Partido Socialista: Bicadas entre o Rei e o Súbdito

Retrato do Emperador Rudolf II - Hans von Aachen

Adoro o Estio em Portugal, visto ser a única nação do mundo onde uns, outros e aqueloutros me concedem o luxo de usufruir do tempo para parar e pensar: quási o êxtase!

Uns: são os pseudo-qualquer-coisa que no alto da sua pequenez libertam-se da sua tacanhez, pura e simplesmente com o propósito de clamorosamente realçarem a sua parca noção de juízo e justiça. Sim, adivinharam: falo do dito Tribunal Constitucional.
Depois da lamentável decisão do dito, da decisão da Tróika e das palavras do Comissário Europeu Durão Barroso, inteirei-me do que era o dito Tribunal e, pelo agregado dos seus membros, cheguei à conclusão que estava perante um orgão de índole comunista que mais se aproxima de um júri.
Um júri é uma peça do mecanismo do sistema judicial, a qual é por vezes chamada a intervir num dado julgamento; ora os decisores da semana passada são o júri Constitucional; porque um Tribunal Constitucional deve ser composto por juízes eleitos pelos seus pares, que poderão vir a ser co-adjuvados por alguns elementos da sociedade cívil cujo direito é questionarem sobre a matéria que está a ser debatida e, aqueles decidirão em conformidade, i.e. abrindo ou não precedentes temporais; porque são juízes na verdadeira acepção da palavra.
Portugal deve livrar-se desses orgãos que foram criados sob febre socialista e comunista – estou-me nas tintas se os partidos nomeiam os seus compadres -  porque não foram eleitos pelos seus pares, não são parte do processo democrático, são indivíduos de vistas curtas, não põem a Nação em primeiro lugar, são monopensantes e são sobretudo corruptos porque ocupam um lugar a partir de uma premissa errada (basta ter amigos). Para além disto decidem sempre autisticamente: cor partidária e ideal político... cor partidária e ideal político... cor partidária e ideal político...

Outros: São o José Seguro, líder do Partido Socialista, e os seus comparsas.
É verdade que o PS ganhou as eleições europeias, é verdade que foi um feito para o Seguro; mas é também verdade que o PSD e CDS têm a maioria na Assembleia da República e, é certamente verdade que devido à sua parca vitória nas europeias, José Seguro quer desestabilizar o país ao exigir eleições antecipadas a um governo maioritário e estável, sabendo ele que nunca conseguirá as ditas antecipadas porque o povo português tem por hábito atribuir mandatos de 4 anos ao vencedor das eleições legislativas.
Então, porque raio está agora o José Seguro a espernear quando o seu camarada António Costa lhe quer impedir de saborear a sua vitória europeia e, num golpe baixo, exige a convocação de um congresso para o depôr antes do tempo previsto?
Ó Joe Seguro, não está a gostar de provar do seu próprio veneno; está?
O António Costa só está a fazer o que Joe Seguro anda a fazer a um governo maioritário (e legitímo) que está a 16 meses de ser sancionado pelo povo português.
Como diria a minha avó “agora, come a farinha do comissariado!” ou como diz a meu neto “busted!”

Aqueloutros: é o ancião Mário Soares, Conselheiro de Estado, ex-presidente da república, ex-primeiro ministro, ex-deputado socialista e ex-secretário geral do PS.
Ora na semana passada o ancião Soares disse mais ou menos o seguinte: José Seguro tomou conta do meu Partido, sem a minha permissão!
Claro que o ancião Soares pronunciou uma inconveniência, a qual deva talvez ser uma reacção lógica à pomporrea dos young and restless, porque Joe Seguro, na sua imensa saloíce, esqueceu-se de pedir a benção ao patriarca e fundador do Partido Socialista. Na sua ânsia pela busca da mudança, não buscou conselho, mesmo desnecessariamente, junto dos anciãos – nomeadamente de Soares – e isso foi tomado como uma afronta.

José Seguro, a sua passagem pelo parlamento durante os governos XVII e XVIII do PS, foi totalmente inútil, pois de tão absorto que estava nas suas maquinações estratégicas, a sua soberba cegou-o a ponto de não ter reparado na linguagem corporal de José Sócrates quando se referia à bagagem cultural do dr. Mário Soares ou quando apoiou a candidato presidencial Mário Soares mesmo sabendo que este estava condenado ao falhanço.

José Seguro, sem ter a velha guarda consigo, por favor não ande por aí a gritar que tudo mudou sob a sua liderança. O Seguro sabe bem que o Costa foi mandatado para o desenraízar; então por pura cortesia, Joe Seguro permita-me que lhe faça a interpretação das palavras do ancião Soares:
“Eu sofri  atrocidades inimagináveis e sobrevivi; depois conjuntamente com os meus camaradas fundei o Partido Socialista, por isso, enquanto eu for vivo, o PS é meu de direito. Estou consciente da quantidade de bastardos que proliferam no PS; mas tu, José Seguro, não nasceste, seguramente, na cama do rei!”

Até para a semana!

Comentários

  1. Mário Soares deveria mas é fazer expiação pelos seus pecados: arruinou literalmente a vida de milhões de pessoas com um descolonização feita em cima do joelho, porque a ideologia vinha em primeiro lugar mas não o país! E ainda por cima sujeitou os coitados dos africanos às atrocidades dos movimentos de libertação que ainda hoje mantêm aquela gente captiva com modelos de governação obsoletos!

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Olá, Anonymous!

      Mário Soares foi, é e sempre será conhecido na História da Humanidade como uma pessoa dúbia.

      Quanto aos "coitados dos africanos", já vai sendo tempo de esquecê-lo, e fazer qualquer coisa pela vida: correr com os governantes que ainda não viram ou não querem olhar para a realidade do mundo em que vivem.

      Obrigada pelo seu comentário e boa semana de trabalho!

      Eliminar
  2. Ó lenny, sempre achei o Mário Soares um emproado mas ultimamente ele tem ultrapassado todos os limitesm não acha? Não sei, acho que o poder lhe subiu à cabeça! Um horror! José Seguro é um imbecil, Deus me perdoe, e espero que António Costa o desfaça em mil pedaços! Olhe, preferia o Sócrates!
    Deus a abençoe e já estava com saudades!

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Olá, Maria Joaquina!

      Ele nunca teve limites, precisamente por ser um emproado que deliberadamente escolhe viver fora da realidade. Ele sabe que deve andar para frente, ele sabe que o seu Partido, eventualmente, morrerá se não for renovado; Mário Soares ficou desagradado, porque a sua ubiquidade, foi-lhe sonegada pelo Jovem Joe Seguro.

      José Seguro não é um estadista como esse anátema do Sócrates, mas António Costa é um sacana -como se diz em Moçambique - porque quis arrancar o rebuçado da boca do Seguro; falta ao Costa o sentido de timing.

      Olhe, amiga, estimei tê-la aqui no nosso cantinho; saudades suas, já era mato!

      Deus esteja, também, consigo e boa semana de trabalho!

      Eliminar
  3. O tribunal constitucional é uma vergonha! E nem sequer é constituído por juízes, enfim: mais um tacho; mas o pior é que o tacho quer desempenhar funções legislativas e isso não pode ser!
    Quanto ao Soares e seus fedelhos: volta Sócrates, volta; estás aperdoado! hehehehe e espero que o António Costa ponha o Seguro no seu lugar.

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Olá, Carla!

      A Carla tem toda a razão, o TC é uma vergonha! Se gente desta é que está encarregada de velar pela a nossa "Magna Carta Libertatum" - pois sonho, um dia, ver em Portugal, uma Constituição livre de qualquer tipo de ideologia - os meus descendentes estão condenados a viver numa nação medíocre.

      Em Portugal é suposto o poder ser tri-partido: Presidencial, Legislativo e Judicial; sendo o Povo Português o zelador de todo o Sistema; logo não percebo porque razão uns e outros metem o nariz onde não lhes diz respeito; é caso para dizer "limita-te a exercer somente as tuas competências!"

      José Sócrates deixou Portugal de rasto; esse homemzinho estava ciente da Dívida Soberana em 2009; mas a sua soberba impediu-o de fazer a coisa certa: explicar ao povo português e agir: doesse a quem doesse!

      Bem sei que dirá que, ele tentou com a porcaria dos PECs; pois bem não veio falar directamente aos portugueses: cabeça fria, coração pesaroso e modestamente, de olhos presos no ecrã do televisor, confessar " nós políticos lixámos tudo, deixámos o consumismo descambar, permitimos que os Bancos extorquissem os seus clientes e agora, estamos todos na falência: o Povo, os Bancos, o Governo e a Nação!"
      A verdade dói mas é a melhor arma; portanto para mim, o Sócrates não está perdoado nem esquecido!

      Mais par contre, eu preferiria que o Costa tivesse um "amargo de boca"!

      Ciao e boa semana de trabalho!

      Eliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço