Blogagem Colectiva: dia Internacional da Criança Desaparecida


Este post faz parte da Blogagem Colectiva: Em Defesa da Infância (uma iniciativa do Blog: Diga Não à Erotização Infantil).

Hoje é o Dia Internacional da Criança Desaparecida. É um dia em que o mundo se lembra das milhares de crianças que desaparecem todos os dias à volta do globo.
Claro que, para mim, este dia deveria ser lembrado todos os dias.

No dia 4 de Março de 1998, um menino chamado Rui Pedro desapareceu sem mais nem menos. Ele na altura teria 11 anos e o seu desaparecimento deixou a sua mãe (Filomena) devastada. Era (e é ainda) penoso ver a sua face manchada de dôr pela perda do seu filho - a vida daquela senhora ficou minada para sempre.
Gostaria de partilhar com vocês a história da rapto do Rui Pedro (relatada pelo seu Padrinho):

"No dia 4 de Março de 1998 o Rui Pedro, depois do almoço, pegou na sua bicicleta e, por volta das 14 horas, passou no escritório da mãe, o qual fica mesmo em frente á sua casa, pedindo-lhe autorização para sair de carro com um "amigo" chamado Afonso, de 22 anos de idade. A mãe recusou o pedido e disse-lhe para ir brincar com a sua bicicleta para um terreno baldio mesmo atrás do seu escritório (local com caminho em terra, em circulo, que, por não ser local de passagem, quase não tem trânsito e onde se faziam, de vez em quando, corridas de cavalos).
No final da tarde, o professor de explicações, que o aguardava desde as 17 horas,estranhou o facto do Pedro ter faltado (pois nunca o tinha feito) e avisou os pais que se puseram de imediato a procurá-lo. Durante as buscas, vieram a saber que um senhor vizinho tinha encontrado a bicicleta por volta das 15 horas, escondida no mato, na pista de cavalos onde o Pedro tinha sido visto a andar de bicicleta.
Como o Rui Pedro tinha marcado o encontro com o tal Afonso, procurou-se indagar sobre o seu paradeiro. Encontrado este, perguntaram-lhe se tinha visto o Pedro,ao que ele,com demasiada calma, respondeu que não. Mais tarde veio a saber-se que este indivíduo oi visto no local onde o Rui Pedro tinha estado a andar de bicicleta, a conversar com ele num Fiat Uno preto (do irmão). Ora, foi exactamente nesse local que apareceu a bicicleta.

(...) A GNR, que o interrogou nesse dia e que nos acompanhava nas buscas, presenciou, no posto de Lousada, quando o avô da criança (meu pai) lhe perguntou desesperado onde estava o Rui Pedro (oferecendo-lhe tudo aquilo que ele quisesse pela resposta), ao que este respondeu a chorar que não sabia mas que se quisessem encontrá-lo deveriam ser fechadas as fronteiras pois ele podia estar já muito longe, a caminho do estrangeiro. E, logo de seguida, confrontado com uma testemunha - o André , primo do Rui Pedro , que veio contar a conversa que o Afonso tinha tido com ele e com o meu afilhado, o Afonso tentou impedi-lo de falar, ameaçando-o. Mesmo assim o André veio a dizer que o Afonso os tinha convidado para irem no seu carro ás prostitutas e que tinham combinado encontrarem-se num outro local chamado Quinta da Costilha. Disse também que faltou a esse en contro porque a mãe não o tinha deixado sair de casa.

(...) Nunca, até hoje, consideraram que o Pedro tivesse sido raptado! Sucede, no entanto, que recebemos já milhares de telefonemas e, entre outras chamadas de pessoas que dizem ter em sua posse o Pedro ou então que sabem onde ele está, foi-nos inclusivamente pedido um resgate. Recebemos também uma chamada em que uma criança com a voz igual á do Pedro só consegui chamar pela mãe, tendo sido cortada a comunicação por alguém que lhe tirou o telefone das mãos e depois desligou. Nenhuma destas chamadas foi localizada, muito embora, e é isto o mais incrível, o juiz, desde os primeiros dias e a nosso pedido, tenha autorizado que os nossos telefones estivessem sob escuta, conforme mandam as nossas demoradas leis. E sempre que pergunta-mos se seguiram alguma das pistas dadas pelos telefonemas, perguntam-nos como é que o poderiam fazer, se nem os ouviram, logo acrescentando que, mesmo que os ouvissem, nada poderiam fazer para saber quem esteve a ligar. E, perante a nossa resposta de que existem meios para o fazer, dizem-nos que isso só nos filmes! Como podemos aceitar tal resposta, se a situação em causa é bem real?!

Como compreender que um polícia nos responda, quando perguntamos se existe alguma pista, que não fazem a mínima ideia de onde possa estar Pedro!? Revoltante toda a burocracia, desleixo e falta de meios com que se lida com um caso de rapto de uma criança e é essa revolta a razão da minha queixa, muito embora nem me sinta no direito de dizer que estou prejudicado, pois a minha dor é tão pequena se comparada com aquilo por que está a passar esta criança."

Não consigo nem imaginar a dôr pela qual esta família possa estar a passar até hoje. O Rui Pedro teria agora 21 anos (quase a fazer 22), e ainda não se sabe nada dele...pergunto-me o que a Polícia andou a fazer estes anos todos?

A Polícia Portuguesa falhou no caso do Rui Pedro, e voltou a falhar no caso da Maddie McCann.
A pequena Maddie desapareceu do quarto de hotel, no Algarve (Portugal), onde dormia juntamente com os seus irmãos gémeos. O sequestrador levou a Maddie ainda adormecida, deixando os gémeos para trás. Os pais encontravam-se num restaurante a cinco minutos do hotel, a jantar com amigos. Quando voltaram ao quarto para ver como as crianças estavam, verificaram que Maddie (de 4 anos, na altura) havia desaparecido.
A Polícia Portuguesa não foi feliz na maneira como conduziu as investigações, o povo Português foi rápido a julgar os pais da menina, e até hoje não se encontrou a Maddie (que hoje terá 6 anos).

A dôr nos olhos da mãe desta menina (Kate McCann) é evidente, e mais uma vez não posso dizer que compreenda o que ela esteja a passar - porque não posso: nunca estive em tal situação.

Eis a mensagem dos pais dela (Kate and Gerry):

"Já são dois longos anos passados desde que Madeleine foi levada. Já são dois anos desde que nós éramos um família de cinco feliz. A dor e a anxiedade não abrandam, mas a nossa determinação para encontrar a nossa bonita filha continua empenhada.

Nós já não procuramos por uma pequenina menina de 4 anos - mas de 6 anos. Isto é crucial. Nós esperamos que na nova imagem progressiva de Madeleine com a idade de 6, produzida pelo Centro Nacional de Crianças Desaparecidas e Exploradas em Washington, ajude as pessoas a verem Madeleine como poderá hoje ser.

No dia 7, às 21 horas (hora do Reino Unido), uma "reconstrução" televisa com potencial e suspeitos comportamentos por volta da hora em que Madeleine foi levada, vai ser exibida no Canal 4 na Inglaterra. Muita desta informação não foi dada a conhecer publicamente e aparentemente existem várias e grandes questões por responder.

Apenas uma destas respostas poderá fornecer a nós a peça vital de informação que nos conduza até Madeleine. É nossa esperança que estas cenas de reconstrução possam despertar a memória de alguém e fazer com avance - fornecendo-nos a peça chave do puzzle que nós - e Madeleine especialmente - tão desesperadamente precisamos.

Madeleine ainda está desaparecida. Ela tem o direito de regressar para junto de sua família. Nós temos a responsabilidade de continuar a procurar por ela. Por favor imploramos - por favor não desistam de Madeleine.

Finalmente, queremos agradecer a todas as pessoas pela continuidade de ajuda e apoio. Nós sabemos que não estamos sozinhos nos nossos esforços para encontrar Madeleine, no nosso desejo de termos Madeleine de volta a casa para junto de nós onde ela pertence.

Obrigado."

E como o Rui Pedro e a Maddie há milhares, senão milhões.
Está na altura de combater este flagelo social, este crime contra a humanidade. Os políticos têm de tomar medidas para acabar com o tráfico de crianças, pois na sua maioria servirão para saciar perversões sexuais de sub-humanos.
Ao não passarem leis que defendam estas crianças, os governos estão a ser coniventes com os sub-humanos que usam crianças como quem usa um kleenex; e é como se esses mesmos políticos fossem uns pedófilos também. Chega de cumplicidade!

Para mais informação sobre o Rui Pedro, clica Aqui.
Para mais informação sobre a Maddie: clica Aqui.

Comentários

  1. Infelizmente o tráfico de dorgas se espalhou como prática e agora vemos os tráfico de pessoas, órgãos.
    as crianças são alvo fácil pela sua pureza e confiança no outro.
    que nossas campanhas atinjam a opinião pública. O único modo de pressionar a 'vontade" política. Não há outra forma de luta.
    Parabéns pelo blog e postado.
    abraços
    Bea- Compulsão Diária

    ResponderEliminar
  2. Não dá pra imaginar a angústia em que vivem essas famílias. No entanto, temos que nos compadecer e tentar ajudar de alguma forma, seja alardeando o fato, cobrando das autoridades ou então, indo de encontro ao fato.
    A lista de participantes está disponível no "Luz" e em breve também estará disponivel no blogue "Diga não a erotização infantil". Se quiser saber o que os outros blogueiros estão repercutindo, acesse a lista!
    *Parabéns pelo aniversário do blogue! Beijus

    ResponderEliminar
  3. Olá Bea :D!

    Bem-vinda ao Etnias!!

    "Infelizmente o tráfico de dorgas se espalhou como prática e agora vemos os tráfico de pessoas, órgãos. as crianças são alvo fácil pela sua pureza e confiança no outro."

    É verdade..triste, mas verdade.

    "que nossas campanhas atinjam a opinião pública. O único modo de pressionar a 'vontade" política. Não há outra forma de luta."

    Temos de proteger o mundo, senão onde irá parar toda esta bela criação Divina?

    "Parabéns pelo blog e postado."

    Obrigada, caríssima!

    És muito bem-vinda ao Etnias, sempre! E obrigada pelo teu comentário!

    Um abraço

    ResponderEliminar
  4. Oi Luma :D!

    "Não dá pra imaginar a angústia em que vivem essas famílias. No entanto, temos que nos compadecer e tentar ajudar de alguma forma, seja alardeando o fato, cobrando das autoridades ou então, indo de encontro ao fato."

    Não dá mesmo - eu própria nem sei o que faria se alguma vez me encontrasse em tal situação, simplesmente não sei.
    Absolutamente!

    "A lista de participantes está disponível no "Luz" e em breve também estará disponivel no blogue "Diga não a erotização infantil". Se quiser saber o que os outros blogueiros estão repercutindo, acesse a lista!"

    Obrigada, querida...vou passar por lá sim! Isto quer dizer que a iniciativa foi tua? Eu sei que o primeiro foi (porque li no ano passado), mas este ano fiquei sem perceber...mas depois confiro no teu blogue.

    "*Parabéns pelo aniversário do blogue!"

    Ah, obrigada! Viste o post, então? Agradeço-te pelo apoio inicial :D!

    Beijos

    ResponderEliminar
  5. Mas bah, guria.
    Compartilhar a angutia dessas pessoas, que têm suas crianças desaparecidas, através da leitura do seu post, já é uma experiencia dolorosa, realmente não dá pra imaginar o que estão sentindo.
    Dá um sentimento de revolta e uma necessidade de ajudar...Essa postagem coletiva é muito oportuna, ser de ajuda nas buscas e de alerta aos pais.
    Parab´nes.

    ResponderEliminar
  6. Parabéns por essa iniciativa, Max. Vim te deixar um forte abraço e te agradecer pela visita, mesmo nessa agenda de muitos compromissos em que estou.

    Abraço fraterno.

    ResponderEliminar
  7. Bom como eu falo..ate quando o nosso Brasil nao vai aprender a ter controle a essas crianças..nao assim em desaparecer pq ate mesmo no nascimento elas podem ser trocadas da mae e do pai.....é ter uma ei q proiba mais ne..pq o inacreditavel é q ninguiem reconhece a pessoa...desaparecida....

    otima blogagem...

    bjao

    ResponderEliminar
  8. Essa é a Max, o que devo dizer além de: PARABÉNS!?
    Um beijo, né?
    ;)

    ResponderEliminar
  9. Olá Diler :D!

    "Compartilhar a angutia dessas pessoas, que têm suas crianças desaparecidas, através da leitura do seu post, já é uma experiencia dolorosa, realmente não dá pra imaginar o que estão sentindo."

    É mesmo dolorosa...fico de coração partido só de ler sites de crianças desaparecidas: é um horror.

    "Dá um sentimento de revolta e uma necessidade de ajudar...Essa postagem coletiva é muito oportuna, ser de ajuda nas buscas e de alerta aos pais. Parab´nes."

    É verdade. É, a Luma é que lançou esta semente e está a dar frutos...
    Obrigada, amigo.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  10. Oi Lula :D!

    Obrigada pela visita e pelo comentário: sei que estás ocupadíssimo! Estou a apaixonar-me pelo teu blog: muito bom!

    Um forte abraço

    ResponderEliminar
  11. Oi Philip :D!

    Até quando recém-nascidos podem ser trocados? Minha nossa, não sabia disso...que horror: imagina!!
    Concordo contigo: as leis têm de ser mais severas.

    Obrigada, querido!

    Beijão

    ResponderEliminar
  12. Oi Canto da Boca :D!

    Querida, muito obrigada mesmo *abraço*!

    Beijinhos :)

    ResponderEliminar
  13. Quado mmudaremos ne Max..e seremos pessoas de boa indole e irmaos mesmo como segue a declaraçao dos direitos humanos.....

    ?????


    bjos

    ResponderEliminar
  14. Ah, Philip...

    Não sei quando mudaremos...mas espero que mudemos um dia. :D

    Beijão

    ResponderEliminar
  15. Max
    Realmente é uma dor inimaginável, uma mãe que tem seu filho desaparecido.
    E como é um desaparecimento fica sempre a esperança da criança retornar, então acho que vida das pessoas envolvidas ficam meio que congeladas...deve ser algo horrível!

    Parabéns pelo post

    beijos

    ResponderEliminar
  16. Oi Dri!

    É verdade, deve ser uma coisa horrível viver na incerteza eterna "tá vivo? Tá morto? Vai voltar, não vai? O que lhe estará a acontecer?" um pesadelo!!

    Obrigada, amiga :D!

    Beijos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço