Sob ameaça


Portugal está sob ameaça terrorista. O governo reuniu-se, durante o passado fim-de-semana, após ter sido informado por Espanha que dois terroristas Paquistaneses estariam escondidos no nosso país.
Desde o 11 de Setembro que Portugal assiste à mudança do mundo: segurança apertada nos aeroportos e aviões; paranóia; guerras; mais ataques terroristas (Inglaterra, Espanha, Holanda, Turquia...); o caos gerado pela comunidade Islâmica que resultou em censura na Europa; aumento de poderes à forças de segurança; escutas telefónicas sem mandato judicial; o estigma da comunidade Islâmica...
Surpreendentemente alguns Euro-deputados socialistas Portugueses (juntamente com os seus Euro-colegas) encetaram numa cruzada contra as forças de segurança Americanas alegando que os Americanos estão claramente a violar os direitos humanos dos seus prisioneiros terrorristas, e usando para isso localizações e espaço aéreos Europeus para implementar o seu programa “rendition” fazendo da Europa o seu cúmplice na violação dos direitos humanos (como se a Europa fosse muito cumpridora dos mesmos).

O programa “rendition” foi desenvolvido pela CIA em meados dos anos 90’ afim de localizar e desmantelar organizações militantes Islâmicas no Médio Oriente. As operações “Extraordinary rendition” destinam-se à apreensão de terrorristas no estrangeiro, geralmente sem o conhecimento do governo anfitrião.
Diz-se que durante estas operações é aplicada a tortura nos seus prisioneiros, indo assim contra a Declaração Universal dos Direitos Humanos.
Quando um bando de assassinos de sangue-frio, acéfalos, insensíveis planeiam ceifar a vida de pessoas inocentes; não estará também a exercer a forma mais cruel de “Extraordinary rendition” (uma vez que inocentes são raptados da vida, vendados pelas explosões e ao abrirem os olhos apercebem-se de que estão a ser interrogados pela policia do Karma)?

Nos últimos dois anos, a Euro-deputada Portugesa, Ana Gomes, tem gritado aos 7 ventos, e mares, que as forças de segurança Americanas são criminosas e merecem ser julgadas internacionalmente.
Claro que ela se pode dar ao luxo de histericamente gritar o que quiser, pois não foi nenhum membro da sua família que sofreu na pele os recentes, e passados, ataques terroristas (e se Deus quiser nem ela nem a sua família sofrerá).
Podemo-nos questionar se estes Euro-deputados, que declaram Guerra às forças que tanto lutam por manter o nosso mundo seguro, (sim, porque ao mínimo problema mundial toda a gente se dirige aos Americanos em busca de qualquer sorte de ajuda) teriam a mesma posição se a tragédia lhes batesse à porta...

A reflexão é a profilaxia do ridículo.
A Euro-deputada Ana Gomes defende que o terrorismo deveria ser resolvido sem que a dignidade dos prevaricadores fosse beliscada.
Partamos do princípio que Portugal apanha os dois alegados terroristas: deveria o SIS (Serviço de Informação e Segurança) extrair informação na base de um galão e um croissant com fiambre?
É este o método de interrogatório que os Euro-cruzados sugerem? Ou estarão eles a sugerir que as forças de segurança lhes dêem umas palmadas desde que não se deixem marcas visíveis?

Evidentemente ninguém concorda com a tortura; contudo qual é o método mais eficiente para extrair informação vital à manutenção da nossa segurança?

Comentários

  1. Aqui no Brasil não temos terrorismo, mas temos uma criminalidade crescente devido a uma justiça morosa e a impunidade gerada por uma legislatura que tem como objetivo perpetuar mais e mais a corrupção.

    ResponderEliminar
  2. Oi Cidão!

    "Aqui no Brasil não temos terrorismo, mas temos uma criminalidade crescente devido a uma justiça morosa e a impunidade gerada por uma legislatura que tem como objetivo perpetuar mais e mais a corrupção." - pois é...esperemos que os terroristas não passem a ver o Brasil como um paraíso para eles, né? Justiça morosa parece ser um problema comum aos nossos países *acenando a cabeça*; assim como a impunidade (político aqui raramente é julgado, e um que foi julgado - por pedofilia - recentemente, esteve preso preventivamente e depois solto...vê se pode...
    A corrupção é um problema, e precisa de ser combatido (não é que deste lado não haja, mas é mais subtil...já se sabe que onde há humanos há corrupção...)!

    Obrigada pelo teu contributo :).

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. OI Max
    Esse assunto é muito complexo, é difícil falar sem ter passado pelo problema em si, é claro existe violência em qualquer lugar do mundo, e a violência , no caso do Brasil, não fica atrás, mas é diferente porque são em locais determinados, nós sabemos onde devemos ou não ir, por isso que certos lugares se tornam tão perigosos para turistas, no caso de terrorismo a violência é iminente, pode ser em qualquer lugar com qualquer pessoa...então

    "Evidentemente ninguém concorda com a tortura; contudo qual é o método mais eficiente para extrair informação vital à manutenção da nossa segurança?"

    não sei...agora o que é certo é que precisa-se fazer algo.

    beijos

    ResponderEliminar
  4. Adriana, não concordo que a violência esteja em locais bem determinados no Brasil. Em São Paulo, você está sujeito a ser uma vítima em qualquer lugar, basta ouvir e ver os crimes cometidos, e olha que o que aparece na mídia é filtrado. Casos de sequestro existem aos montes, mas apenas um ou outro é noticiado.
    Não vejo diferença em ser explodido ou lever um tiro na cabeça. A violência é semelhante. O que diferencia é o modo de provocá-la.

    ResponderEliminar
  5. Nossa, o post de cima foi meu. Estranho eu ter saido como anônimo!

    ResponderEliminar
  6. Oi Adriana,

    Tens razão, é um assunto extremamente complexo; pois como tu disseste pode dar-se em qualquer lugar e sem aviso! É um problema!
    Pois é...mas aí será que é certo aplicar a tortura em terroristas afim de manter a nossa segurança; ou deixamo-los andar e rebentar-nos a seu belo prazer?

    Obrigada pelo teu comentário, amei :D!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Oi Anónimo,

    É bem verdade que o que aparece na media é editado; por isso nunca se sabe o nível exacto da violência. Na semana passada um gás foi libertado numa Universidade em Lisboa...a notícia que passaram foi muito estranha e sem sentido; mas entendo que as autoridades não queiram pôr as pessoas em pânico.

    Violência é violência, mas o que fazer para acabar com ela?

    ResponderEliminar
  8. Cidão!

    LOL LOL Tudo bem! Mas agora que sei que és tu; posso assinar com: beijinhos!

    ResponderEliminar
  9. Olá Cidão e Max
    Não são todos os lugares do Brasil que são tão violentos como o Rio de Janeiro e São Paulo, não podemos comparar a criminalidade dos grandes centros com a do interior por exemplo, e mesmo no caso do Rio de Janeiro, existem lugares que ainda pode-se viver com certa tranquilidade,não sei em São Paulo...Claro está longe de ser o ideal, mas disse aquilo na postagem anterior porque é diferente do terrorismo, porque este não está vinculado a nenhuma cidade, bairro,pode acontecer no lugar mais pacato do mundo, com isso a criminalidade e terrorismo cada qual com suas peculiaridades precisam de resoluções diferentes, atitudes diferentes.
    Pensei que você entenderia pelo que disse no seu comentário

    "Aqui no Brasil não temos terrorismo(...)"

    Beijos

    ResponderEliminar
  10. Olá Adriana,

    Eu ouvi dizer que há cidades no interior do Brasil em que os níveis de violência são baixos...mas não moro aí, por isso não posso falar muito...
    Mas eu gosto de ver que tens orgulho no teu país e que lutas por melhorar a imagem que as pessoas têm dele. Porque vou-te contar: a imagem do vosso país aqui fora é muito má (sequestros, assaltos, violência inexplicável....).

    Terrorismo está ligado a reinvindicações políticas; o mesmo não se passa com a violência aí (acho eu).

    Obrigada pelo esclarecimento :D!

    Beijinhos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço