Contra-Senso

Judite e a cabeça de Holofernes de Cristofano Allori

A Lúcia, uma amiga minha, telefonou-me no passado dia 25 de Abril, para expressar a sua indignação, porque a Marta, uma ex-colega nossa, lhe contara que há três anos atrás emprestara dinheiro à Teresinha, outra ex-colega, e até à data não havia tido feedback algum; e sem mais nem porquê terá dito “Oxalá, ela acabe na miséria!”. A Lúcia estava horrorizada e sugeriu que Deus a devesse castigar por proferir tal maldição. Eu, em defesa do Criador, terei dito que Deus talvez tivesse mais que fazer.

Como ela não se calava e, a mim pareceu-me que ela escolhera o auto-flagelo devido à estupidez alheia, decidi deixá-la em paz e eis que divagando revi as notícias da semana:
1- No XIX congresso do PS, o líder do Partido, o sr. José Seguro, numa passagem do discurso inaugural focou a injustiça salarial praticada contra as mulheres. Pois então, o PS esteve no poder até 2011 e a única coisa que fez pelas mulheres foi humilhá-las ao aprovar a lei das quotas - que é o mesmo que insinuar a incapacidade da mulher portuguesa de partir para a guerra e conquistar aquilo que quer - Sr.Seguro, não tem tamanho o seu descaramento!

2- No programa televisivo Prós e Contras (da semana passada), o sr. Renato Miguel do Carmo, como quem quer não quer a coisa, andou a brincar com palavras como desigualdade, má distribuição dos fundos e a falta de igualdade na justiça (nesta última até foi secundado pelo Dr. Manuel Pedro Magalhães, que é um acérrimo defensor do mérito). A dona Fátima Campos Ferreira não explorou a fundo a história da distribuição dos fundos, porque teria sido importante saber se o sr. do Carmo se referia à incompetência dos sucessivos ministros das finanças (quando atribuem verbas aos diferentes ministérios) ou se se estava a aproveitar do espaço televisivo para passar a lengalenga do costume “O rico que pague a crise!”, “A justiça é para quem tem dinheiro!” ou então o clássico “Existe desigualdade porque os ricos sugam os mais pobres”. Seja lá o que ele estivesse para lá a arengar, o homem é falacioso e caviloso, porque um professor de matemática do magistério primário não é igual a um professor de matemática do liceu, nem este ao professor de matemática universitário, embora tenham todos passados pela mesma universidade; a justiça nunca pode ser igual porque quem tem dinheiro contrata um advogado que tenha um outro tipo de suporte profissional; logo, os seus argumentos serão baseados em todos os artigos legais e mais algum; e quanto à distribuição ou redistribuição dos fundos, o mundo será mundo milhentas vezes e, só haverá igualdade neste terreno entre iguais porque para ter o dinheiro depende da disponibilidade temporal, mental, intelectual e sacrifical - i.e. até que ponto se está disposto a ir.

3- O sr. Pedro Melo, nesse mesmo programa, rematou dizendo “A História não é penhor do futuro, mas é penhor de que temos valor”; mas que valor terá uma Nação, um povo, uma família e um indivíduo se os valores básicos (Deus, pátria, família, virtude, fidelidade, honestidade, compostura, constância, indústria, benevolência e respeito) estão a desaparecer?

Estava eu ainda a reflectir em como as pessoas dizem coisas sem pensar, ou sem medir as sua palavras, quando levei uma cotovelada da Lúcia exigindo a minha atenção. Saí do meu santuário mental e disse-lhe:
“Não te arrelies, toma o teu chá! Sabemos todas que a Marta está sempre irritada com qualquer coisa, está-lhe no sangue e isso não é um pecado; é só uma chatice (pardon my french) para quem lhe dá ouvidos; ok?”
“Então, ela é doente; yes?”
“Não, Lúcia...” respondi secamente “Ela sofre de um distúrbio que atinge políticos, professores, jornalistas, homens de negócios, comentadores e até gente comum: um distúrbio chamado contra-senso.”

Comentários

  1. Olá Lenny,

    Não há igualdade (esta é mais uma falácia esquerdista); e quanto mais cedo as pessoas se aperceberem disto melhor.
    É um contrassenso quando as pessoas falam de coisas sem pensar e sem medir as consequências do emprego de certas palavras. Mas mais que um contrassenso é uma irresponsabilidade - principalmente, quando são professores a fazê-lo.

    Bem, a história das tuas amigas é um contrassenso total. Então, aquela que quer receber o seu dinheiro espera que a outra (a quem o emprestou) caia na miséria? Se ela nela cair como lhe poderá pagar? Não faz sentido nenhum...

    Mais uma vez, querida, um excelente artigo: obrigada :D!

    Beijocas e Shabbat Shalom!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Max!

      Às vezes dou comigo a pensar, nas crianças que passam pelas mãos destes "ensinadores". Sorte a minha, ter sido moldada pelas Salesianas.

      Quanto as minhas amigas: que fazer; não é?

      Beijocas e boa semana!!

      Eliminar
  2. Eu vi uma parte da convenção socialista: quando José Seguro falou das mulheres e como ele pretendia "cuidar delas"; o cameraman discordou por completo, porque quando ele se referiu a uma senhora lá o individuo nem se deu ao trabalhar de a focar (como se todo o Portugal a conhecesse ou tivesse a obrigação de a conhecer)! Fartei-me de rir!

    Ó pá, essas tuas amigas são um caos, ok? E mais não digo.
    Quanto ao prós e contras: yah, vi esse programa...o esquerdista defensor do estado social que confundiu obras públicas com estado social, enfim! Concordo com a Max: não há igualdade, people!! Metam isso na vossa cabecinha dependente!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hey, Ana!

      O sr. Seguro é adepto do "embromination", arte esta que levou o cameraman à estupefacção e este esqueceu-se do trabalho em mão.

      O esquerdista é outro que estava a tentar endrominar a audiência e o telespetador, so sad...
      Igualdade? Deixa-me rir, eu só quero rir!

      Bjcas

      Eliminar
  3. Essas amigas são giras e espelham bem a mentalidade do povo português.
    Quanto ao Sr Seguro, está tudo dito, pois as suas incongruências, não são só em relação às mulheres, mas em relação a toda a política. Deus nos livre de voltar-mos a ser governados pelo PS. Reparem só quantas vezes nos levaram à bancarrota. Foram só 3 ( três ) vezes.
    Isto é o mesmo que um árbitro que que vê ou não vê as faltas sempre para o mesmo lado, como aconteceu no último benfica - Sporting.
    Haja paciência.
    Quanto ao prós e contras não vi, por isso não comento.
    Vca

    ResponderEliminar
  4. olá, Anónimo!

    Obrigada pelo seu comentário.
    Quanto ao benfica-sporting, não vi, por isso não comentarei...

    Um abraço!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço