Epifania Política: Síria e Otras Cositas Más...



Um
O povo Sírio acordou desde a germinação da Primavera Árabe, em 2011. Libertar-se do jugo de Bashar Al-Assad custou-lhes milhares de vidas.
O governo Sírio faz-se de vítima, usando os mesmos argumentos que Kadafi usou quando os Líbios lutaram pela liberdade e democracia - os encenadores dos protestos e ataques são terroristas que visam desestabilizar a Síria afim de tomar o poder no país [claro, o Senhor Al-Assad acha que nós não sabemos que ele, juntamente com o seu irmão no Irão, facilita o terrorismo na região]; mas a verdade é que a Turquia está cheia de refugiados Sírios que não relatam nada de bom acerca da situação Síria; e o número de corpos de dissidentes Sírios não pára de aumentar.
O povo Sírio pede ajuda ao Ocidente perguntando "Mas do que é que o mundo está à espera?" Pensemos: se o Ocidente tivesse decidido tomar uma acção militar contra a Síria, para ajudar a salvar vidas civis, não iria a Liga Árabe acusá-lo de invasão e imperialismo? O próprio povo Sírio não iria, mais tarde, acusar o Ocidente de ter ocupado a sua terra?
A não ser que...

Dois
Sob a liderança do Presidente Obama, o Ocidente provou que pode ajudar a deitar abaixo regimes sem colocar soldados no terreno. Será desnecessário referir que esta estragégia mudou tudo, já que a sua implementação significou matar dois coelho de uma cajadada só: o Ocidente ajuda futuras democracias a livrarem-se de ditadores ao mesmo tempo que evita ser acusado de invasão (e, durante o mesmo processo, poupa imenso tempo e dinheiro).
Tendo pensado nisto, o povo Sírio sente-se mais à vontade para convidar o Ocidente a ajudá-lo na sua batalha, ficando assim mais descansado quanto à protecção da soberania do povo Sírio.
Mas pergunto: porque é que os Sírios não pedem ajuda aos seus irmãos na Liga Árabe? Porque é que tem de ser sempre o Ocidente a resolver todos os problemas do mundo?

Três
A Liga Árabe expressou o seu descontentamento para com o regime de Al-Assad; chegou mesmo a suspender a Síria (um dos membros fundadores da organização) em Novembro passado. Também foi autora da resolução, apresentada perante o Conselho de Segurança da ONU, em que apela a "uma transição política, liderada por Sírios, para um sistema político democrático e plural, no qual os cidadãos são iguais independentemente das suas afiliações ou etnias ou crenças, incluíndo o início de um diálogo político sério entre o Governo Sírio e todos os espectros da oposição Síria sob os auspícios da Liga dos Estados Árabes, de acordo com o calendário proposto pela Liga dos Estados Árabes". Claro, esta resolução foi vetada pela Rússia e pela China.
Mas será o suficiente? Será que as pessoas, na Síria, que estão a ser vítimas de carnificina querem saber destas palavras? Quando seres humanos estão a ser assassinados por quererem liberdade e democracia, quando vêem sangue inocente a ser derramado em nome da sede do poder; eles querem que os seus irmãos, neste caso a Liga Árabe, se cheguem ao Conselho de Segurança da ONU e urlem "Nós ajudaremos os nossos irmãos na Síria. Nós iremos lutar por eles e depôr o Bashar Al-Assad. Teremos o vosso apoio?" - se a Liga Árabe tivesse feito isto, a Rússia e a China tê-la-iam apoiado em nome do negócio (iriam até competir entre eles para ver quem faria mais dinheiro à custa da intervenção militar Árabica)...

A Turquia tem um exército forte, assim como os países da Liga Árabe; logo seria interessante vê-los (pela primeira vez) unirem-se e lutarem para libertar os seus irmãos Muçulmanos inocentes do jugo dos ditadores Muçulmanos criminosos: 3,2,1...

Comentários

  1. Vamos dizer que os povos estão bastante acostumados com as interferências dos EUA e quando este fica quieto, TODOS ficam incomodados. Na verdade, o presidente que mais pegou pesado foi o Bush e não foi coincidência que também em sua gestão, que os ânimos se reacenderam no oriente, mas daí, EUA sem dinheiro, não vai entrar em uma pleito desnecessário. Acho que pensam: Deixam se matar, mas se Iran interferir, interferiremos. Afinal, lá tem um louco que pode explodir o mundo.
    Boa semana!! Beijus,

    ResponderEliminar
  2. Olá Luma :D!

    "Vamos dizer que os povos estão bastante acostumados com as interferências dos EUA e quando este fica quieto, TODOS ficam incomodados."

    Bem visto...

    "Na verdade, o presidente que mais pegou pesado foi o Bush e não foi coincidência que também em sua gestão, que os ânimos se reacenderam no oriente, mas daí, EUA sem dinheiro, não vai entrar em uma pleito desnecessário."

    Talvez, talvez...

    "Acho que pensam: Deixam se matar, mas se Iran interferir, interferiremos. Afinal, lá tem um louco que pode explodir o mundo."

    Mas o Irão já interferiu há muito tempo, aliás esta resistência do Assad é sustentada pelo Irão porque se este perde a Síria como aliada (já que a oposição é Suni) a sua posição e influência fica comprometida.
    Não tenho a certeza do Irão ter esse poder todo, não...há qualquer coisa ali que não bate certo.

    Luma, obrigada pelo teu super comentário :D.
    Tem uma boa semana também tu.

    Beijos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço