Fase 2: Adolescência

Lisboa, 13 de Julho de 2010

Caros amigos e leitore,

Atingiram a fase 2: a minha adolescência.
Durante esta fase vestia-me de preto, usava botas Doc Martens, eye-liner, pintava as unhas de preto, tinha um piercing no nariz...enfim, tudo a que tinha direito.
Por isso, quais os grupos que me marcaram mais nessa altura? Os The Cure e os Depeche Mode (se bem que também ouvia Violent Femmes [especialmente "Colour me once"] para além de outros).

Sempre gostei dos Depeche Mode porque as suas letras transportam-nos para as profundezas do intelecto. In summa, as músicas deles são profundas. Partilho convosco uma das minhas favoritas: Personal Jesus.

Comentários

  1. Os Depeche, andaram por Lisboa e Porto em 2008, foste vê-los?

    Beijosssss!!!

    ResponderEliminar
  2. I like also Depeche!
    this one is also sang by marilyn manson (that personage),
    or "keep your feet on the ground"
    etc etc. nice choice!

    all the best
    Gallardo

    ResponderEliminar
  3. Isto é puro anos 80! Depeche Mode, Human League, Bros, Duran Duran, Eurythmics entre muitos outros, bons tempos!!

    As diversas tribos que conviviam democraticamente, tão diferente de hoje, onde as várias tribos se unem contra os #emos!! coitados!!

    Era tanta música boa e por isso nos dá tanta vontde de viajar até o passado e ouvir aquilo que marcou a nossa história de vida! Salve, YouTube! A melhor invenção da internet!! (rs*)

    Te aguardando!! Beijus,

    ResponderEliminar
  4. Mas bah, guria.
    Costumo dizer que adoro gente; crianças, velhos e especialmente adolecentes...
    Acho que é porque minha adolecência foi a base de "paz e amor" e ao som dos Beatles e stones. rs.
    Abração.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço