Paz Relativa?



Paz é tranquilidade, é calma; está relacionado com amor e prosperidade; é défice de guerra mas disfarça o tumulto.

Um indivíduo pode dar a impressão de ser pacifíco, sereno. Contudo o nosso instinto diz-nos que há algo de errado com essa pessoa...como se estivéssemos diante de um lobo disfarçado de cordeiro. Muitas vezes, os psicopatas transmitem paz não obstante podem violentamente ceifar as nossas vidas.

Os membros de uma família podem pensar que a sua casa é pacífica porque o silêncio impera; porque as crianças brincam em absoluta quietude; porque não há discussões; porque as vozes nunca se erguem; porque tudo é tão quieto...tão morto.
A paz aparente pode mascarar a opressão, a falta de interesse, o afastamento, o abuso, o medo.

Um país pode considerar-se em paz uma vez que não está em guerra com nenhuma outra nação; porque a fome não abunda; porque a destruição não é gritante; porque as infraestruturas estão intactas, porque por onde os seus cidadãos olhem tudo está aparentemente calmo. Contudo, esta paz ilusória esconde sub-guerras: racismo, violência doméstica, homicídio em série, abortos em série; tráfico de drogas e de seres humanos, fome urbana; SIDA, Cancro; corrupção; assassinato de adversários políticos etc...

Precisamos de parar de regurgitar a palavra paz: se a verdadeira paz interior (que só pode ser alcançada após conhecimento e aceitação totais do nosso EU) e paz dentro de uma família (apesar das diferenças de entre os seus membros) não são alcançadas como poderemos acreditar que haja paz na sociedade?
Os políticos precisam de parar de fazer acrobacias com a palavra paz: se governos e legisladores não conseguem combater as sub-guerras como podem eles esperar fazer a verdadeira paz com outros países?

Paz, na terra, parece ser relativa...



Imagem: Paraíso e Inferno de Bosch

Comentários

  1. Eu tento viver em paz, mas em sendo assim, acabo mascarando muitas coisas na vida. Paz completa é mesmo uma utopia a ser alcançada, mas o caminho é longo e cheio de pedras.
    Creio que a paz mesmo, completa só alcançaremos após a morte.

    ResponderEliminar
  2. Interessante é perceber a paz como um "défice de guerra", jamais tinha visto por essa perspectiva. Mas é bem dentro da máxima capitalista da "paz armada"!
    E creio ser a paz mais perigosa aquela que convive com a violência emocional...

    Max, um beijo grande!!

    ResponderEliminar
  3. Penso que na sociedade, a paz só será alcançada quando houver justiça...
    Resta saber qual das dua sé mais utópica!

    ResponderEliminar
  4. Mas bah, guria,
    A natureza beligerante no homem não nos permite uma Paz definitiva, podemos, no máximo, almejar períodos de Paz...

    ResponderEliminar
  5. Max, eu emsma naoe stou em PAZ. ESTOU INQUIETA.

    Este mês, eu nao voue stá em Maputo. Vou está no norte de Mocambique. pela primeira vez, decidi ir direto ao Campo.
    bjs e dias felizes

    Grace

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço