Luaty: O Tolo Ingénuo!


Luaty, já falei de si e do seu grupo neste blog e embora me tenha intrigado a vossa rebelião contra o estado angolano, quando soube que o haviam soltado – e em princípio tivera tempo de reflectir durante o seu encarceramento - imaginei que mudasse de estratégia, reagrupasse e se transformasse num organizador comunitário...mas, eis que oiço ecos de que se encontra em Portugal; que no hemiciclo de São Bento foi alvo de uma assombrosa manifestação política, por parte do Partido Socialista na pessoa da bizarra Isabel Moreira.

A deputada portuguesa é conhecida no nosso círculo como um elemento perturbado e inseguro; pois, após aquela verborreia acerca de Angola, impensadamente a flausina remata “Isto não é uma questão de ingerência em assuntos internos, isto é uma questão política! Conseguiste Luaty, a luta continua, liberdade já!!”

Meu rapaz espero que tenha ponderado friamente sobre a sua matinée em São Bento e se tenha compenetrado de que o seu embevecimento perante aquela inocuidade histérica, foi um deslumbramento deslocado; caso contrário perdoá-lo-ei porque terei em conta a sua saloiice herdada da costela lusitana; e de caminho aproveito para expressar o meu desapontamento às autoridades angolanas por terem desperdiçado recursos públicos devido a um melindre que lhes foi infligido por um imaturo que brincava às revoluções sem o apoio popular, sem suporte militar, sem cobertura da Media e desprovido de fundos: a olho nu, poder-se-ia antever um falhanço redondo.

Luaty, eu sei que vens dar um concerto, lançar uma obra literária onde relatas a tua provação no cárcere: é intolerante que um prisioneiro seja ultrajado gratuitamente.
Contudo Luaty, acho que deves vigiar, não te deves embrenhar nas manobras da esquerda radical, os mesmos que te dão palmadinhas nas costas e te congratulam publicamente são a maior fraude do século; porque repara só:

  • Sabes com certeza que Portugal foi escorraçado de Goa, Damão e Diu por Nerú, em 1960, porém os cidadãos daquelas regiões são sempre portugueses, embora falem um português de bosta 
  • Portugal saiu de Macau em 1999, os cidadãos chineses deste território, mesmo falando um português de latrina, são sempre portugueses 
  • Cidadãos do leste europeu, são também considerados portugueses pelo facto de terem formação universitária, ou simplesmente por direito de solo e, como deve imaginar o seu português é burlesco   
  • A gente como tu, é-lhe retirada a nacionalidade portuguesa, ao sabor do responsável que esteja a chefiar o Serviços de Estrangeiro e Fronteiras; pois o chefe emite uma circular interna que lê “este ano nada de pretos, fluxo excepcional de sujeito de interesse nacional”. 

Bem, tu nasceste em Luanda, porém os apátridas por força das circunstâncias, nascidos  em Portugal continental, desconhecedores de qualquer outra pátria, e por norma filhos de imigrantes legais das ex-colónias, registados em Conservatórias Civis, quando vão  renovar os seus documentos, é-lhes informado que afinal não tem direito à nacionalidade portuguesa; sabes quem lutou por eles? Não foram certamente os berradores que no parlamento discursam desalmadamente fazendo votos pela continuação da luta e que abraçam o africanito exótico de Luanda, que se encheu de coragem e desafiou o presidente Eduardo dos Santos.

Luaty, eu suspeito sempre da esquerda, e tu não foste excepção, tu sabes que até ao momento foi tudo em vão; n'est ce pas? Então quem, no seu perfeito juízo, solta foguetes antes da luta terminar? Quem é o idiota que aceita manifestações públicas, durante a batalha?  

Sou de Moçambique, antes das fatídicas independências, em todos os natais, a polícia repetia “vale mais perder um minuto na vida, do que perder a vida num minuto” e eu uso o aviso férreo “Pare, escute e olhe”.

Até para a semana

(Imagem: Luaty Beirão no Parlamento [Ed.] - RTP)

[As opiniões expressadas nesta publicação são somente aquelas do(s) autor(es) e não reflectem necessariamente o ponto de vista do Dissecting Society (Grupo ao qual o Etnias pertence)]

Comentários

  1. Coitado deste moço, lenny. A sério, meteu-se numa séria alhada para nada! O romantismo destes jovens só os mete em sarilhos, até parece que não sabe como áfrica funciona. Mas também pergunto, mana, será que ele foi pago por alguém? Será que ele é espião? Mas se fosse não estaria melhor preparado ou tava ele a testar água? É preciso ver isso, né? Ninguém é assim tão estúpido! Festas felizes, manas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. olá, Carlinhos!
      Não sei se foi pago, nem se é espião; mas no mínimo, parece-me um artista incauto.

      Festas felizes, resistente de Moza!

      Eliminar
  2. Será que é mesmo ingénuo? Das duas uma: ou ele é mesmo um tolo e não sabe que para se mudar o sistema necessita-se dos 3 Ms; ou então faz-se de tolo a mando de alguém - mas para quê? Distracção, manobra de diversão, rattle the cage, what?
    Hanukkah Sameach, Lenny!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Cristina!
      May be the little thing was rattling the cage, to which end, only his handler is the one who knows.

      Hanukkah Sameach, Chris!

      Eliminar
  3. Este é um carapau de corrida em busca de fama. É mais um!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Anónimo!
      Um artista armado em activista político sem ter estofo: quem no seu perfeito juízo quer ser mártire num país em que 99% da população é desgraçada?
      Se estivesse no seu lugar ficar-me-ia pela música de intervenção é bem mais interessante: aglutinador de multidões e modificador de mentalidades...

      Festas Felizes.

      Eliminar
  4. Olá Lenny,

    Pois é, o meu lado paranoico diz-me que "something is afoot, Watson". Ou este miúdo é muito parvo ou então há algo por detrás. A histérica da Isabel Moreira deu um espectáculo deplorável no Parlamento como se não houvesse nada de mais importante no país para ela se preocupar: é mesmo uma ridícula, a coitada.

    Lenny, parabéns por mais um trabalho bem feito e Hanukkah Sameach!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Max!
      As you would say "Elementary". O miúdo é parvo, nenhum isco vai para o terreno tão mal preparado; visto que nada de extraordinário aconteceu em benefício do povo angolano desde a intervenção dos tais 17.
      Essa flausina deixa muito a desejar quando se trata de lógica; se se fala de Angola no lugar onde ela o fez (Parlamento) e nos moldes em que se dirigiu ao Luati: não restam dúvidas de que se trata de uma ingerência nos assuntos políticos e internos de Angola. Tem o direito de se intrometer? Claro que tem, e não se deve retrair pelo facto do regime angolano professar o marxismo, tal qual ela o faz.
      Os rapazes só se serviram da fala nada mais; então porquê aquela tortura gratuita? A não ser que a polícia, os generais, as forças de segurança e por fim a presidência daquele território africano vão todos participar dos proventos do livrito de Luaty: bizarro!

      Hanukkah Sameach, Max!

      Eliminar
  5. "A deputada portuguesa é conhecida no nosso círculo como um elemento perturbado e inseguro; pois, após aquela verborreia acerca de Angola, impensadamente a flausina remata “Isto não é uma questão de ingerência em assuntos internos, isto é uma questão política! Conseguiste Luaty, a luta continua, liberdade já!!” HAHAHAHAHAHAHAHA ela disse mesmo isto? A mulherzinha está cada vez pior, o que é que ela fumou nesse dia? Pá, em relação ao Luate, não sei o que te diga lenny excepto que o rapaz me parece um pouco parvo, deve ser dos jejuns políticos! Esta gente acha que ler Karl Marx e fazer revoluções a la principio do século XX ainda resulta no século XXI! Acordem mas é!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hey, hey, hey...!
      Disse-o imprimindo na voz um embargamento patético.
      As pessoas não evoluem com o currículo, o tal Luaty tem dois cursos for heaven sake; o que andou ele a estudar exactamente?~

      Hanukkah Sameach, chamudah!


      Eliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço