A 'Elite Instruída' da Esquerda & Um Conselho à Direita


Comparar raça com religião = impotência intelectual.
Na semana passada, li na Reuters um artigo de opinião onde o autor (perdoem-me, mas não memorizei o nome do sujeito) mencionava a existência de uma “elite instruída” americana que alegadamente apoia a ala esquerda do espectro político. Se for verdade, então o sistema de educação americano está nas lonas porque o que vemos é uma “elite instruída”  (desde comentadores políticos a celebridades) a dizerem as coisas mais incultas, mais ignorantes, tais como acusar uma pessoa de ser racista quando esta questiona uma determinada religião - infelizmente, isto não é exclusivo aos EUA; a noção errada que se tem da esquerda é agora global.

A Esquerda do Século XXI

Era uma vez uma esquerda composta por pessoas cultas que liam, que discutiam assuntos de modo claro e racional; pessoas que poderiam ser consideradas intelectuais. Mas esse tempo ficou para trás. Hoje em dia, os esquerdistas em geral não são cultos; falam sem conhecimento de causa, repetem mentiras, expressam opiniões com base em emoções, são histéricos, e são os reis da deflexão. Os meus exemplos favoritos das últimas tácticas deflectivas utilizadas por estes indivíduos são:

  • Terrorismo não tem religião – para desviar a atenção das pessoas das motivações e níveis de letalidade do terrorismo Islâmico.  
  • Terrorismo de Direita mata mais que o terrorismo Islâmico – uma falácia que não só coloca a direita e a extrema direita no mesmo saco, como também pinta uma realidade muito diferente daquela que é. Primeiro, o terrorismo de direita na América jamais matou cerca de 3.000 pessoas de uma só vez (mas o terrorismo islâmico já); o argumento de que depois do 9/11 “extremistas brancos mataram” mais americanos que os extremistas muçulmanos não conta a história toda, porque se o terrorismo islâmico não conseguiu ceifar outras 3.000 vidas em solo americano é devido ao bom trabalho das unidades de contraterrorismo e dos programas de vigilância. 
  • Onde está a vossa Compaixão? - para apelar às emoções de modo a impedir que as pessoas se apercebam do perigo da abertura das fronteiras aos migrantes islâmicos, oriundos do Médio oriente, sem levar em consideração as ameaças de segurança e a conjunctura da Segurança Internacional. 
  • Invocação de Nazis e a comparação entre Muçulmanos e Judeus – esta é uma das minhas favoritas. Uma elite verdadeiramente instruída sabe que os muçulmanos do Médio Oriente (liderados pelo Grande Mufti de Jerusalém, Haj Amin al-Husseini) colaboravam com os Nazis para eliminar os Judeus (o seu inimigo comum) para impedi-los de voltarem para a sua nação histórica. Isto ainda não mudou: o principal inimigo do CAIR (um braço do Hamas nos EUA) é Israel e os Judeus, logo ver a organização acusar Donald Trump de agir como os Nazis e comparar a presente situação dos Muçulmanos com aquela dos judeus na 2ª Grande Guerra é o maior exemplo de sofisma barato; um logro pelo qual a “elite instruída” caiu que nem um pato. 

A situação é de tal modo grave que os incultos apelidam-se de cultos. E porque eles se apercebem da sua irrelevância, têm a necessidade de se rotularem como elite. É lamentável. Mas se estes indivíduos são o tipo de pessoa que apoia os partidos de esquerda, então esses partidos podem ficar com eles.

Um Conselho à Direita

A elite instruída chama os apoiantes da direita a classe trabalhadora sem instrução (pelo menos na América), preconceituosos, ultrajantes, racistas, fascistas e tudo o mais pelo meio; mas o que essa elite esqueceu (devido à falta de instrução, na verdadeira acepção da palavra) é que a classe trabalhadora é quem faz as revoluções; que os ultrajantes são quem lidera as revoluções; e aqueles que buscam a mudança não querem saber se são chamados de racistas/preconceituosos e fascistas porque quando feitas as contas apercebemo-nos de que afinal o roto prega ao nú.

Os partidos conservadores não devem temer os factos e, acima de tudo, não devem temer o confronto; logo, se querem emendar o mundo não devem ignorar o lado oposto e devem combater uma guerra inteligente de atrição intelectual contra o adversário.

Conclusão

Se a esquerda quer atacar a direita com a sua impotência intelectual, é deixá-la...porque a resposta fará com o deus da esquerda (Koalemos) trema.

(Imagem: A Caixa do Retrato- Ridolflo Ghirlandaio)

Comentários

  1. A esquerda é um desapontamento. Deverias ver a candidata do BE a presidente: uma fingida! Só vota nela quem é parvo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Carla :D!

      Mas é mesmo. Já nem sequer são um adversário à altura.
      Quanto à candidata do BE: não a conheço, nunca a vi...ela vive aonde?

      Obrigada pelo teu comentário :D.

      Beijinhos

      Eliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço