O Presidente Obama Tem a Obrigação de Saber Melhor


O presidente Obama fez um discurso na Casa Branca, pela ocasião do Pequeno-Almoço Nacional de Oração há quase 15 dias, através do qual decidiu dar uma lição acerca das Cruzadas e da Inquisição.
Não sei quem escreveu aquele discurso, mas quem quer que o tenha feito – na sua tentativa de se mostrar “tolerante” (um adjectivo desprezível) – tudo o que fez foi revelar a sua ignorância e aumentar o problema.

“E sob pena de nos sentirmos moralmente superiores e pensar que isto é exclusivo de um determinado grupo, recordem-se de que durante as Cruzadas e a Inquisição, as pessoas cometiam actos terríveis em nome de Cristo” – Presidente Obama

Cruzadas
O que é necessário recordar é que as Cruzadas (8 no total) foram uma resposta directa à expansão e agressão Islâmicas. Talvez, o presidente Obama precisasse de fazer uma pequena revisão da matéria:

  • Em 1076, os muçulmanos capturaram Jerusalém e negaram acesso à cidade. Tal medida foi inaceitável para as nações Cristãs, já que Jerusalém (a Cidade de Deus) é o símbolo da fé Judaico-Cristã.  Em 1096, as era das Cruzadas começou. 
  • Após Jerusalém ter sido conquistada pelos Cruzados, os expansionistas muçulmanos prosseguiram com a sua Jihad contra os Cristãos, por razões políticas, até que conquistaram os Estados dos Cruzados em 1291. 

Logo, terão as Cruzadas sido mesmo travadas em nome de Cristo (i.e. uma guerra injusta travada com a específica intenção de impôr a sua fé a outros) ou trataram-se de guerras políticas (baseadas num casus belli – a captura de Jerusalém e acesso negado à cidade) comissionadas pela Igreja Católica que determinou que “aqueles que se juntassem à peregrinação armada teriam de usar a cruz como símbolo da Igreja”?

Inquisição
“Uma instituição eclesiástica especial para combater ou suprimir a heresia” (fonte) querendo dizer, basicamente, que a inquisição foi criada para obrigar à observância dos dogmas e regras da Igreja Católica, dentro da comunidade católica. Posto isto, a noção de que a inquisição agiu em nome de Cristo é extremamente questionável porque aquele orgão agia  em nome de uma Igreja, baseado nos ditames da instituição, e não nos ensinamentos de Cristo.

Islão
“Assim que os meses sagrados passarem, (e eles se recusem a fazer paz) podem matar os adoradores de ídolos e quando os encontrarem, castiguem-nos, e resistam a todos os seus movimentos. Se eles se arrependerem e observarem o Salat e oferecerem o Zakat, deixem-nos partir. Deus é Perdoador, é o mais Misericordioso.” [Sura 9:5]

As Cruzadas foram uma guerra política com contornos religiosos; enquanto que a expansão islâmica é baseada na mensagem do Al-Corão, o mesmo livro que dita que os muçulmanos ou matem os cristãos (vistos como adoradores de ídolos) ou os façam submeter-se à palavra do Profeta – não há outra opção. Os Cruzados queriam acesso a Jerusalém e proteger-se dos invasores islâmicos; estes querem ou submeter o mundo inteiro aos mandamentos do Profeta ou matar todos aqueles que se recusarem a submeter-se...a diferença é enorme.

A Expansão Islâmica começou por volta do século VII AD e esse esforço permanece na mente daqueles que querem reavivar a glória islâmica do passado; daí o sonho do Califado/Estado Islâmico. Um sonho que ameaça tornar-se realidade não devido ao tal poder Islâmico, nada disso; mas porque o Ocidente parece estar inclinado a tornar esse sonho uma realidade.
Quando um político se recusa a chamar as coisas pelos devidos nomes, a única leitura a ser feita é que ele/ela esteja mais que disposto a ajudar o inimigo a atingir o seu objectivo. Logo, eu gostaria de colocar algumas questões ao presidente Obama:

  1. Quem é que o aconselhou tão mal? Quem é o ignorante que lhe está a dizer para evitar empregar a palavra “islâmica” cada vez que que é perpetrado um acto terrorista por grupos islâmicos (baseados em ensinamentos islâmicos)?
  2. Quem é que o está a aconselhar a designar ataques anti-semitas como “violência aleatória” exercida sobre “um grupo de pessoas”? Certamente que esse indivíduo sabe que os atacantes, em França, atacaram a loja kosher exactamente por ser um local comercial judaico...é um facto.
  3. Quem é que lhe sugeriu que fizesse concessões perigosas ao Irão sem emitir os devidos avisos?
  4. Qual o PAC que lhe está a cobrar favores pela sua eleição/re-eleição, minando deste modo o mandato que o Povo Americano emitiu ao seu presidente? 
  5. Quem é o néscio que está a fazer com que o senhor pareça fraco e um traidor?
  6. Quando é que se vai aperceber de que o estão a tramar?

O Problema da Tolerância
Tolerância é uma palavra desprezível porque ela significa que apesar não gostarmos de alguém, ou de um grupo de pessoas, sofremos a sua presença tal qual um organismo que sofre de uma infecção causada por um parasita ou agente patogénico, mesmo sabendo que tem a habilidade de resistir ou lutar contra a mesma.
Estarão os políticos sinceramente a dizer-me que querem que consideremos os muçulmanos uns parasitas que nos causam uma infecção a resistir/combater? Parece que sim, de outro modo não se dariam tanto ao trabalho de nos forçar a sermos tão tolerantes...tão ofensivos.

Presidente Obama, o senhor errou. O senhor não se deu ao trabalho de verificar os factos antes de ler aquele triste discurso em voz alta. Fez figura triste; foi contraproducente (no meio de uma guerra contra o terror islâmico), e agiu sem coragem.

“Em 641, o Islão espalha-se no Egipto. O arcebispo católico convida os muçulmanos a ajudarem a libertar o Egipto dos opressores romanos.”

Será que Barack Obama deseja agir tal qual o arcebispo católico do século VII e convidar os muçulmanos para ajudarem a libertar o Ocidente dos “opressores” seculares?
O presidente Obama tem obrigação de saber melhor.

Comentários

  1. Max, você nega que a Inquisição e as Cruzadas não foi em nome dos ensinamentos de Cristo ou Cristianismo, mas da Igreja Católica? Mas a Igreja Católica não propaga o Cristianismo? Fiquei meio confuso agora.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi Cidão :D!

      Nego porque os factos apontam para o contrário.
      As cruzadas foram uma guerra política iniciada após a agressão islâmica (resultado da expansão islâmica, conquista de Jerusalém e obstrução do acesso a essa mesma cidade) e embora tenham sido comissionadas pela igreja católica, não foram levadas a cabo com base nos ensinamentos de Cristo - Jesus nunca disse, nunca ensinou, que os seus seguidores devessem matar gentios para impôr os seus ensinamentos (não nos esqueçamos que Cristo era Judeu, e o judaismo não busca converter pessoas).

      A inquisição foi um orgão eclesiástico especialmente criado para lidar com assuntos internos da comunidade católica; e não com o exterior. A inquisição foi estabelecida para obrigar à observância do dogma e da lei da igreja católica, não dos ensinamentos de cristo per se.
      Para além do mais, a igreja católica baseia-se mais nos ensinamentos de Paulo do que de Jesus.

      Cristianismo vai para lá da igreja católica e é mais complexo do que parece.
      Já o Islão baseia-se mesmo nos ensinamentos do profeta, que mandou matar todos os infiéis que não se submetessem ao Corão - está escrito.

      Dizes na tua página do Google+ que estudaste na Uni Católica: não deverias saber pelo menos o básico disto tudo? :)

      Mais alguma pergunta, gato?

      Eliminar
    2. Interessante, seu argumento vai contra tudo que é dito ou escrito por aí. Mas ok. Quanto ao fato de estudar numa universidade católica, não houve nenhum curso sobre a igreja e/ou cristianismo. Ainda bem porque a religião não deve interferir no ensino. O estado é laico. E no curso de Física, a grande maioria dos professores que tive seriam queimados pela inquisição se ela existisse hoje! :)

      Eliminar
    3. Cidão, o meu argumento é baseado em factos e na análise desses factos, não numa agenda política. E não é verdade que ele vai contra tudo o que é dito ou escrito por aí; mas talvez vá contra tudo o que é dito e escrito por alguns que tenham mais exposição ao público e com um propósito específico.
      Não defendo que a religião deva interferir com o ensino (até porque não resultou no passado e continua a não resultar, como bem se vê nas madrassas); contudo, uma complementariedade só bem - que mal há em expôr os alunos a todo o tipo de informação? O conhecimento afasta as trevas da ignorância.

      Eu sempre vivi num estado laico e, no entanto, tive aulas de religião e moral (embora não fosse cristã) - não me fez mal algum, pelo contrário...eu posso discutir sobre qualquer assunto, com quem quer que seja (com conhecimento de causa).
      Há muitos mitos acerca da inquisição, gato: mas uma coisa é certa, a igreja tinha físicos, a igreja tinha químicos, a igreja tinha mediuns; só que a igreja queria controlar a quantidade de informação disponível ao grande público - uma estratégia política, não religiosa.

      Tem um bom fim-de-semana e obrigada pelo papo :)

      Eliminar
    4. Você tocou num ponto: "...mas uma coisa é certa, a igreja tinha físicos, a igreja tinha químicos, a igreja tinha mediuns; só que a igreja queria controlar a quantidade de informação disponível ao grande público - uma estratégia política, não religiosa." No meu entender, era religiosa também, certos conhecimentos nunca poderiam ferir os dogmas e doutrinas da Igreja. Galileu, por exemplo, teve que renegar tudo que havia feito em vida.
      E sim, concordo plennamente com você: "O conhecimento afasta as trevas da ignorância."

      Bom fim de semana pra você também! :)

      Eliminar
    5. Cidão, se a igreja possuia o conhecimento da física, química, e da ciência em geral, não faz sentido dizer que "certos conhecimentos" feriam os dogmas e doutrinas da igreja: o conhecimento científico não feria o dogma da igreja; mas a sua disseminação para o grande público feria - vês a diferença? A questão era o controle da informação ao dispôr do grande público, e a igreja estava disposta a fazer o que fosse para defender essa política.
      O dogma católico, a doutrina católica, eram estratégias políticas com contornos religiosos (mas prioritariamente políticas); e não representavam os ensinamentos de Cristo (que não ensinou nem um décimo das coisas que a Igreja fazia).

      Um super abraço e obrigada, mais uma vez.

      Eliminar
    6. Senhor Aparecido (o seu nome faz-me lembrar a Nossa Senhora Aparecida), a santa igreja transmite os ensinamentos de Cristo, é verdade, mas a igreja baseia-se em S. Pedro, a pedra da igreja, e em S. Paulo. E ler os evangelhos e as epístulas de Paulo verá que a santa igreja optou por seguir o seu modelo. Mas agora dizer que a inquisição e as cruzadas foram executadas em nome de Cristo ou segundos os ensinamentos de Cristo é uma mentira pegada! Mas rezarei por si e pelos que partilham e espalham essa mentira!

      Eliminar
  2. Ai quando a Maria Joaqina vir este post ela vai-se passar! Ai vai, vai!
    Infelizmente a ignorância quanto à igreja é muita. Ela não foi nem é perfeita, mas comparada com o ISIS, a al-Qaeda, o Boko Haram e outros, convenhamos que a igreja católica é um poço de virtudes. Vejo que até um professor quase ou nada sabe acerca do que realmente aconteceu, mas como é possível? Não admira que os professores portugueses tenham medo de serem avaliados! Cumprimentos, Max e gabo-te a coragem de teres escrito este post!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Carla :D!

      lol até agora, a Maria Jô não passou por aqui.
      Sim, em comparação, é uma fonte de pureza. Não estamos mais na era do Humanismo Renascentista...o homem já não tem de saber de tudo um pouco. A especialização e as distracções mundanas vieram alterar as prioridades, minha cara :).
      Quantos aos professores portugueses: é um bom exercício mental que não devem temer.

      Carla, muito obrigada pelo seu comentário :D.

      Beijinhos

      Eliminar
  3. Pronto, max, algum dia o senhor Obama havia que mostrar que não é tão diferente do presidente Bush a quem chamavam de ignorante. Se bem me lembro a esquerda americana adorava fazê-lo e agora que o seu gatinho de estimação mostrou ser o mesmo?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Maria Jô :D!

      Foi um grave erro da parte do Presidente Obama, foi. Qualquer que tenha sido o motivo do emprego desta gaffe, considero que tenha sido contraproducente dada a conjuntura. Mas enfim, até os mais intelectualizados erram...

      Maria Jô, muito obrigada pelo seu comentário, minha cara :D.

      Um abraço

      Eliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço