O Paradoxo da Lavagem de Dinheiro

O Usurário e a sua Esposa (detalhe) de Quentin Massys

Lavagem de Dinheiro: o processo de transformar dinheiro obtido através de  actividade criminal em dinheiro legal.

Por actividade criminal compreende-se o tráfico de drogas e armamento; o tráfico humano, de orgãos humanos e antiguidades; a prostituição, caça ilegal, raptos, chantagem, assaltos, fraude, peculato, extorsão e (o tema mais em voga na primeira década do século XXI) terrorismo.
Alguns adicionam, à lista, a "evasão fiscal", contudo muitos outros discordam.

A paranóia da lavagem de dinheiro começou quando um grupo de legisladores iluminados acreditou que a melhor maneira de combater crimes seria atingir os criminosos onde mais lhes doía: o seu dinheiro. A partir daí talvez parassem de cometer actos criminosos. Tudo muito bonito, só que eles não pararam e a lavagem de dinheiro continua.
É interessante o modo como os Homens resolvem criar leis sem ter em conta vários aspectos da natureza humana (ex: a criatividade humana tanto para o bem como para o mal).

É claro que se deve combater e castigar a criminalidade; mas não tenho a certeza que as leis anti-lavagem de dinheiro sejam o melhor instrumento para isso; especialmente quando estas leis parecem servir de pretexto para a violação do segredo bancário (i.e. a informação bancária de uma pessoa pode ser partilhada a pedido das autoridades) mesmo se/quando um indivíduo não pratica actos criminosos.

As autoridades (na UE, por exemplo) decidiram que uma pessoa não pode depositar mais que €15.000 num dia (considerado lavagem de dinheiro); também decidiram quanto dinheiro uma pessoa pode ter em casa (o que não só é um absurdo como também é a prova de os legisladores pretendem violar as liberdades das pessoas); decidiram que os bancos são a principal fonte de lavagem de dinheiro e, assim, forçam estas instituições a não só interrogar os potenciais clientes como também a denunciar o seus depositantes - e o que é mais interessante é se os clientes decidirem remover todo o seu dinheiro do sistema bancário (para proteger a sua privacidade ou protestar contra o sistema financeiro ou ainda sabotar as instituições bancárias) e o guardar em casa, estará provavelmente a cometer um crime: o de lavagem de dinheiro (isto, partindo do princípio que a pessoa tenha uma conta/conta poupança confortável).
As instituições bancárias não são subsidiárias das forças de segurança. Elas não podem, nem devem, fazer o trabalho da polícia; porque fazê-lo implicará a paragem do fluxo monetário afectando, deste modo, as economias do mundo.

O que é que acontece quando os governos lavam dinheiro? Pergunto porque há alturas em que os governos cometem aquilo que é considerado crime (venda de armas a países indesejáveis; venda de drogas; raptos; prostituição, extorsão, chantagem etc) e depois chegam a criar empresas de fachada, e a investir em corporações legítimas, para tornar a coisa legal...então, o que é que acontece? Nada porque estas actividades são consideradas um mal para o bem maior. Entretanto, os accionistas maioritários destes governos (i.e. os contribuintes) tornam-se alvos de uma nova figura de perseguição: a Inquisição Financeira.

Curiosamente, a única actividade que não é universalmente aceite como lavagem de dinheiro é a evasão fiscal; que, na minha opinião, constitui o maior crime financeiro deles todos.

A lavagem de dinheiro é um negócio global que ronda entre os $590 mil milhões (ou bilhões) e os $1.5 biliões (ou milhões de milhão): acham que regulamentações lineares fá-la-ão desaparecer?

Comentários

  1. Max, poderíamos colocar nessa lista, o futebol, como uma fonte de lavagem de dinheiro?

    Desnecessário dizer que se os bancos só fazem o que o governo manda. No Brasil temos um ditado que diz: "manda quem pode, obedece quem tem juízo", quando isso vai mudar? Quem sabe?

    Beijos, querida!

    ResponderEliminar
  2. Oi amiga
    Realmente, uma vergonha só.
    As vezes me pergunto a que ponto o homem chegou, o que pretende...o caminho normal da natureza é a evolução, caminhamos para a frente, mas atitudes como estas são tão fora de propósito, tão atrasadas, animalescas, que não entendo!
    Como não pensar macro? digo como não pensar em país, no crescimento deste, como nação, todos se tornando uma sociedade melhor...por aqui não preciso nem te contar...não é? a corrupção, a cultura de querer "se dar bem" as custas do outro...é lastimável!
    Mas enquanto houver uma voz falando o contrário...vou ter esperança.

    bjs

    Adriana

    ResponderEliminar
  3. Oi Max,

    Se não for muito atrevimento de minha parte rssss
    Gostaria de te sugerir, quando possível, um tema de artigo, pois seria muito interessante saber sua opinião.

    O tema seria: A educação ( e/ou pesquisa) portuguesa e sua influência no mundo. mas ou menos isso...

    Beijos

    Dri

    ResponderEliminar
  4. Oi CB :D!

    "Max, poderíamos colocar nessa lista, o futebol, como uma fonte de lavagem de dinheiro?"

    Os clubes de futebol (e outros desportos) também podem ser um meio para lavar dinheiro; assim como qualquer empresa legítima. Por exemplo, quando na universidade discutimos na aula de Finanças como as Escolas de Samba também o poderiam ser.
    Por esta razão é que se torna tão difícil combater o crime através da lei anti-lavagem de dinheiro, percebes? E depois, os bancos e as empresas não podem fazer o trabalho que compete à polícia...enfim.

    "Desnecessário dizer que se os bancos só fazem o que o governo manda. No Brasil temos um ditado que diz: "manda quem pode, obedece quem tem juízo", quando isso vai mudar? Quem sabe?"

    Não é de todo verdade. Às vezes o contrário ocorre.
    É um bom ditado :).

    CB, obrigada pelo teu super comentário :D.

    Beijos

    ResponderEliminar
  5. Oi Dri :D!

    "As vezes me pergunto a que ponto o homem chegou, o que pretende...o caminho normal da natureza é a evolução, caminhamos para a frente, mas atitudes como estas são tão fora de propósito, tão atrasadas, animalescas, que não entendo!"

    A evolução é custosa e morosa.

    "Como não pensar macro? digo como não pensar em país, no crescimento deste, como nação, todos se tornando uma sociedade melhor...por aqui não preciso nem te contar...não é? a corrupção, a cultura de querer "se dar bem" as custas do outro...é lastimável!"

    Absolutamente, devemos sempre pensar macro. Ohhh, é o mesmo em todo o lado; só que em alguns países é mais escandaloso que outros.

    "Mas enquanto houver uma voz falando o contrário...vou ter esperança."

    A esperança deve ser a última a morrer, sem dúvida :D.

    Dri, muito obrigada pelo comentário fabuloso :D.

    Beijos

    ResponderEliminar
  6. Dri,

    "Se não for muito atrevimento de minha parte rssss Gostaria de te sugerir, quando possível, um tema de artigo, pois seria muito interessante saber sua opinião."

    Não é atrevimento algum! Como te disse ontem, fá-lo-ei assim que possível e informar-te-ei acerca da data de publicação :).

    "O tema seria: A educação ( e/ou pesquisa) portuguesa e sua influência no mundo. mas ou menos isso..."

    É um tema maravilhoso: muito obrigada :D.

    Contactar-te-ei...

    Beijoss e mais uma vez obrigada, querida.

    Dri

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço