Teóricas Da Esquerda

Liberdade Conduzindo o Povo (detalhe) - Eugène Delacroix

No passado dia 20 de Novembro o governo português fez a colocação da última emissão de títulos deste ano; ao que tudo indica a operação correu às mil maravilhas pois o jurito foi mais baixo.
As empresas de rating (Moodys e a S&P) – desconfio destas empresas, porque elas desclassificam e depois tiram proveito financeiro das suas acções – contudo, afirmaram que Portugal estava no bom caminho; o desemprego (15,6%) baixou 2%; verificou-se um crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) entre Abril e Setembro; o ex-ministro das finanças de José Sócrates (PS- Partido Socialista) afirmou que as reformas que estão agora a ser implementadas deveriam ter sido feitas há 12 anos; e parece  – embora a passo de caracol – que sobreviveremos ao espectro da bancarrota.

As Empresas Públicas contraíram empréstimos junto a Bancos de renome e, com o intuito de reduzir custos, foram induzidas pelos seus banqueiros  a entrar no esquema das swap de taxas de juro que segundo o IGCP é um contrato negociado, em mercado não regulamentado...é tudo legal, mas quando dá para o torto, o Banco nunca sai perdedor.
As empresas públicas (Refer, Metro do Porto, Metropolitano de Lisboa, Estradas de Portugal) vinham desde 2005 a brincar ao jogo do azar; e ainda que compreenda a autonomia dos vários sectores do aparelho de Estado, pergunto-me  sobre as competências do Ministério das Finanças e do Tribunal de Contas: onde estavam estas duas entidades entre 2005 e 2011?

Para o primeiro caso, o PS diz que tudo não passa de um logro; que o governo está a tapar o sol com a peneira; que está a empurrar o problema com a barriga somente para prejudicar o próximo governo do PS – que arrogância, não? Principalmente se nos lembrarmos de que foi o PS quem desencadeou e cimentou a crise financeira que o país atravessa, devido às suas políticas ultra-sociais. 

Quanto ao segundo caso, o maior partido da oposição teve a lata de participar nas audições de inquérito parlamentar, para pedir explicações ao actual governo (PSD-CDS) sobre o fiasco de €3.000 milhões enterrados nas Swaps; fingindo desconhecer o conluio entre os Bancos e as Empresas Públicas – comportamento elucidativo que nos revela o estado catatónico em que vivem os socialistas.

Normalmente quando estão na oposição, os partidos costumam fazer uso de técnicas da disciplina de estratégia, tais como: retirar, improvisar, modificar, ajustar e conquistar.
Mas com o início da luta pelo poder dentro do PSD e, com a manifesta falta de capacidade deste governo para comunicar com o povo português; se a esquerda souber tirar partido do estado melancólico do povo português – provocado pelo governo – ela não necessitará de fazer uso de técnicas estratégicas sofisticadas para reganhar o poder; pois, para tanto, basta-lhe pôr em marcha a sua teorética - i.e. repetir vezes sem conta chavões gastos como: a luta dos trabalhadores (em vez de sabedoria dos trabalhadores devido ao leasing do carro, as variadas prestações e a hipoteca da casa); luta contra o patronato e manifestações contra as 40 horas semanais (em vez de unidade, trabalho e vigilância); recessão, desemprego e falta de crescimento (em vez sacrifício colectivo); escravos da tróika (em vez de “acabaram-se as borlas!”). 

Primeiro Ministro Pedro Passos Coelho, o tabú atrasou a marcha política do Professor Aníbal Cavaco e Silva; no seu caso, a sua falta de comunicação, ou seja, a sua noção de que o Silêncio é d’oiro, vai fazê-lo perder as eleições para a abstenção; faço-me entender?

Comentários

  1. A esquerda portuguesa já se habituou a agir sempre da mesma maneira. As suas tácticas são as mesmas desde o "grande" 25 de abril! Eles sabem lá o que é estratégia, Lenny! Olhe, nós sabemos o que eles fizeram a este país e se os portugueses votarem neles, então merecem viver num país miserável! Se nos queremos catapultar para o topo é melhor manter este governo; mas atenção, o PSD tem de aprender estratégia também! E deveria começar por arranjar um porta-voz para o PM, porque o coitado não sabe comunicar!

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Olá, Maria!

      Eu ouvi dizer que o governo havia mandado vir um "estrangeirado" que iria, também, ser uma espécie de "Press Attaché"; olhe parece que se esfumou.

      Veja que em Portugal, os partidos ainda funcionam como no tempo das cavernas; só se juntam para falar quando a coisa está a feder; não têm o hábito de manter um grupo destinado simplesmente a debater e a encontrar soluções para ajudar o governo a corrigir o que está mal; pois a percepção de quem governa é diferente de quem está de fora a observar.

      Eu já havia dito, ao Premier Passos Coelho, que um líder é nada sem uma multitude de conselheiros (gente do Partido sem assento parlamentar, JSD, simpatizantes e até sindicalistas); mas a arrogância de que só o meu circulo me pode aconselhar, está a dar espaço a oposição para escavacar o esforço do governo, para tirar Portugal da fossa.

      Mas que sei yo?

      Um abraço!

      Eliminar
  2. Olá Lenny,

    Primeiro, parabéns a Portugal pelos progressos e por termos saído da recessão. O governo está de parabéns.
    Segundo, a esquerda precisa urgentemente de se re-organizar e reestruturar porque está obsoleta. Quais são os seus valores, concretamente? Dinheiro, poder?

    Sempre que oiço um esquerdista português falar dá-me vontade de vomitar, principalmente quando o esquerdista é da minha geração (depois da história ter provado que certos ideais esquerdistas falharam quando implementados; ao contrário do capitalismo...que funciona mesmo quando selvagem). Um verdadeiro esquerdista dever-se-ia importar com as pessoas, lutar por elas, e não passar os dias a falar mal do governo (sem obter resultados), a organizar manifs (sem obter resultados) e a comportar-se como um idiota ganancioso - neste último refiro-me aos socialistas em particular.

    Se Portugal cair na lábia esquerdista (que neste momento não representa alternativa política alguma), então Portugal terá o que merece e nenhum português se poderá queixar quando a coisa começar a feder...

    Bom trabalho, Lenny. One of your best!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Olá, Max!

      Os valores da esquerda são conforme a ocasião: umas vezes é o poder ciêntifíco, outras é o poder populucho; quanto ao dinheiro, o aparelho do estado consegui-lo-á desperdiçando os recursos do país para comprar votos e manter-se no poder eternamente.
      Mas o maior dos valares da esquerda é o alinhamento com o partido e o seu líder; ponro final.

      A conversa da esquerda, neste momento, chega a fazer dó, de tão idiótica que é e, este seu resurgimento, só pode ser justificado, devido a indolência dos militantes do PSD e do CDS, uns palonços que pensam que só devem agir se as ordens vierem lá de cima; ainda não se aperceberam de que quem detém o poder são eles: que desperdício!

      Boss, obrigada pelo teu comentário!

      Eliminar
  3. Estou de acordo, Lenny. Se o PSD não se põe a pau perderá as próximas eleições; a falta de comunicação é um mal que assola este primeiro ministro! Ele deveria dar-lhe ouvidos cara Lenny.
    Os esquerdistas são um monte de hipocrisia, nem sei como há gente que ainda vote neles! Enfim...

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Olá, Carla!

      As pessoas votam neles, porque a direita ainda não foi capaz de convencer o povo de que o trabalho enaltece e enriquece; enquanto que o subsídio torna as pessoas dormentes, dependentes. e sempre de mão estendida.

      As pessoas votam neles porque a direita pensa que fazer é melhor que falar; esquecendo-se que no mundo de hoje cheio de solicitações acompanhadas de frustrações recalcantes, as pessoas querem e anseiam por respostas explanadas e bem explicadas: olhos nos olhos, não no Tweet e/ou facebook.

      As pessoas votam neles porque ao contrário da direita pragmatista, a esquerda tem uma lábia inigualável, é mestra no jogo da compaixão e da manipulação dos anseios do povo.

      Nós, as duas nunca poderíamos votar neles porque sabemos que a luta, a dor e a derrota são variáveis inerentes ao jogo que eventualmente conduzirá ao sucesso individual e por último beneficiará o país.

      Aquele abraço, amiga!

      Eliminar
  4. Muito bem dito! Haja alguém com coragem para falar desta cambada que para aqui anda! Obrigado, Lenny.
    Onde anda aquela freirita que tanto adoramos? Ai, ela é um primor...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ó João Pedro, francamente, eu não sou freira (isto é, se se estiver a referir a mim)! De qualquer maneira, eis-me aqui: em que lhe posso ser útil?

      Eliminar

    2. Olá, João Pedro!

      Eu, também, acho que ela é uma riquezas; mas não é freira, penso porém que seja mariana :D.

      Estimei vê-lo por aqui!

      Obrigada

      Eliminar
  5. Lenny, eu nunca vi tanta mentira como aquelas que o PS nos diz todos os dias, é uma vergonha! Mas mais vergonhoso é o povo português cair nisso, quer dizer aqueles que caem nisso.
    Não percebo nada de swaps nem nada disso, mas se a Lenny nos diz que usaram dinheiro dos nossos impostos para fazerem investimentos que pudessem não garantir o capital (e espero estar a dizer bem a coisa), então é grave, não? E o PS é que começou tudo isto? Meu Deus!

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Olá, Maria Joaquina!

      Está para além de grave, é uma roubalheira a coberto da lei, ainda que estas transacções sejam feitas em "mercado" não autorizado...

      O PS sempre soube de tudo e no entanto, agora faz-se de novas.

      Sabia que este tipo de negociatas, aliadas a ganância dos seus executores deram cabo das economias mundiais.
      O pior para mim, foi os governos fingirem que desconheciam o que, a rapaziada do mundo financeiro, vinha fazendo: que descaramento!

      Pois bem, c'est la vie!

      Beijocas

      Eliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço