Islão: Religião ou Máquina Política?


Boa pergunta. A religião é rapidamente definida como sendo um sistema de fé e culto, enquanto que a política é geralmente definida como a arte do governo. Olhando para ambas as definições, não deveríamos precisar de escrever mais já que a resposta à pergunta do título parece clara: o Islão é uma mistura de ambos. Não obstante, não é assim tão evidente já que a religião não pode ser assim tão depressa explicada e é debatível que o Islão político possa alguma vez ser uma arte. Por isso, o Islão é uma Religião ou uma Máquina Política?

Islão Enquanto Religião

Qualquer religião requer um Manual de Conduta; um livro que dite os princípios da crença; uma linha de orientação que diferencie os vários sistemas; palavras de sabedoria que revelem o caminho apropriado a ser seguido.

A religião concentra-se na melhoria do Ser – Jonathan W. Penn

A maioria dos Livros Sagrados concentra-se na elevação do Ser a um nível de existência superior – para assim purgar da nossa vida diária comportamentos primitivos. A sua atenção é direccionada para dentro e não para fora. Mas isso nem sempre é verdade no que toca ao Islão. O principal Livro islâmico é o Al-Corão, o que não pode ser chamado um verdadeiro livro religioso – não quando se compara a sua estrutura com aquela da maioria dos livros – porque se foca demasiado nas religiões rivais, isto é, judaísmo e cristianismo. O Al-Corão começa por dizer que os judeus e os cristãos são o Povo do Livro e, por isso, deverão ser respeitados; mas depois à medida que vamos lendo o livro transforma-se numa oposição feroz contra eles, atingindo o climax quando se apela ao seu homicídio caso não se submetam a Alá – i.e. se não se submeterem aos cinco pilares do Islão.
Cinco Pilares do Islão: Shahada (recitação do credo Islâmico), Salat (cinco orações diárias), Zakat (caridade), Sawm (jejum no mês do Ramadan) e o Hajj (peregrinação a Mecca). 

Se o Corão se tivesse concentrado somente no caminho Islâmico e em como elevar a alma do submetido, então poderíamos indubitavelmente chamar-lhe um livro religioso. Mas como praticamente declara guerra as duas das principais religiões (após ter flirtado com elas), como está repleto de considerações políticas e como transpira a expansionismo; não deveríamos partir do princípio de que o Al-Quran é na verdade um Manifesto Político?

Por isso, deveria o Islão ser visto como uma religião? Sim, se levarmos em conta que apela a que os submetidos adorem um D**s; e Não, quando concluímos que não tem um livro religioso como alicerce, e que coloca um homem, Muhammad, no mesmo patamar que o próprio D**s (i.e. a quem não se pode criticar nem desenhar) e tendo em conta as várias tonalidades de conveniência política evidentes aquando da leitura do livro.

A religião envolve muito mais do que se prostrar a D**s – idem


Islão Enquanto Máquina Política

O Islão parece ser primariamente baseado num Manifesto Político (Corão) do qual derivam os seus aspectos políticos.
Os conceitos políticos tradicionais, no Islão, incluem a liderança feita por sucessores ao Profeta eleitos ou seleccionados conhecidos como Califados, (os Imamates para os Xiitas); a  importância de seguir a lei islâmica ou Sharia; o dever dos líderes em buscar a Shura ou a consulta dos seus súbditos; e a importância da repreensão de líderes injustos – Abu Hamid al-Ghazali

Quando ouvimos notícias de que o Irão está a seguir o mesmo MO que o ISIS (i.e. envio de operativos para infiltrar a Europa e os EUA) e outros grupos terroristas islâmicos; somos impelidos a ver o padrão que se tem estado a formar há já algum tempo: falamos de expansionismo islâmico.

A política islâmica de expansão territorial deu-se início no século VII (chamada a primeira fase da expansão) e terminou em 1924 (rotulada de quarta fase da expansão); mas mais ou menos nas últimas três décadas temos vindo a assistir à quinta fase da expansão islâmica (cujo prazo termina em 2020, de acordo com o Plano de 7 Passos da Al-Qaeda para a conquista do mundo). No passado, a expansão foi feita através de Conquistas; hoje, a expansão está planeada para ser feita através do Terrorismo e da guerra psicológica.

Quando devidamente analisados os factos, apercebemo-nos de que o Islão é uma Estrutura Política com contornos religiosos. E não se deve comparar esta estrutura com as interferências políticas que a Igreja Católica fez nos Reinos Europeus porque o modus operandi é diferente, e – no que toca às Relações Internacionais – os exércitos patrocinados pela Santa Igreja jamais tomaram posições ofensivas contra o Islão, mas meramente defensivas no que tocava aos assuntos da Fé (e.g. defesa do caminho para Jerusalém e defesa contra os muçulmanos turcos).
“Ao contrário das manifestações estudantis dos anos 1960s, ao usar a religião e o multiculturalismo como capa, nós trouxemos um léxico inteiramente estrangeiro para a mesa. Deliberadamente fizemos exigências políticas disfarçadas de religião e multiculturalismo, e deliberadamente rotulámos qualquer objecção às nossas exigências como racismo e preconceito. Pior, fizemo-lo à mesmo geração que havia sido simpatizante do socialismo na sua juventude, pessoas que simpatizavam com acusações de racismo, que agora ocupam postos de gestão; pessoas como Dave Gomer. Não admira então que as autoridades não estivessem preparadas para lidar com a religião politizada como uma agitação ideológica, e se sentissem racistas se nos tentassem parar.” - Maajid Nawaz


(Imagem: Mesquita do Sultão Hassan - David Roberts)

[As opiniões expressadas nesta publicação são somente aquelas do(s) autor(es) e não reflectem necessariamente o ponto de vista do Dissecting Society (Grupo ao qual o Etnias pertence)]

Comentários

  1. Olá, Max!
    Não há comparação possível entre a violência islâmica e o terror que foi exercido pela inquisição. Os islamistas são sanguinários gratuitos e prepotentes; na inquisição as pessoas depois de consideradas culpadas, eram entregues aos tribunais civis e condenadas à fogueira; no Islão todos estão concertados com o derramamento de sangue; no cristianismo quando todos se fartaram da prepotência religiosa e intromissão da igreja na sociedade cívil: o povo, a sociedade cívil e alguns religiosos deram um basta, na corja dos criminosos da igreja católica.
    Claro que o islão não é religião, é uma salgalhada sob o comando de gente de sem carácter e sem formação moral.

    Beijocas e bom trabalho

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço