Grupo ao qual o Etnias pertence). © 2009-2018 Autor/a(es/as) TODOS OS DIREITOS RESERVADOS]

Comentários

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço