Charlie Hebdo: Piadistas, Trapos Versus Racionalidade

Medusa - Caravaggio

Pronto, os maometanos passaram-se e, em nome de um homem que clamam estar acima de Deus e seu reino, ceifaram a vida de 10 pessoas cujo trabalho era induzir à reflexão através do riso, raiva e até ao choro; na mesma leva foram também executados dois agentes da lei que estavam no cumprimento do seu dever: paz às suas almas.

Quando se verifica um desrespeito tão clamoroso pela vida, todos nos sentimos na obrigação de dizer algo e neste caso não foi excepção, porém irei somente assinalar aqueles que para mim se destacaram para além do credível:
  1. A Liga Árabe: um grupo de gente estranha. Se nos lembrarmos que alguns de seus componentes são patrocinadores de terrorismo e ou acoitadores de terroristas (Árabia Saudita, Irão, Qatar e Turquia); como poderá ela sinceramente fazer-nos crer que ficou consternada com a carnificina da passada quarta-feira, em Paris? Ora, se no país santo do islão (“paz”) não são permitidas igrejas cristãs? Se em países muçulmanos, simbolismos ocidentais (bandeiras e igrejas) são pisados, cuspidos, queimados e derrubados sem que haja nenhuma palavra de repúdio por parte da dita Liga? Se em países muçulmanos todos os dias do ano se aprisiona, tortura-se e mata-se quem professe outras fés e, nunca se ouviu a voz suprema dos muçulmanos condenar tais vilipêndios? Por isso, a condenação da Liga Árabe só pode ser um escárnio às famílias dos falecidos e uma piada de mau gosto.
  2. Eu nasci em 1958 e, quando tive o período menstrual havia umas toalhitas higiénicas, no mercado, que eram laváveis e reutilizáveis. Para mim os panitos eram um pesadelo e só de pensar neles ficava duplamente doida, mas como a minha prima era enfermeira, ensinou-me a fazer os meus próprios pensos descartáveis: algodão revestido em gaze. Não sei se a Chanceler Angela Merkel teve a minha sorte, mas desconfio do oposto já que a chanceler, a propósito do crescente movimento anti-islamização da Europa (PEGIDA) no seu país, recorreu ao uso do vernáculo esquizofrénico do costume: racismo (nota bene: islão é uma religião ou filosofia de vida, não é certamente nenhuma raça), xenofobia (o quê? A maior parte desses facínoras islamistas nasceu aqui em países europeus) e gente perigosa (oh... bitter!). Se calhar o que aconteceu na 4ª feira, em Paris, não foi um ataque perpetrado por gente islâmica perigosa e, se calhar até nem sonham em subjugar todos os não-muçulmanos à sua vontade nem que seja a ferro e fogo.
  3. A deputada Ana Gomes: não posso pôr em causa o seu profissionalismo – Deus a abençoe – mas quando olho para ela vejo uma sopeira. Claro que este meu elitismo seria ultrapassável, se ela se reservasse de fazer comentários e declarações levianas. Devo dizer que o sacrifício, a luta pela sobrevivência, as dificuldades, a inadaptação, o desenquadramento são uma condição humana que custam por vezes a suportar, contudo não são indutores do mau caminho; só se deixa apanhar nas malhas da vileza quem tem uma costela vil; portanto quanto à explicação ao seu tweet emocional, foi pior a emenda que o soneto. Conclusão tanto a chanceler como a eurodeputada só podem ainda sofrer do síndrome dos paninhos, aquela sensação de humidade constante que não nos deixa raciocinar (caramba, amiguinhas! Agora há uns pensos maravilhosos: comprem-nos se ainda andam com a chica - eu estou livre!).
  4. Sheik David Munir, meu conterrâneo, mas que homem clarividente, mas que homem poderoso. Meu irmão, você é aquilo que os anglo-saxónicos designam de “what a mighty good man!”. Tem toda a razão, quem não sabe viver sob a civilização ocidental, deve migrar para os países que partilhem os seus valores e deixar os outros em paz. Remato com o que se diz lá em casa “vai e faz o favor de não envergonhar a família”.
Meu caro, o senhor, de todos os que fizeram declarações de condenação, foi o mais racional!

Liga Árabe e minhas senhoras, aprendam com o sheik David Munir de Portugal.

Até para a semana

Comentários

  1. Ó lenny, a ana gomes já é uma habituée do ridículo! Mas que raio de twit ou tweet ou o que lá isso é, foi aquele? Ela deveria ler os trabalhos da Max porque lembro-me bem que ela explicou que desemprego e outros factores não justificam o terrorismo e até académicos o disseram também, não foi? Minha cara, também fui do tempo dos paninhos e incomoda-me que todos ponham panos quentes no que toca aos infiéis dos árabes! O problema está lá e é preciso resolvê-lo, e mais nada! Deus nos valha.
    Bom ano a todos!

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Olá, Maria Joaquina!

      A esquerda é um terror; passa a vida a apaziguar situações inadmissíveis: dando explicações furadas e desculpas mal concebidas para tudo.
      Os terroristas islamicos do Magreb, árabicos e africanos, tal qual os seus aliados da esquerda, inventam desculpas mais estapafúrdias, a mais ecoada são os 500 anos de opressão que lhe foram infligidos pelos ocidentais: c'est du n'importe quoi!
      Um ano auspicioso para si e sua família!

      Eliminar
  2. Lenny, comentarei depois do Shabbat. Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Max!

      Minha cara, toma o tempo que for preciso e além do mais: you're the boss ;)

      Bjcas!

      Eliminar
  3. Epá porra! O que aconteceu em Paris foi mau, pá. Nem sei o que pensar, o que dizer neste momento, quer dizer e tinham de acabar com um ataque a uma loja Kosher! Sempre nos envolvem nas merdas deles. Estou farta e é melhor nem falar muito. A Ana Gomes que vá à merda!

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Olá, Carla!

      Estou contigo, minha irmãzinha; é tudo uma merda!
      Esses lideres maometanos são uma coisa horrorosa,excepto o sheik David Munir o Luso-moçambicano.

      Amorosa, beijocas!

      Eliminar
  4. Xii Ana Gomes parece uma criada! Até os nossos políticos lá em casa têm melhor cara. Mas pronto, os políticos europeus cavaram a sua cova, lenny! Tanto antagonismo contra israel em vez de se juntarem aos judeus, não; preferam apoiar os seus inimigos! Não percebo a lógica. Em breve vou para moçambique se a coisa piorar.

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Olá, Leila!

      A Ana Gomes é tipicamente a mulherzinha carne de pescoço. Claro que os políticos europeus lixaram tudo: desde quando é que os donos da casa se moldam aos convidados? Tanto pano quente à volta dos muçulmanos e o resultado foi o que se viu: não se pode dizer nada porque os selvagens ficam todos melindrados e saem a matar.

      E a estupidez dos políticos ao insistirem numa mentira como: essa rapaziada nada tem a ver com o Islão! Então, os facínoras que na passada quarta-feira deixaram a França de rastos professavam essa maldita religião e sairam a matar em nome do Islão e do profeta Mohamed. Que mais provas e evidências precisam os politicos para chamarem os bois pelos nomes?

      Boa semana de trabalho, minha linda!

      Eliminar
  5. Olá Lenny,

    Bem, a Europa está de rastos; quer dizer, depois de três dias de carnificina, organizam marchas da liberdade e contra-terrorismo e convidam países que suprimem a liberdade, e patrocinam terrorismo, a participar na mesma. O mundo está louco.
    Quanto ao Sheik Munir: grande coragem. Porém, se algo de mal lhe acontecer, já sabemos quem foi - mas duvido que algo lhe vá acontecer agora que o presidente Sisi e um MP britânico muçulmano disseram o que há muito os muçulmanos já deveriam ter dito: estes ataques são perpetrados por muçulmanos e cabe à Ummah resolver o problema.

    Quanto à Ana Gomes e pessoas similares: deveriam ser todos investigados por colaboracionismo.

    Beijocas e excelente trabalho :D.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Max!

      A propósito da marcha de Paris, ouvi a painilista Raquel Varela na RTPI dizer que o primeiro ministro de Israel não deveria ter participado porque ele bombardeia escolas e hospitais. Eu penso que o senhor não se teria incomodado a deslocar-se até França se os amigos dela muçulmanos não tivessem ido atacar o hyper cacher: penso eu de que.....

      O Qatar patrocinador de terrorismo, a Jordânia que acha que os judeus no seu país não se devem deslocar oa monte do templo para se dirigirem ao seu Deus, o ministro turco do Erdogan que suprime a liberdade de expressão e prende jornalistas, o Abbas que incita os jovens muçulmanos em Israel a esfaquear judeus, atropelar mulheres e crianças e lançar pedras aos judeus; sim estes tinham o direito de lá estar porque os seus países são os bastiões da liberdade, direitos e garantias para todos sem excepção.

      Para essa doutoura-investigadora-sabichona-castradora do intelecto-criadora/fazedora de moda-citadina-pretensiosa-feiosa-pacóvia: "je suis portugaise, catholique, juive, pas musulmane" et voilá!

      Boa semana de descanso, boss!

      Eliminar
  6. Olá meus amores! Bem, os Brits estão em pânico a tentar impedir-nos de voltar para Israel; o William Hague fez um apelo à la Pink 'Please, please, don't leave me!" hehehehe
    Já disse tudo o que havia a dizer sobre esses muçulmanos e os europeus por isso não me vou repetir aqui. E quantos aos nossos irmãos: façam as malitas e partam; eu farei o mesmo!

    ResponderEliminar

  7. Hey,hey,hey..
    O mar não está para peixe, os tipos voltaram a atacar na Bélgica; maldição!
    That's right, go home and I shall visit ;)

    Bjcas!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço