Quem Somos?


Vem comigo ao “Para lá da carne”. Quem somos de verdade? 

Fecha os olhos! Imagina-te nú...estás desprovido de roupas, sapatos, acessórios; de tudo aquilo que te rodeia...nada de TV, de computador, de livros, Internet, nada. Perguntas-te: então, o que resta? Tu mesmo. 

A tua existência desguarnecida, a tua carne exposta, os pêlos; o teu corpo imperfeito contudo perfeito...a tua concha protectora. Despoja-te de tudo: do teu cabelo, sobrancelhas, pestanas, pêlos púbicos e todos os outros pêlos; arranca os teus olhos, orelhas, nariz, lábios; tira a tua pele...despe-te.  Agora perguntas-te: sem isto tudo, o que sou eu? Tu. 

É incrível como o corpo humano funciona. Olho para ti, tu observas-me, e ambos apercebemo-nos da quantidade de gordura que a nossa concha tem; mas também vemos a quantidade de músculos que o corpo tem; os vasos sanguíneos, as veias e o sangue que corre através das mesmas...olha para o coração a bater: lindo. O crâneo sem pele não é bonito de se ver; e no entanto o cérebro é espectacular...esvaziemos o nosso corpo, dispamo-nos de tudo. Quem és tu? Tu és o EU. 

Neste momento apercebes-te de que apesar de estares despojado de tudo aquilo que pensavas, e acreditavas, constituir-te ainda És: vês, pensas, comunicas (ainda que a  um nível completamente diferente). 

Para que o processo se complete necessitas de polir o teu instrumento do pensar: apaga os teus medos, os traumas, os sustos; destrói as tuas perversões, obsessões, paranóias; oblitera a tua raiva, ressentimento e inveja. Permite-te a ser banhado pela Luz Divina e perfumado pelo Amor... 

Vê a verdade: quem somos?

Somos almas. Fomos todos criados pelo mesmo Estilista Divino...somos todos o mesmo...não temos raça, religião, estatuto social, nem género...somos almas. 

Mas se a nossa alma sabe que somos todos o mesmo, por que é que nos é tão difícil, enquanto seres humanos, transpôr este conhecimento para a nossa vida diária? Por que é que é mais fácil rendermo-nos à ignorância?

Comentários

  1. Max, era nesse ponto que gostaria de chegar. Chegar às pessoas, se é que me entende. No mundo muita futilidade, as pessoas se tratam como carcaças que carregam mágoas, não olham para dentro delas mesmas e quando isso acontece, é tarde - A solidão da velhice chega com insatisfação, pesar da alma. Beijus

    ResponderEliminar
  2. Oi Luma!

    "Max, era nesse ponto que gostaria de chegar. Chegar às pessoas, se é que me entende." - entendo-te perfeitamente!

    "No mundo muita futilidade, as pessoas se tratam como carcaças que carregam mágoas, não olham para dentro delas mesmas e quando isso acontece, é tarde - A solidão da velhice chega com insatisfação, pesar da alma." - é verdade! Agora é que disseste tudo!! Até eu fico chocada com os comportamentos das pessoas...é como se desse muito trabalho olhar para dentro de si mesmo, quando dá muito mais dispersarem-se e carregarem mágoas que nada trazem de bom!

    Luma, muito obrigada por este fantástico comentário!! :D Amei!

    Beijos

    ResponderEliminar
  3. Oi Max,

    Vim agradecer e retribuir tua visita a meu blog e dizer que fiquei bem impressionada com o teu, tão diferente dos que eu conheci até agora. :-)

    Apareça por lá sempre que quiser! Já irei te incluir na minha lista de blogs.

    Um grande abraço!

    ResponderEliminar
  4. Oi Carla!

    Bem-vinda ao MAX :D!

    "Vim agradecer e retribuir tua visita a meu blog e dizer que fiquei bem impressionada com o teu, tão diferente dos que eu conheci até agora. :-)" - de nada! Muito Obrigada mesmo :D!

    "Apareça por lá sempre que quiser! Já irei te incluir na minha lista de blogs." - Vou aparecer, sim! Ah, gracías....também farei o mesmo!

    Um grande abraço, querida

    ResponderEliminar
  5. OI Max
    Fiquei arrepiada quando li seu post, realmente é muito dificil nos desligar de tudo a nossa volta de nossa própria carne, como é interessante o quanto a nossa carne nos cega, nos coloca uma venda e não nos deixa ver o que é essencial, o que está dentro o que de fato somos e seremos eternamente, ficamos preso ao fugaz, isso também é assustador porque tudo que nos é caro hoje vai passar, mais a essência é para sempre, é preciso saber lidar com isso, é preciso alimentar mais a essência do que a carne e estar pronto para o que virá.


    Amiga, esse post foi muito profundo...

    beijos

    Adriana

    ResponderEliminar
  6. Oi Adriana! :D

    Fantástico comentário, linda! É isso mesmo, captaste bem a essência das minhas palavras *vénia*! A matéria fica, quando desencarnamos...tudo o que vai é o espírito e a memória!

    "Amiga, esse post foi muito profundo..." - muito obrigada, linda :D! O teu comentário não ficou atrás, acredita!

    Minha amiga, obrigada por este comentário tão fantástico, amei :D!

    Beijos

    ResponderEliminar
  7. Max, somos energia, fisicamente falando. Energia não é criada nem destruída, apenas transformada de uma forma em outra(aulinha de física). Quando morremos a energia que nos dá a vida atravessa planos e dimensões, e pode voltar e ocupar p mundo material de novo. É nisso que acredito.

    Beijos!!!

    ResponderEliminar
  8. Cidão,

    Essa é uma crença extremamente válida e com a qual concordo (principalmente com a parte de podermos voltar)!

    Obrigada pela aulinha de física, Professor Cid :D!

    Beijos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço