A Media: Informativa Apaziguadora Perigosa?

Johann Christian Fischer de Thomas Gainsborough

Media: meio de comunicação que chega a grande número de pessoas, tais como a televisão, jornais, notícias online e rádio. 

A media chega a grandes números de pessoas devido à sua capacidade de disseminar informação através do mundo, num curto período de tempo, aproximando o globo ainda mais. Isto é positivo.
Um aspecto negativo dos meios de comunicação é a pretensão de serem os donos da verdade; quando muitas vezes omitem factos, manipulam informação e são imprecisos.

Deveríamos fazer a distinção entre a imprensa e o jornalismo televisivo. A primeira oferece ao jornalista mais latitude, porque aquele pode reunir os factos, apresentá-los (ou não) sob a forma escrita; formar uma opinião e partilhá-la; confrontar indivíduos e/ou governos e comentar. Sob o meu ponto de vista, o jornalismo televisivo está dividido em três principais categorias:

  1. A trasmissão de informação tal como foi recebida, desprovida de comentário e imune a algum grau de imparcialidade.
  2. Entrevistas políticas. Estas são muitas vezes usadas para desinformar, contra-informar, manipular opiniões e confundir o público (especialmente quando os entrevistadores não fazem as perguntas certas e permitem que aquele momento se transforme num veículo vital a alguns políticos para disseminar a demagogia barata e, mensagens radicais e absurdas). 
  3. Panéis de Opinião/Comentário. Estes podem ser extremamente informativos e úteis para ajudar a formar uma opinião (uma vez que o grupo é, geralmente, composto por várias pessoas com experiências e opiniões diferentes sobre um dado assunto). Não obstante, estes também podem ter a intenção de manipular o público: tudo depende da agenda ou simpatia política da estação de televisão (provado pelo tipo de convidados escolhidos para participar nos mencionados painéis). 

Por vezes, ficamos com a impressão de que a media quer apaziguar certos segmentos da sociedade e determinados povos. Este papel, o de apaziguador, pode ser perigoso porque poderá exercer influência sobre a forma como os governos tomam certas decisões políticas e diplomáticas (que muitas das vezes são vitais para a segurança e bem-estar nacionais) sob pena de incendiarem emoções que podem resultar em guerras - tudo porque os mass media muitas vezes põem lenha na fogueira errada.

Com a globalização, muitas estações de notícias privadas (e outras empresas de mass media, em geral) estão cotadas na bolsa; significando que cidadãos de todo o mundo podem comprar um pedaço delas e, quanto maior o número de acções possuídas, maior a pressão exercida sobre as estações televisivas para canalizar a informação para uma determinada direcção. Posto isto, os meios de comunicação privados também podem representar uma forma de ingerência estrangeira nos assuntos internos de um país e, na forma como executa a sua política externa.

Diz-se que a media é o quinto poder, mas é-o somente porque nós (o povo) temos cada vez mais sede de informação, sede essa causada pela nossa própria busca pelo poder (ou pelo menos, um vislumbre dele).

Quando a media nos manipula, quem é o culpado?


Comentários

  1. Vou ser sucinta, Max!
    A Média pode ser "Informativa, Apaziguadora, Perigosa" e até mais se ela quiser.
    Está sempre a serviço de alguém ou de algo, muito raramente a serviço da comunidade, isso em se tratando de Brasil, mas a meu ver, não diferencia muito do restante do mundo.

    É só recordarmos algumas películas que trataram/tratam da temática, recorro apenas a dois: Todos os Homens do Presidente, não apenas uma "aula de jornalismo contemporâneo", cujo escândalo de Watergate, ocorrido em Washington, em 1972, levou a renúncia do Presidente Nixon, pois bem, que papel a media desempenhou, a serviço de quem? Por quê? Apenas para buscar a "verdade"?

    Segundo filme: O Quarto Poder, eu acredito que não se trata apenas de que a partir de um filme, possamos 'refletir o papel e o poder de influência da imprensa sobre a formação de opinião', mas até que ponto os demais poderes que regulamentam esse canal de informação, são manipulados ou manipulam a media. Imagino ter tanta coisa mais sob esse tapete...

    Ainda acho que mesmo quando buscam a imparcialidade, estão a serviço de algo, alguém. Não acredito nisso, sempre acho que estão buscando algo além do que informam.

    Beijão, querida!

    ResponderEliminar
  2. Oi CB :D!

    "[A Média] Está sempre a serviço de alguém ou de algo, muito raramente a serviço da comunidade, isso em se tratando de Brasil, mas a meu ver, não diferencia muito do restante do mundo."

    Não é muito diferente nos outros cantos do mundo, não.

    "É só recordarmos algumas películas que trataram/tratam da temática, recorro apenas a dois: Todos os Homens do Presidente, não apenas uma "aula de jornalismo contemporâneo", cujo escândalo de Watergate, ocorrido em Washington, em 1972, levou a renúncia do Presidente Nixon, pois bem, que papel a media desempenhou, a serviço de quem? Por quê? Apenas para buscar a "verdade"?"

    Óptimo exemplo! Também acho que houve muito mais por detrás desse caso do que nos dizem....

    "Segundo filme: O Quarto Poder, eu acredito que não se trata apenas de que a partir de um filme, possamos 'refletir o papel e o poder de influência da imprensa sobre a formação de opinião', mas até que ponto os demais poderes que regulamentam esse canal de informação, são manipulados ou manipulam a media. Imagino ter tanta coisa mais sob esse tapete..."

    Excelente reflexão!

    "Ainda acho que mesmo quando buscam a imparcialidade, estão a serviço de algo, alguém. Não acredito nisso, sempre acho que estão buscando algo além do que informam."

    Temos de ter os olhos bem abertos...

    CB, um comentário 100%! Muito obrigada, e pelos amor de Deus...continua a ser sucinta (botaste para quebrar) :D.

    Beijos, minha linda!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço