A Esquerda Portuguesa Busca Fragmentação de Angola e da Segurança Nacional


A esquerda sabe muito mas anda a pé. Esta semana iremos discutir três discrepâncias filosóficas: a crise entre a Esquerda Radical Portuguesa e Angola; o job para a girl Marisa Matias e a centralização do Poder pelo Primeiro-Ministro do Proletariado.

Angola e os 17: Direitos Humanos, uma ova!

A justiça angolana condenou ao encarceramento 17 activistas políticos. Logo de imediato as vozes da extrema esquerda portuguesa (BE e PS) levantaram-se e tentaram passar no Parlamento um voto de condenação ao governo de Angola, exigindo numa atitude paternalista e insolente a libertação imediata dos condenados.
 
Afinal, o que é a violação de direitos humanos? É a degradação do homem pelo homem. Por exemplo: obrigar um prisioneiro a ter relações sexuais ilícitas, electrocutar, queimar, espancar, chicotear, violar e privar de liberdade sem nunca ser presente a um juiz.

Em qualquer parte do mundo, para que uma revolução dê os frutos desejados, há pessoas que se sacrificam ou são sacrificadas pela causa (o caso das sufragistas que foram presas, violadas, mutiladas e até mortas, pelo direito ao voto). Tenho quase a certeza que esses jovens angolanos estavam preparados para aquele momento; pois sabiam muito bem com quem, e em quê que, se estavam a envolver quando iniciaram essa empreitada.

Não conheço os planos nem o manifesto das intenções dos activistas angolanos, mas os mentores deveriam ter organizado um sustentáculo sólido e leal (ou seja, a parte intelectual/negociação política; parte do recrutamento/agitação popular e a parte prática/substituição do líder) para então poderem oferecer o corpo ao manifesto e morrer de cabeça bem erguida mesmo numa cela mais nojenta que uma fossa séptica. Portanto, o cretinismo primário como greves de fome, ameaças de suicídio (e atitudes emotivas dessa natureza) põem qualquer ser pensante de pé atrás; porque embora não se deseje o status quo na nação angolana, ninguém quer ver Angola num tumulto social nem tão pouco num turbilhão político; pois os islamistas expansionistas já estão na RDC - para além disso povo nenhum merece ter revolucionários incautos.

Já várias vezes mencionei neste blogue que a minha família é uma salgalhada de cruzamentos - já não se sabendo quem é o quê - e quando nos juntamos é um fartote de risada e de limpeza renal (falar mal dos políticos mundiais). Infelizmente, enquanto os seus homólogos são criticados amargamente os políticos portugueses são simplesmente desprezados; porque quando chegam a Portugal de férias reparam que - em pleno século XXI - ainda existem pretos, brancos e ciganos a viver abaixo de cão tal qual a malta dos PALOP e da CPLP. Logo, os politiqueiros do BE e do PS deveriam ter vergonha na cara e deixar Angola para os angolanos; porque ninguém quer saber do vossa solidariedade insignificante.

Marisa Matias: Jobs for the Girls

A eurodeputada pelo BE (Bloco de Esquerda) cujo salário base ronda os 8 mil euros mensais, arranjou um furo na televisão dos espanhóis (TVI) e, a rubrica chama-se  “Simplesmente Marisa”.

Que pretendem os espanhóis, ao impor-nos esta bloquista inócua? Será que acham que os seus telespectadores (graças ao meu intelecto não sou cliente da TVI) precisam de ouvir alguém controverso ao estilo de Pablo Iglésias do Podemos? Tenho uma opinião sobre esta mulher, mas isso não vem ao caso, o que me mete nojo é que esta defensora dos destituídos está a ocupar um lugar (seja à borla ou não), que poderia ser dado a um republico-independente português e ser remunerado pelo seu trabalho. Os espanhóis e seus lacaios portugueses não querem dar trabalho a quem precisa, querem é dirigir freak-shows para embrutecer os portugueses e trazê-los em constante tensão e distraídos; vai-se lá saber com que propósito!

António Costa: Chefe do Comité Central

Diz-se que tal qual os líderes comunistas (Lenine, Staline, Mao-tse-Tung, Fidel Castro, Samora Machel; Chavez/Maduro), o primeiro ministro proletário, António Costa, servindo-se da desculpa da luta contra o terrorismo e partilha de informações entre os serviços de informações, quer chamar a si a tutela da Europol e da Interpol através da criação dum organismo intitulado Centro de Contacto Único (CCU) sob a égide da secretária-geral da Segurança Interna, que responderá naturalmente ao primeiro ministro do proletariado.

Será que perante uma suspeita/denúncia de actividade criminosa a Polícia Judiciária (PJ) antes de qualquer acção terá que avisar o Conselho Superior de Segurança Interna (CSSI) na pessoa da sua secretária-geral, esta por sua vez chamará o primeiro-ministro e este reunirá o CCU e depois de analisados os factos pelo gabinete de crise, só aí a PJ poderá partir para o terreno? Say, WTF...

Porra, este primeiro-ministro e a sua camarilha do BE e PCP, não foi mandatado pelo povo português e mesmo que tivesse ganho as eleições, que credenciais tem ele no combate ao crime? Ainda não sabemos para quem trabalham as desvairadas do BE, porquê abrir-lhes acesso a material tão sensível? Diz-se por aí que o PCP terá passado informação secreta aos Russos...

A direita não está isenta; porquê confiar-lhe material secreto que só deve ser manuseado por profissionais treinados para o efeito? Soubemos, esta semana, que mesmo dentro das forças policiais e secretas há corruptos que se vendem; quanto mais um civil (mesmo tendo sido eleito) cujo povo nada sabe sobre as suas origens e motivações?

Portugal é um estado de direito, não é nenhuma república governada pelo Partido do Congresso, MPLA, Frelimo, PAIGC, Castros, Maduro, Dilma/Lula, Teodoro Obiang e Cª limitada. Tudo o que se exige ao poder judicial (juízes, procuradores e polícias) é que tenha cojones e faça valer os seus direitos constitucionais (separação de poderes) e não caia na esparrela dos políticos de trazer por casa, que pensam que basta manobrar aqui e acolá através da criação disto e daquilo e, num abrir de olhos apropriam-se de poderes que não lhe foram conferidos.

Até para a semana    

(Imagem: Queimando Retratos e Águias Reais - Ivan Vladimirov)

[As opiniões expressadas nesta publicação são somente aquelas do(s) autor(es) e não reflectem necessariamente o ponto de vista do Dissecting Society (Grupo ao qual o Etnias pertence)]

Comentários

  1. A menina Matias tem um novo emprego? Olhe, não sabia. O bloco de esquerda anda à cata de estar em todos os canais de televisão para espalharem as suas demagogias e mentiras è vontade. É bom defender os pobres e atacar os ricos quando se ganha 10 mil euros, não é?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Anónimo!
      Este país e os respectivos Media são uma vergonha.
      O BE andam a espalhar as suas porcarias porque lhe dão palco para tal: estou enojada com toda esta situação em que Portugal se encontra, é um descalabro.
      Hipócritas...!!!

      Eliminar
  2. É sempre a mesma coisa em portugal: os comediantes acabam a trabalhar nas rádios, em anúncios, em séries na TV e a comentar política; os políticos trabalham na rádio, na TV, escrevem para jornais etc; os jornalistas também são professores universitários e por aí adiante. Como é que pode haver emprego para toda a gente, pergunto-me? Claro, os jovens sabendo disto não se esforçam para terem conhecimento e cultura, acabando a participar em programas de reality show na TVI. É assim que o BE, o PS, o PSD et al batalham pelo futuro do país.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Cristina!
      Agora disseste tudo: são sempre os mesmos em todo o lado! Minha cara, eu deixei de ir ao teatro e ao cinema; porque os actores são também activistas políticos e, sinceramente não me interessa saber, o que pensa um actor politicamente; o mesmo digo da polícia, funcionários públicos, padres e afins, advogados, médicos, enfermeiros e professores (sabe-se bem o que eles são, mas devem excusar-se; porque contactam com gente de todas as cores políticas). As opiniões políticas são para os profissionais da política: o povo, os palhaços dos deputados, governantes, jornalistas, comentadores e cronistas políticos.

      Meu D**s, os realities shows são o pior conceito de televisão; sobressai o lado negro do ser humano; não sei como é que famílias inteiras aceitam expor-se daquela maneira tão escabrosa.
      Os jovens são um desapontamento; porque os seus pais são uns horrorosos, e para fugir ao horror, incautamente, despendem o melhor do seu tempo e energias degradando-se por uns míseros €20.000 que se esfumarão num estalar de dedos.

      Os políticos portugueses são também em si um triste e patético reality show; já viste a ignorância acompanhada de soberba que reina no hemiciclo de São Bento? É pavoroso!

      Boa semana de trabalho, caríssima

      Eliminar
  3. Olá Lenny,

    O BE e o PS têm negros e mulatos em Portugal com que se preocupar, cujos direitos humanos básicos (como o direito a viver condignamente) são violados todos os dias. Mas se calhar os de Angola têm mais valor que os portugueses? Hipócritas.

    Quem é a Marisa Matias? Ah, a que foi candidata às presidenciais e que tem a mania que é feminista (como se isso fosse motivo de orgulho)...mas pronto: antes era jobs for the boys, agora é jobs for the girls. Hipócrita.

    A CCU é um conceito perigoso se ficar sob a alçada do PM. E a que tipo de informação quererá o PM Costa ter acesso e para beneficiar quem? É preciso saber. Insidioso.

    Lenny, um espectáculo de artigo. Obrigada.

    Shabbat Shalom

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Max!
      Os pretos e mulatos das ex-colónias merecem mais compaixão porque não vieram para cá chatear branco; ok?

      Quando olha para a senhora Matias lembro-me do "Serafim Saudade, artista de rádio, TV, Disco e cassete pirata....".

      O lema da esquerda portuguesa é: controla a polícia antes que por algum motivo te controle a ti...". Any way porquê estar sob a alçada duma Secretaria do Estado em vez do Ministério da Justiça?
      O que quer exactamente o primeiro ministro da esquerda radical com a Europol e a Interpol, se segundo a PJ, aqueles dois organismos internacionais são exactamente uma das suas fontes de informações para as investigações?

      Separação de poderes é um assunto sério em Portugal; não importa a quantidade de organismos de segurança que se criem por decreto para assim facilitar o assalto ao sistema Judicial, pela classe política, que sempre que pode recorre a prática de corrupção.
      A classe política pode supervisionar o comportamento abusivo da polícia, mas não pode querer imiscuir-se no trabalho da polícia.

      Shalom veShavua Tov

      Eliminar
  4. É, o BE preocupa-se muito com os negros de áfrica mas e que tal se preocuparem com os negros portugueses? E os ciganos que continuam a sofrer discriminação? O BE é uma treta e não vai durar tanto quanto o PCP. E lenny, concordo contigo, se as pessoas vão organizar revoluções é bom que tenham alternativas e estejam organizados para evitarem uma situação como a do egipto depois do mubarak!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Cêcê!
      Já disse à Max que os pretos de cá têm de ser pobres porque sairam das ex-colónias para virem sobrecarregar e chatear os brancos; os ciganos esses gajos são uns bandalhos e atacantes das forças policiais e sacadores de quase todos os subsídios para comprarem carrinhas de alta cilindrada e irem vender trapos e quinquilharias para as praças: não fazem nada, só atacam a polícia e são premiados com altos subsídios.

      Yah, chega de robespierismo, Koreianismo do Norte; bolchevismo, castrismo, Frelimismo, MPLianismo, chavismo, Libia e Egipto affairs, e todas esses delírios que só serviram para atrasar os povos e fomentar corrupção física e moral.
      Estamos fartos de revoluções furadas, é hora de um tempo novo: plano, reflexão e organização com todos os contra e prós bem pesados, senão o futuro fica comprometido mais uma vez.
      O mundo tem de uma vez por todas recusar-se a dar pão à malucos: chega!

      Eliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço