Novo Modelo de Ensino



Li uma entrevista muito interessante feita ao Professor Roger Schank. Nela, ele diz que as escolas ensinam “coisas estúpidas como a matemática”. E não pára por aqui; vai mais além dizendo que a literatura e a história deveriam ser também abolidas. A minha parte “favorita” é quando o Professor Schank insinua que a gramática é uma completa perda de tempo; uma vez que “aprende-se a língua a falar e a fazer discursos”. Segundo ele, as regras da gramática estão lá, no subconsciente.

Matemática
Se o Prof. Schank me dissesse que é necessário alterar o nível de matemática ensinado nas escolas, eu concordaria com ele (não sei como é ensinada no vosso país, mas em Portugal os miúdos, na preparatória e liceu, aprendem altas matemáticas – não admira que não a compreendam e acabem por não gostar).
Contudo não posso, e jamais poderei, concordar que esta ciência seja estúpida, porque não é. A matemática ensina-nos a raciocinar, a pensar, a formar uma plataforma lógica na mente – como pode isto ser estúpido?

Literatura e História
Se não compreendermos o nosso passado como poderemos aceitar o nosso presente? Por exemplo, o mundo Islâmico não compreende o seu passado histórico, não entrou em consenso com ele e, logo, não consegue aceitar o seu presente – é isto que o Prof. Schank ambiciona para o Ocidente?
Para além disso sem história não há identidade, não senso de pertença, não há orgulho.
Agora, porquê atacar a literatura? Também não é suposto os miúdos lerem? Como é que irão aprender a escrever, a falar como dever de ser e, a concentrarem-se? Talvez a sugestão do Prof. Schank seja a das crianças lerem somente a Playboy, a Playgirl, ou revistas e jornais de desporto...

Gramática no subconsciente
Que disparate. O Neo-Português é a maior prova desta minha afirmação: as pessoas já não conjugam verbos. Ignoram o que seja uma conjunção; não sabem como definir e classificar palavras, e isto reflecte-se no seu discurso. Ah, e por instinto também falsificam palavras – até dói no ouvido.

Precisamos de novos modelos de ensino? Sim, sem dúvida. Mas tenhamos cuidado com os discursos irresponsáveis, e falaciosos, quando buscamos reformas.



Imagem: Escola Nocturna de Gerrit Dou

Comentários

  1. Mas bah, guria.
    A matemática é o pai e a mãe de todas as ciências; todas de alguma forma usam a matemática para defender seus conceitos.
    A Lingua e por extensão a literatura, são ferramenta indispensável a qualquer profissional, não importando a área de atuação.
    Quem não conhece a própria História não sabe de onde vem, consequentemente não sabe quem é.
    Fiz esse pequeno discurso repidas vezes aos meus filhos para que entendessm a necessidade de dedicar-se aos estudos. Como recompensa, hoje todos são graduados.
    Abraços.

    ResponderEliminar
  2. Oi Diler :D!

    Tudo o que disseste é bem verdade!

    "Fiz esse pequeno discurso repidas vezes aos meus filhos para que entendessm a necessidade de dedicar-se aos estudos. Como recompensa, hoje todos são graduados."

    Amén!

    Diler, obrigada pelo soberbo comentário :D!

    Abraços.

    ResponderEliminar
  3. Sim, precisamos de novos modelos de ensino, porque a sociedade evolui, temos as TIC´s e o modelo de educação ainda é do tempo do iluminismo, daí a falência em alguns aspectos.

    Mas olha Max, informações como a sua são fabulosas, para que percebamos o quanto a informação é fundamental - até porque estamos na sociedade da informação - o poder hoje é de quem tem o conhecimento, e também para lermos coisas como diz esse professor e refletirmos. Nada é em vão, nada é inútil na vida.

    Um beijãozão!!

    ResponderEliminar
  4. Oi CB,

    Absolutamente!

    Concordo contigo: nada é em vão!

    Querida, mil vezes obrigada pelo teu contributo a este artigo!

    Beijos

    ResponderEliminar
  5. A educação merece uma reforma, creio eu, no mundo inteiro. Seja em Portugal, no Brasil, nos E.U.A., nos países islâmicos... A educação atual é vista como se tudo já estivesse pronto, só falta despejar sobre as crianças.

    Sou a favor de uma educação que ensine a pensar, criticar (e elogiar também), a dar sugestões, uma educação que ensine a buscar mais. Não uma educação que ensine a decorar, aceitar passivamente, ou que ensine que os caminhos corruptos e maliciosos são mais fáceis.

    Que a educação seja o alicerce preparador de todo um povo, e não seu lado mais sombrio e sem graça.

    ResponderEliminar
  6. Oi Zahta :D!

    "A educação merece uma reforma, creio eu, no mundo inteiro. Seja em Portugal, no Brasil, nos E.U.A., nos países islâmicos... A educação atual é vista como se tudo já estivesse pronto, só falta despejar sobre as crianças."

    Concordo em absoluto.

    "Sou a favor de uma educação que ensine a pensar, criticar (e elogiar também), a dar sugestões, uma educação que ensine a buscar mais. Não uma educação que ensine a decorar, aceitar passivamente, ou que ensine que os caminhos corruptos e maliciosos são mais fáceis."

    É isso aí! Hoje em dia tudo é uma questão de memorizar e não de assimilar e raciocinar: o que esperar deste tipo de criança no futuro?

    "Que a educação seja o alicerce preparador de todo um povo, e não seu lado mais sombrio e sem graça."

    Bem dito!

    Zahta, muito obrigada pelo teu super comentário, amei :D!

    Um abraço

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço