Cleptomania do amor


Diz-se muitas vezes que se as mulheres controlassem o mundo não haveriam guerras. É claro que não concordo com esta teoria, porque as mulheres no dia-a-dia já fazem guerras de toda a forma e feitio (só que a maioria ainda não teve a oportunidade de transportá-las para um palco maior).
Vamos dar uma olhadela a um tipo de fêmea que há muito declara guerra às relações estáveis.

Namorado estável: um casal namora há dois anos e meio. A história deles é linda e idílica! Contudo, os dois passarinhos estão a ser rondados por um predador…
Uma vamp alta, magra, loira estuda o doce namorado, e decide que para poder brincar com ele terá de se fazer amiga da namorada dele, primeiro. E que melhor maneira senão fazer-se amiga dela durante o jogging diário...passados dois meses elas tornam-se as melhores das companheiras de exercício. Em nome de uma vida sexual saudável a vamp convence-a a fazer com que o namorado se junte a elas. Aquele aceita a sugestão, para fazer a vontade à sua namorada…
Num piscar de olhos a vamp consegue atraí-lo à sua teia e o (ex)doce namorado torna-se frio, distante, e um pesadelo para a sua namoradinha...

O noivo: numa casa de família decorre uma festa de noivado. O casal está felicíssimo da vida! A noiva mostra, toda orgulhosa, o anel de noivado a todas as mulheres presentes na festa; a todas menos uma: à sua prima (que está de olho no noivo).
A querida prima aproxima-se do noivo e lança todo o seu charme para cima dele…ela ri a cada coisa que ele diz; tira migalhas de hors-d’oeuvres dos cantos da sua boca; vai-lhe buscar bebidas (sim, é incrível como as mulheres se revelam as melhores das criadas quando estão à caça…até a mais feminista delas) e toca-lhe sempre no braço à medida que vai falando…contudo ele só olha para a sua noiva: os seus olhos seguem todos os seus movimentos; os ouvidos dele só captam as gargalhadas com que ela preenche a sala; a sua boca ainda sente o gosto do último beijo que deram; o seu nariz só respira o odor dela; e as suas mãos desejam tocar a pele dela...ele deixa a descarada prima a falar sozinha e, dirigi-se à sua futura mulher.

O homem casado: está com a sua mulher há 10 anos. Tem dois filhos lindos. Um dia, à saída do trabalho os seus amigos convidam-no para tomar uma bebida; ele aceita, uma vez que as amigas da sua mulher vão lá a casa jantar.
No bar, ele está todo divertido quando de repente repara que uma ruiva, toda boa, está a olhar para ele. A princípio ele ignora-a, mas depois fica curioso quanto às intenções da mesma, então, faz-lhe um sinal e ela aproxima-se dele: começam a falar. Ela atrai-o para o sua arena de luxúria, e mantém-no lá até que se farte dele. Mas antes de o libertar, certificar-se-á de que o casamento dele fica completamente desfeito, pois afinal ela sofre de DDC (Distúrbio da Destruição de Casamentos) – o seu passatempo é escolher homens casados, usá-los, arruinar-lhes a vida e, depois ver-se livre deles como se lixo fossem.

É sobejamente sabido que o que nos difere dos animais é a racionalização dos sentimentos (tais como amor e paixão) e valores (como por exemplo: amizade, respeito e lealdade). Posto isto, pode-se defender que a traição é inerente ao ser humano. Outros podem ainda afirmar que a insinuação, a provocação e a disponibilidade são factores contribuintes para o desequilíbrio emocional, ou que o instinto primitivo dá instruções ao macho para não negar fogo, sob pena de ver a sua masculinidade ameaçada.

Qual é a tua opinião?

Comentários

  1. Oi Max
    Acho que muitos sentimentos ruins como inveja, raiva, pouco amor próprio são os fatores preditivos para que este tipo de mulher (as que você citou no post)tenham as atitudes que tem...agora o que vejo é que nós mulheres não somos tão unidas como os homens, estes parecem que tem um código próprio deles, eles se entendem e são um pelo outro, agora as mulheres são mais dadas a quererem se auto afirmar sobre as outras, tipo pretendem ser a mais bonita, a mais inteligente, a que chama mais atenção e etc, e com isso estão sempre envolvidadas numa concorrência sem fim. Mas felizmente não são todas assim existe sim as que tem uma amizade verdadeira e sentimentos sinceros em relação a outra mulheres.

    Um excelente assunto para discutir...parabéns

    Adriana

    ResponderEliminar
  2. Oi Adriana,

    É verdade: as mulheres não são tão unidas quanto os homens; o que é verdadeiramente triste. Elas são as primeiras a atacar as outras mulheres...é incompreensível! Mas este tipo de coisa deve ser discutido, e quem sabe com o tempo elas se voltem a unir (como já foram em tempos) :).
    Os homens são fantásticos entre eles...eu admiro-os, com toda a franqueza! Ele bem podem estar zangados agora, mas no minuto seguinte já fizeram as pazes...
    É isso mesmo as mulheres concorrem muito entre si; e nem sei para quê: é uma perfeita perda de tempo lol.

    "Mas felizmente não são todas assim existe sim as que tem uma amizade verdadeira e sentimentos sinceros em relação a outra mulheres." - Graças a Deus! Eu sou pro-femina (defendo a dignidade das mulhere acima de tudo...o que difere das feministas); mas às vezes as mulheres desapontam-me tanto que tenho vontade de desistir...mas como não desisto jamais.... :). Tenho óptimas amigas e gosto muito delas :).

    Obrigada, Adriana....adorei o teu comentário :)!

    Beijinhos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço