Legalização das Drogas


Qual seria o propósito exacto da legalização de drogas ilícitas?
Alguns sugerem que iria combater o enriquecimento ilícito; outros defenderiam que iria diminuir as taxas de crime relacionadas com o tráfico de droga; e outros argumentariam que iria ajudar a combater a lavagem de dinheiro (i.e. impedir que os traficantes de droga transformassem os lucros do seu negócio criminoso em rendimento gerado por uma actividade legal).

Na teoria parece bastante simples; mas tal como disse Antonio Maria Costa (Director Executivo do Gabinete de Drogas e Crime das Nações Unidas) “o crime trans-nacional organizado jamais será travado com a legalização das drogas" e, eu tendo a concordar com ele.

Mas, se as drogas forem legalizadas quem seria o seu principal fornecedor? O governo? Suponho que isto representasse um enorme problema; pois um número significante de cidadãos não concordaria em financiar (através dos impostos) o fornecimento das presentemente chamadas drogas ilícitas.
Então quem? Organizações para-estatais? E quem seriam os Presidentes destes grupos? Talvez pessoas formadas pelos traficantes de drogas encarcerados (a Polícia Judiciária/Federal faria uso dos conhecimentos daqueles para dar formação a futuras gerações de Presidentes de Fornecimento de Droga – afinal, os traficantes conhecem o métier melhor que ninguém).
Mesmo assim suspeito de que nem isto travaria o tráfico de drogas nem sequer diminuiria os crimes relacionados com a droga.

Por exemplo, nos Países Baixos, os donos de cafés podem cultivar cannabis em casa e, depois, vendê-la nas suas lojas (cada uma pode ter 500 gramas no seu recinto), contudo não podem comprar grandes quantidades a produtores/fornecedores externos. Isto parece bom no papel, mas o problema é que os produtores, através do uso de laboratórios, “conseguiram aumentar o ingrediente activo THC (Tetrahydrocannabinol)nas suas plantas, de uma média entre 4% a 9% para +/- 18%. Algumas variantes chegaram a atingir 30%” (Fonte (Inglês): Der Spiegel). E estes produtores sofisticados conseguiram introduzir os seus produtos nos cafés (ainda que seja ilegal). Se lerem o artigo contido no link providenciado, verão que apesar de a venda de cannabis ser legal na Holanda, os crimes relacionados com a droga não diminuíram.

Os traficantes de droga existem primeiro porque há pessoas que têm pré-disposição genética para o consumo de drogas; e segundo, porque as pessoas empurram outras para esse abismo (através da indiferença, negligência, abandono, desprezo; e o mais importante através da falta do sentido comunitário, porque hoje em dia ninguém é capaz de oferecer uma refeição, um sorriso ou um abraço ao filho de um vizinho).

As drogas, sejam elas legais ou ilegais, são viciantes, perigosas e matam.
As drogas ilegais jamais acabarão porque há várias pessoas envolvidas (de todos os quadrantes sociais e políticos).
Quanto às drogas legais, nunca ninguém fará um esforço sério para ir atrás das farmacêuticas porque elas contribuem para instituições de que todos nós nos servimos (hospitais, escolas, recintos desportivos etc etc etc) e colocam pessoas do seu agrado na política (i.e. financiam e ganham eleições).

Tudo isto fez-me chegar à seguinte conclusão:
Drogas: legais ou ilegais, não faz diferença, porque de qualquer maneira estamos presos a elas.
Uma pessoa até poderia sugerir que as pessoas voltassem ao básico (i.e. medicina natural) mas como, se nem a natureza é mais natural?

Para uma opinião diferente, convido-te a leres o artigo do meu co-graffiter LS (Inglês): Aqui

Comentários

  1. Muito bem colocado...nem a natureza é natural.
    ótimo texto viu.


    abraços


    Hugo

    ResponderEliminar
  2. Olá Hugo :D!

    Bem-vindo ao Etnias!!

    "Muito bem colocado...nem a natureza é natural. ótimo texto viu."

    Muito obrigada :D!

    E obrigada pela visita! Espero ver-te mais por aqui...quero que saibas que és extremamente bem-vindo.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. Òtima abordagem, Max, lúcida e lícita (risos), penso que a diferença em trazer questões complexas e polêmicas para o debate está em torná-la clara a quem lê, pontuando os prós, contras, e levando cada um a implicar-se em sua decisão.
    A França tentou legalizar, tal qual a Holanda, masd não deu certo, e fico pensando como seria no Brasil, se legalizassem a maconha? A violência diminuiria, se na Holanda não conseguram, num país com as dimensões do nosso, seria isso possível?
    Um beijo grande, Max!!

    ResponderEliminar
  4. Mas bah, Max.
    Sou da geração que cantou "...é proibido proibir..." Penso que vivemos numa sociedade que tem a cultura das drogas; para todo mal há uma droga correspondente, todas as dores do corpo são curadas por algum tipo de droga, quando alguém tem dor na alma é natural que também procure uma droga para curar.
    Nesse contexto fica difícel dizer o que pode e o que não pode...
    De qualquer forma sou contra o uso das chamadas drogas ilícitas e tenho sérias dúvidas quanto a legalização.
    Parabéns por mais essa polêmica que nos sacode e aflora nossas incoerências.

    ResponderEliminar
  5. Oi CB :D!

    "Òtima abordagem, Max, lúcida e lícita (risos), penso que a diferença em trazer questões complexas e polêmicas para o debate está em torná-la clara a quem lê, pontuando os prós, contras, e levando cada um a implicar-se em sua decisão."

    Obrigada, querida *vénia*!

    "A França tentou legalizar, tal qual a Holanda, masd não deu certo, e fico pensando como seria no Brasil, se legalizassem a maconha? A violência diminuiria, se na Holanda não conseguram, num país com as dimensões do nosso, seria isso possível?"

    Não dá certo porque o ser humano é demasiado criativo (mais ainda quando se trata de cometer crimes). As leis não são perfeitas, porque são feitas pelo homem (que é imperfeito), logo é fácil encontrar na lei uma lacuna que permita ao criminosos contorná-la.
    O problema é que, tanto na Holanda como no Brasil (e outros países), as forças de autoridade estão envolvidas no tráfico...aí fica difícil combatê-lo.

    CB, muito obrigada pelo teu super comentário :D!

    Beijos e bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
  6. Oi Diler :D!

    Já estava com saudades :D!

    "Sou da geração que cantou "...é proibido proibir..." Penso que vivemos numa sociedade que tem a cultura das drogas; para todo mal há uma droga correspondente, todas as dores do corpo são curadas por algum tipo de droga, quando alguém tem dor na alma é natural que também procure uma droga para curar."

    Que lindo comentário! E sim, tens toda a razão...

    "De qualquer forma sou contra o uso das chamadas drogas ilícitas e tenho sérias dúvidas quanto a legalização. Parabéns por mais essa polêmica que nos sacode e aflora nossas incoerências."

    Compreendo-te bem.
    Obrigada, meu amigo :D!

    Diler, obrigada por este comentário fantástico! Tem um bom fim-de-semana!

    Um abraço

    ResponderEliminar
  7. Há quem diga que as drogas seriam apenas para casos em que a pessoa estivesse já dependente ou usada concomitante à tratamentos médicos. Por detrás destas duas situações, temos históricos de pessoas, de vidas que se degradam em função de um prazer momentâneo, alimentando a indústria bélica, por exemplo. Sou contra a liberação, acho que se deve combater as causas para alguém procurar refúgio nas drogas e não tentar imendar uma situação. Não deve ser difícil educar cidadãos para o não uso das drogas, basta a boa vontade do governo em abrir oportunidades para uma melhor qualidade de vida. Bom fim de semana! Beijus

    ResponderEliminar
  8. Oi Luma :D!

    "Sou contra a liberação, acho que se deve combater as causas para alguém procurar refúgio nas drogas e não tentar imendar uma situação."

    Concordo plenamente.

    "Não deve ser difícil educar cidadãos para o não uso das drogas, basta a boa vontade do governo em abrir oportunidades para uma melhor qualidade de vida."

    Esse é o busílis da questão: a boa vontade do governo!

    Luma, muito obrigada pelo teu super comentário :D!

    Beijos

    ResponderEliminar
  9. Oi Max
    o melhor mesmo seria não ter as drogas, não acha?
    Afinal o que há de errado em estar sóbrio, com seu juízo em prefeitas condições?
    Mas tudo bem, sei que isso não é possível, as drogas estão aí, envolvem muita gente, e na verdade ninguém está interessado em acabar com elas...mas legalizar, não concordo, acho que acabaria como é o cigarro que é vendido em qualquer lugar e até para crianças.

    Gostei muito do tema, e dos comentários acima...

    beijinhos

    ResponderEliminar
  10. Oi Dri :D!

    "o melhor mesmo seria não ter as drogas, não acha? Afinal o que há de errado em estar sóbrio, com seu juízo em prefeitas condições?"

    Acho. Não há nada de errado; pelo contrário...o ideal seria não ter de tomar coisa alguma (deixando o corpo livre de químicos), mas infelizmente isto não funciona para todos...

    "Mas tudo bem, sei que isso não é possível, as drogas estão aí, envolvem muita gente, e na verdade ninguém está interessado em acabar com elas...mas legalizar, não concordo, acho que acabaria como é o cigarro que é vendido em qualquer lugar e até para crianças."

    Ora bem, trouxeste um ponto interessantíssimo: o tabaco, que também mata, é legal e ninguém controla a quem é vendido, nem onde!

    "Gostei muito do tema, e dos comentários acima..."

    Folgo em sabê-lo, minha linda! :D
    Os comentários são 100% mesmo...também gostei!

    Dri, muito obrigada pelo teu contributo: trouxeste um ponto que complementou o artigo :D!

    Beijinhos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço