A lata do Economista do Momento: Mário Centeno



"Mário Centeno congratulou os portugueses pela melhoria dos dados do desemprego." (Fonte)

O Partido Socialista desconhece o significado do termo silogismo, mas não há problema pois o Etnias explicá-lo-á através de um exemplo prático: a coligação PSD/CDS está ao leme da governação; os portugueses estão de parabéns pela melhoria da Economia e pela criação de emprego; logo, a coligação PSD/CDS está de parabéns por ter implementado medidas que resultaram na ocorrência da dita melhoria.  

Com receio que o senhor António Costa mais uma vez falasse a verdade e reconhecesse que a coligação governativa havia conseguido um feito, o PS mandou falar o seu economista do momento: Mário Centeno.

Ora o sr. Centeno é o tal do plano macroeconómico do Partido Socialista que em miúdos diz o seguinte:

  • Tenho a certeza dos meus cálculos, mas tenho uma reserva mental; 
  • Com as medidas por mim preconizadas, o crescimento económico irá disparar, mas só o tempo dirá; 
  • O orçamento geral do estado não será sobrecarregado com as medidas anteriormente referenciadas, porém não sei onde ir catar dinheiro; 
  • Foi uma cavalice a redução do imposto sucessório, portanto a taxa sobre as heranças têm de sofrer um aumento considerável; 
  • Em 2019, Portugal estará em plena recuperação, contudo não faço a mínima ideia como faremos tal percurso; 
  • O eterno problema do Segurança Social resolver-se-á com com o aumento das portagens, mas se as pessoas decidirem utilizar a estradas secundárias, estamos fritos, embore eu preconize a criação de uma taxa municipal para colmatar essa deficiência; 
  • Para ajudar os trabalhadores carenciados, criaremos uma taxa sobre os patrões que abusem dos contratos temporários, assim não irritaremos o patronato com a sugestão dum salário mínimo de €1.000.

Pois...se fechar os meus olhos até consigo imaginar o que deverá ir pela cabeça deste indivíduo:

‘Eu, Mário Centeno, economista douturado em Havard, sou the bomb, créme de la créme no meu mêtier economista, mas em termos práticos não sei o que isso significa, portanto vou pisgar-me do soturno Banco de Portugal para o estrelato na política, onde terei tempo para escrever livros e oxalá a luz da ribalta incida sobre mim, e talvez venha a ser convidado a ingressar no clube la gauche de Thomas Piketti e Strauss Khan....
Como futuro parlamentar posso atirar baboseiras para o ar e afirmar que a política de Passos "é uma versão de Pedro e o lobo" porque vou pertencer a um partido onde se professa a versão do "lobo de wall street"...’

Mas que lata!

Até para a semana

Comentários

  1. Não percebo como este partido pode dar tanto tiro no seu pé. Mas o que é que se passa aí, mana?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Carlitos!
      O que se passa é que as apetências estão incaracterísticas; o cinismo revestiu-se de outra roupagem, facilitando assim o controle das massas através do aclamado estado-social que nos países árabes, escandalosamente, atingiu a forma de agnelloismo supremo.
      Este partido socialista de António Costa fruto de deslealdade e saque (perguntem ao José Seguro, qual formiga laboriosa) não poderia ser kosher, está contaminado e recheado de confusionistas: desde o chefe até ao economista investigador.

      Guardião de Moza, aquele abraço, meu irmão!

      Eliminar
  2. pronto, mais um que sabe tudo e não sabe nada, já vi tudo! é mais um oportunista que para aí anda e que agora vai fare lo parlamento para garantir a sua pensão choruda.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Anónimo!
      Ora é isso mesmo, vai deixar o departamento de investigaçao no BoP, para se lançar no covil da inércia como é o parlamrnto português.

      Cumprimentos

      Eliminar
  3. Olá Lenny,

    Pá, um dos meus leitores anglófonos tem como slogan a seguinte frase: "The Slumber of the Clueless". Eu olho para os socialistas e penso nesta frase, every time.
    A maneira como se faz oposição na política portuguesa é-me completamente estranha porque perde-se a legitimidade toda quando se é incapaz de fazer duas coisas:
    1- Admitir quando se está errado, quando se errou
    2- Admitir quando o governo fez algo decente para o país.

    Por exemplo, em Israel não é raro a oposição apoiar medidas do governo com a seguinte explicação: como iríamos explicar ao país que fomos contra uma medida que beneficia os cidadãos? Se fosse em Portugal a oposição fincaria o pé e o país que se tramasse.
    É uma vergonha.

    Pronto, minha cara, provaste mais uma vez que os socialistas não sabem o que andam a fazer. A lata é muito grande mesmo.

    Beijocas e bom trabalho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Max!
      Como dizem os moçambicanos: Afinal esse tal de Centeno fez o quê? Nada
      Afinal esse tal de Centeno além de funcionário público; é o quê? Nada
      Afinal esse tal de Centeno está a desprezar o crescimento de Portugal, que fez no BoP para ajudar a melhorar a economia do seu país? Nada
      Então não vale a pena dizer nada, porque como diz o poeta " Não cabe na rima dum poema, de tão pequeno"

      Shabbat Shalom, Max!



















      Eliminar
  4. Hehehe gosto da foto! Não conheço este individuo mas se ele é um trocadeiro desses então coitado de portugal, com lideres desses...
    Fiquei mal impressionada, lenny porque isto me faz lembrar os políticos da frelimo, sabes?

    ResponderEliminar
  5. Olá, Leila!
    Também eu gostei imenso de a ver fotoshopada. Coitado mesmo!
    Sei do que estás a falar, mas se Deus quiser um dia far-se-á justiça. Os países pertencem aos povos e não aos políticos e seus amigos.
    Desejo tudo de bom aos moçambicanos. Abaixo a corrupção, o amiguismo e a associação criminosa.

    Aquele abraço, guardiã de Moza e seu futuro

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço