Filhos mais baratos do que Filhas



Foi feito um estudo, no Reino Unido, que chegou a provar que educar meninos é €2.500 mais barato do que educar meninas. E à medida que os anos vão passando as filhas vão ficando cada vez mais caras.

Mas o que traduz este estudo exactamente? Será que pretende transportar-nos de volta para a idade das trevas, quando gerar meninas era considerado má sorte; ou talvez pretenderá dizer-nos que os Indianos (que já abortaram 10 milhões de bébés do sexo feminino) e os Chineses (que mataram milhões de meninas e agora enfrentam um sério problema social) estão correctos quando dão mais valor ao progênito masculino.

Talvez não seja nada disto (por ventura estarei paranóica). Se calhar este estudo sirva para apoiar algum programa de MG (manipulação genética).
Um estudo como este sai, as emoções dos pais agitam-se; aqueles que não podem conceber de forma natural (e não desejam adoptar) correm para as clínicas de fertilização não só para colocar em exercício as suas políticas Nazis (x côr dos olhos; y côr da pele; t côr de cabelo etc) mas também para fazer selecção de gênero. As clínicas ganham rios de dinheiro, os pais fazem prova da sua vaidade, a sociedade sofre um decréscimo enorme no número de mulheres (logo, de incubadoras); os futuros machos travarão guerras civis para adquirir fêmeas e, rapidamente, uma solução emerge para acalmar os espíritos: células artificiais gerarão andróides – problema resolvido.

Estou imensamente grata por em África, ao menos (se por nada mais), as mulheres serem valorizadas pelo dom de dar à luz. Quando um homem quer uma mulher, ele tem de pagar “lobolo” (uma espécie de compensação sob a forma de gado, meios pecuniários ou Kapulanas [pano tradicional]) à família dela. Ele deve mostrar o quanto ela vale para ele.
Em Nampula (Norte de Moçambique) as mulheres é que herdam a terra. Os homens só podem possuir terra (conferida pela sua mulher) após terem contribuído para a reprodução e provar que conseguem cultivar.

As filhas até podem ser €2.500 mais caras, mas como as mulheres são as Guardiãs da Humanidade, estou mais que disposta a investir nelas.

Imagem: As crianças Marsham de Thomas Gainsborough

Comentários

  1. Mas bah, Max,
    Filhos independente do gênero, são um presente de Deus...
    No entanto só pra apimentar, ocorreu-me uma idéia, mulheres podem custar mais caro pois afinal, costumam durar mais. rs
    Abração e boa semana.

    ResponderEliminar
  2. Oi Diler :D!

    "Filhos independente do gênero, são um presente de Deus..."

    Amén!

    "No entanto só pra apimentar, ocorreu-me uma idéia, mulheres podem custar mais caro pois afinal, costumam durar mais. rs"

    LOL LOL LOL LOL LOL LOL LOL...essa foi boa! Amei!

    Obrigada pelo comentário, amigo!

    Um Abraço e boa semana

    ResponderEliminar
  3. Como a minha prole é toda feminina ( saudável e linda em todos os aspectos), gastar ou não gastar, ter filhos e ser feliz nunca passou pelo crivo da economia, ao menos para mim, haha!

    Max, é por essa e outras que sempre respondo a quem me pergunta, qual a viagem mais bonita que fiz? Respondo sem titubear: África! É o lugar onde a nossa humanidade jamais desistiu!

    Beijos e saudades!

    ResponderEliminar
  4. Oi CB :D!

    A tua prole é toda feminina? Que maravilha, que benção!!! :D
    Claro que para mim meninas ou meninos vai dar no mesmo: uma benção maravilhosa!

    Ahhh, África...nem vou dizer o que ela representa para mim ;).

    Querida, obrigada pelo teu comentário :D!

    Beijos

    ResponderEliminar
  5. Fico pasma com isso e pensar em valores, quem mais ou menos em termos de filhos,não dá,né? Eu, tive 4, doicuttineds casais, assim emparelheis,rsrsr...beijos,tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
  6. Oi Chica,

    Tens razão, não dá.

    LOL essa foi boa :D.

    Querida, obrigada pelo comentário.

    Beijos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço