Relações Iraque-Portugal e a Geringonça: Suposições e Culpas



Em Portugal, 99% das vezes a culpa morre solteira; mas em 1% das vezes a culpa assume uma dinâmica muito interessante:

O Iraque diz que os seus imberbes facínoras agiram em legítima defesa

Suponhamos que os moçoilos lusos tenham sido absurdamente xenófobos. Presumamos que a garotada soubesse seguramente que aqueles dois irmãos eram praticantes da fé muçulmana. Já agora assumamos que a rapaziada de Ponte de Sor tenha de ante-mão, se mancomunado para expressamente provocar e arreliar os sensíveis filhos do embaixador do Iraque.

a) É possível que os moçoilos sejam uns xenófobos (é uma atitude própria de um ignorante) não obstante estarem na sua Terra, não é um direito que se lhes assista mas é um comportamento frequente em gente menor. Devido à inerência do cargo do seu pai, os filhos do embaixador deveriam saber que algum dia, nalgum lugar estariam sujeitos a uma situação destas, e que o caminho seria dirigir-se à polícia ou aos serviços de relações públicas da sua embaixada para tentar mitigar a problemática do desdém pelo estrangeiro.

b) É possível que a garotada soubesse que os irmãos fossem muçulmanos, visto que um deles está em regime de internato numa escola de aviação em Ponte de Sor. Seja como for, a religião muçulmana está implantada em Portugal muito antes da chegada deste embaixador e seus rebentos: aliás, neste país coexistem várias denominações religiosas e não consta que após o período negro das conversões forçadas, do fim II guerra mundial e da revolução dos cravos se perturbasse quem quer que fosse – eu própria confesso que devido ao seu proselitismo militante não me sinto confortável com as Testemunhas de J**vá e nem com alguns nascidos de novo – ora o Iraque e a sua embaixada revelaram também, por sua vez, uma ignorância sem paralelo acerca da cultura deste país. Mas ainda que as suas mentes gravitassem numa profunda noite sem estrelas, quero pensar que devido à conjuntura internacional encabeçada pelos seguidores da religião muçulmana, os badamecos dos filhos do embaixador saberiam obrigatoriamente contextualizar a provocação e, simplesmente, racionalizar virando costas. Não sei qual o curriculum dessa escola de aviação em Ponte de Sor – espero que não seja a reedição da escola de aviação da Florida que culminou com o 11 de Setembro de 2001 nos EUA – não sei que matéria se ministra nessa escola, contudo há que incutir nos educandos uma certa cultura geral; como por exemplo, ensinar que nenhum tipo de denominação religiosa está adstrita a nenhuma raça ou etnia, logo ser adverso a uma religião não é ser racista.

c) Aceito que a rapaziada de Ponte de Sor se tenha mancomunado para arreliar os manos iraquianos, e aceitaria se a resposta dos mesmos tivesse sido proporcional à provocação. Mas a reacção dos bandidos iraquianos foi vil e cobarde. Porquê macetar o rapaz tão odiosamente? Porquê um horroroso e vil desrespeito pela vida humana, a ponto de passar o carro por cima de um homem vencido e subjugado?

A culpa de governo de Passos Coelho e Paulo Portas

Diz-se que vai haver uma correcção nas contas do Orçamento de 2016. Pois é obviamente culpa do anterior governo; o Passos Coelho, líder da oposição, desempenha o seu papel e é logo considerado um execrável: em suma, tudo de mal que acontece no governo do proletariado de António Costa é culpa de anterior governo.

Na ética política diz-se que só se deve culpar o governo anterior nos primeiros 100 dias porque supostamente é durante este período que se está a tomar conhecimento dos dossiers, e se estão a formar estratégias para se pegar no leme da embarcação e conduzir os negócios do país com o juízo concentrado no povo.

A mulherzinha do Bloco de Esquerda veio confessar que de quando em vez se arrepende de ter apoiado a geringonça (governo da esquerda radical PS, BE e PCP). Só lhe faltou dizer que apoiou o golpe de António Costa porque as políticas do governo de direita a forçaram a tal, logo a culpa do seu arrependimento é culpa do governo anterior.

Passos Coelho opôs-se à vontade socialista de mudar a lei bancária para poder criar uns tachos para os seus amigos e pronunciou-se pedindo explicações de como seria feita na prática a dita capitalização da Caixa Geral de Depósitos. Isto foi considerado uma afronta porque todos os bancos portugueses estão no buraco por culpa do governo de Passos Coelho. Contudo, sempre que o líder da oposição acerta na muche; o governo contra-ataca atirando-nos com um patego chamado João Galamba para dar respostas obtusas tão desconexas quanto a sua linguagem corporal revelando uma dissonância cognitiva sem remédio.

Bom, como é bom de ver os filhos do embaixador do Iraque são iguais ao governo português, pois são ambos isentos de qualquer culpa: os fora-de-lei iraquianos alegam que cometeram um crime na pessoa do Rúben Cavaco por culpa deste; e o governo de esquerda radical, no poder há 9 meses, está a descarrilar por culpa do governo anterior.

Até para a semana  


[As opiniões expressadas nesta publicação são somente aquelas do(s) autor(es) e não reflectem necessariamente o ponto de vista do Dissecting Society (Grupo ao qual o Etnias pertence)]

Comentários

  1. Pá, os iraquianos pensavem que era vir para a parvónia bater nos putos e que ninguém fazia nada! Mas estavam enganados, pá. Queremos o gajos presos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Anónimo!
      Gostaríamos que incidentes desta natureza não se repetissem; pois são absolutamente deploráveis.
      Prisão? Só se o governo iraquiano fosse duma grandeza ética e moralmente elevado, mas duvido porque o dito governo já começou a usar desculpas esfarrapadas, as quais são próprias de organizações falhas de razão.

      Obrigada pelo seu comentário e cumprimentos

      Eliminar
  2. Portugal é melhor expulsar esses bandidos iraquianos porque se fazem isto aos 17 imaginem o que não vão fazer quando crescerem, mana. Li que deixaram o tal Rúben irreconhecivel, mas precisava fazer isso tudo? Mesmo que fosse racismo, duvido mana, não é assim que se responde! Expulsem esse bandidos.
    O mano costa meteu-se numa linda armadilha e a tal catarina faz-me rir maningue, a sério! Ela só fala asneira. Como podem levar ela a sério?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Carlitos!
      Especulo dizendo que, a expulsão do embaixador iraquiano e seus rebentos criminosos, será o único caminho a adoptar pelo governo português, caso o problema da imunidade permaneça num impasse.
      O teu mano Costa é um desapontamento; a mulherzinha do BE não passa de uma demagoga à maneira.... Levam-na a sério porque o dito "Pão e circo" foi talhado especialmente para os portugueses.

      Aquele Abraço

      Eliminar
  3. Olá Lenny,

    Um dos iraquianos anda numa escola de aviação em Ponte de Sor? Wow, espero que a Judite esteja de olho nessa escola porque como bem disseste, poderá ser uma reedição da escola de aviação da Florida.

    Coitada da Catarina Martins: praticamente confessou amar estar colada ao poder e cega por uma ideologia falhada; porque uma pessoa verdadeiramente arrependida simplesmente retira o apoio concedido. Mas pronto desde que a direita esteja fora do poder, tudo vale, não é? Ridícula.

    Bom post. Obrigada, Lenny.

    Shabbat Shalom

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Max!
      Tu achas que a Judite está com essa bola toda? once in my life, I would be impressed...
      Ó pá, a culpa é da direita que a obrigar a tomar atitudes impensadas: é patética.

      Shabbat Shalom, darling.

      Eliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço