Os Pobres e a Politiquice de Esquerda

Mendigo a descansar - Giacomo Ceruti

Os pobres estão novamente na moda e os protagonistas do reavivamento são: a OCDE - que afirma que a pobreza está seguramente a aumentar em Portugal; o António Costa, líder do PS - que afiançou aos jovens socialistas que a pobreza é um flagelo em Portugal e, a OIT - que também meteu a sua colherada nos assuntos do Portugal pobretão.

O Etnias já aqui falou deste assunto, mas, cá vai mais uma vez: pobres são os meninos nas zonas de conflito, sem fim à vista, em África; pobres são os meninos ásiaticos de tenra idade que são pedófilados por gente de todos os continentes; pobres são as pessoas no Maranhão (vi na TVRecord) que vivem em condições deploráveis; pobres são as pessoas dos países da América latina que querem avançar e não lhe é politicamente permitido; pobres são aqueles que morrem à fome e de doenças tratáveis, em países emergentes por falta de vozes defensoras a favor dos mais fracos, por falta segurança social, serviço nacional de saúde e de mecanismos sociais de interajuda; pobres são as pessoas que caem e jamais se levantam porque acham que não vale a pena recomeçar.

Ó Deus, estarão os portugueses condenados? Certamente que não! Lembremo-nos que nos anos 80, quando neste país proliferava aquela indignidade chamada barracas que servia de lar para muitos portugueses, Portugal era tido como um país em vias de desenvolvimento. Livrámo-nos da afronta habitacional através do investimento na habitação social, cimentámos os direitos à educação, saúde, reformas, água potável, luz eléctrica, direito ao voto, liberdade de expressão, associação e religiosa para todo e qualquer um que habite em Portugal; melhorou-se a rede de transportes públicos, temos uma rede de infra-estruturas invejável e obras públicas que rivalizam com os países mais ricos da Europa; mais uma coisita aqui e ali e, lá conseguimos o estatuto de país desenvolvido.
Consequentemente, seguiram-se as dores do crescimento quando os portugueses começaram a ambicionar outro modo de vida e, sem demora, aprenderam um novo lingo: consumismo, factoring, leasing, juros, taxas, crédito (à habitação, para férias, para mobilar a casa), endívidamento e também o rebentamento da bolha.
Em Portugal o número de pobres não está a aumentar, mas o número de pessoas em dificuldades sofreu um incremento extraordinário, pois ninguém poupou durante o tempo das vacas gordas e, geralmente “acaba-se nú e agarrado aos balls” no tempo de vacas magras; mas enquanto o pau vai e vem temos instituições que nos aliviam as costas. Por isso a OCDE que se vá catar com os seus relatórios tendenciosos.

À OIT digo: Portugal preenche na íntegra os grandes objectivos da vossa organização - Emprego, Protecção Social, Diálogo Social e Direito ao Trabalho.
Olhe querido Guy Ryder, pela segunda vez admoesto-o a esquecer a lenga-lenga da igualdade porque tal coisa não existe; nem Portugal nem os seus meninos estão empobrecidos: o povo está temporariamente na fossa, nada mais. De quelque façon ... de cualquier manera ...anyway mr. Ryder, sir, take a hike for you should know better!

Sr. Secretário Geral do PS, António Costa, desejo-lhe as maiores felicidades no seu novo cargo.
Ora bem, vi Vossa Senhoria a discursar perante os jovens socialistas e, devo dizer-lhe que a escolha de tópicos como a pobreza, a igualdade, a desigualdade salarial entre homens e mulheres e os malfadados ricos; é um tanto ao quanto degradante para a sua pessoa.

  1. Eu sei que os socialistas, e toda a esquerda, precisam dessa franja da sociedade para sobreviver e continuar a ganhar uns dinheiritos à custa dos pobres. Mas pergunto-lhe: quer mesmo mitigar a tão propalada pobreza? Então, peça aos deputados do seu partido para proporem o salário minímo de €1.000, IVA de 0% no pão, leite, açúcar, iogurtes, batatas, hortaliças, fruta, ovos, queijo, manteiga, papas, fraldas e leite para bébés; água e luz sem aquelas taxas todas absurdas. IRS de 20% para o salário minímo e de 35% escalão intermédio e 45% para o escalão superior; IRC 20%.
  2. A igualdade é um mito, fuja dele como o diabo foge da cruz.
  3. Desigualdade salarial: com todo o devido respeito, então o senhor participou em dois governos socialistas e, que eu saiba, não impulsionou os seus camaradas a passar legislatura para pôr fim a este descalabro; e agora vem arvorar a bandeira de defensor do equal job equal pay? Está no minímo a exercer a hipocrisia.
  4. Falou de meia dúzia de poderosos que sozinhos controlam a fortuna mundial enquanto que há mil milhões de pessoas pobres no mundo.Vossa Senhoria é daqueles que acha que os ricos não têm utilidade nenhuma nas sociedades cívis, e que todos deveríamos servir o estado e este cuidar de todos (des)igualmente? Que pretende Vossa Senhoria fazer? Convocar essa meia dúzia de rapazes e exigir-lhes que repartam do seu suor e lágrimas com o bilião de pobres que nunca sacrificou nem trabalhou tanto quanto eles? Sabe por acaso o que tiveram eles de passar para se manterem ricos? Meu caro, posso lhe jurar que trabalham as 24 horas

Por isso, a Vossa Senhoria faça o favor de não me lixar o juízo; principalmente agora que está na primeira liga, e não numa qualquer acção comuna ou socialista; yah? Deixe-me que lhe diga uma coisita: Cuba, China, Argentina, Venuzuela, Brasil(?), USSR, Coreia do Norte e afins foi tudo um logro e o socialismo cientifico é outra uma caca; portanto se não fossem os neoliberais (mais essa rapaziada que controla a economia e finança do mundo) não seriam somente mil milhões de desgraçados, seria a população mundial na miséria, excepto o babush porque como é expedito, arranjaria emprego no circo do soleil a fazer pouco do facto de ser simplesmente português, e para não ser confundido com um black, estaria a fazer um relato apaixonado enaltecendo a sua ascendência de goês católico.
Poupem-me...

Até para a semana!

Comentários

  1. Olá Lenny,

    As pessoas fazem pouco dos verdadeiros pobres, sabes? E tudo para darem a impressão de que se importam. Mas não se importam nada com os pobres, porque se se importassem não só tomariam certas medidas por ti sugeridas, mas também insistiriam no retorno aos valores familiares - se em cada família os mais abastados ajudassem os mais desfavorecidos, haveria menos pobreza no mundo.
    É bem verdade a máxima: caridade começa em casa.

    Os socialistas e outros pseudo-preocupados com a sociedade vivem da pobreza, senão como ganhariam votos? Contudo, espero que um dia as pessoas rejeitem tais manobras políticas e comecem a exigir mais acção e menos palavras.

    Excelente artigo, Lenny. Obrigada :D

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Max!
      Não percebo como é que a JS ainda bate palmas à discursos ocos. Será que a rapaziada socialista justo neste tempo, está a preparar-se para viver na pobreza? Será que quando pensam no amanhã, eles vêem-no sem quaisquer perspectivas?
      Se é assim que os jovens socialistas pensam do seu próprio futuro; então aconselho os meus filhos e netos a fugir deste país desesperado e desesperançado.

      Beijocas e boa semana de trabalho

      Eliminar
  2. 0% Iva nos produtos básicos em portugal? Boa sorte, lenny! Os socialistas não querem acabar com a pobreza porque se o fizerem então vão falar do quê? Ah pois...essa é que é essa! O costa não quer que se saiba que é black, olha too late! Mano, não tenhas vergonha de quem és nós os escurinhos temos de nos unir hehehehehe...Shiiuuu, lenny, já sei o que vais dizer!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hey,hey. hey...!

      Não vou dizer coisa alguma, pois já vi que te reges pela máxima de "one drop rule" até que é fofinho carina mia ;)
      Quanto ao 0% Iva nos produtos básicos, crer nas pessoas e esperar o melhor dos políticos, faz parte do meu charme, lol lol lol.

      Bjcas e boa semana de trabalho!

      Eliminar
  3. Não é bonito fazer pouco dos pobres mas os socialistas e comunistas são peritos nisso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Anónimo!

      Como dizem os franceses:qu' ils sont con!

      Um abraço!

      Eliminar
  4. Txô, quando penso nesta conversa só me lembro do belo serviço que fizeram em moçambique depois da independência. Éramos todos iguais, mas não tínhamos o que comer enquanto os grandes do partido tinham! Tens razão, lenny: se quisessem mesmo saber dos pobres fariam mais do que cuspir para o ar!

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Olá, Leila!

      Os políticos são uma vergonha, minha cara. Não fazem porra nenhuma pelo seu povo; para mascarar a sua incompetência, os sacanas fazem da ideologia uma prioridade e os problemas do povo são sempre considerados como se fossem uma superficialidade.

      Aquele abraço!

      Eliminar
  5. Ai credo! Mas este antónio costa não anda bem, mas de que raio andou ele por aí a falar? E incomoda-me esta distinção que ele faz de si mesmo "goês católico" mas olhe que ele não age como um bom católico, ai isso é que não! Prefiro os políticos que se dizem seculares, prometo-lhe lenny!
    Jesus sempre nos disse que pobres sempre haverão mas nunca que disse que miseráveis existiriam sempre e talvez devesse ser esse o discurso? Temos de livrar os nossos irmãos da miséria! Oremos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Maria Joaquina!

      O António Costa é um parolo, porque o fundador da sua família na Índia partiu de Portugal. Pelo que vi na sua tomada de posse, como secretário geral do PS, a sua mãe é bem portuguesa, portanto ele é português e nada mais: a cor da sua pele não nos impressiona porque em Portugal estamos habituados a ver portugueses de todas as cores, tamanhos, formas e feitios.

      Olhe minha cara, 2.000 anos de cristianismo, 5775 anos de judaísmo e entre os séculos 6º e 4º A.C. que existe o budismo, portanto não deveriam existir miseráveis neste mundo.
      Quanto aos pobres, eu acho que Jesus se referia à pessoas com carências prementes e, enquanto houver seres humanos, existirão carências de toda a sorte.
      Como diz a Max, cabe as famílias ajudarem os carênciados do seu grupo.

      Obrigada por ter passado por cá, minha amiga; boa semana de trabalho!

      Eliminar
  6. A esquerda há-de cair um dia com tanta mentira. E os jovens esquerdistas são todos uns hipócritas! Beneficiam do capitalismo de depois querem deitá-lo abaixo, sim señor...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Celeste!

      Os JS agem como se fosse normal as pessoas escolherem a pobreza como meio de vida; ou seja: se seus pais eram ou são pobres, os jovens vermelhos acham que devem também permanecer pobres. É uma loucura total! Quando eu era jovem só pensava em progredir e hoje digo aos meus filhos e netos que eles devem ser melhores para ajudar a avançar a humanidade: são feitios!

      Um abraço, minha cara!

      Eliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço