Previsões para 2011


Se ao menos eu tivesse uma bola de cristal para ver o futuro...
Mas como não tenho, terei de confiar no que a minha visão capta, acrescentar uma pitada de optimismo e, pronto: sai uma previsão simpática.

As previsões são praticamente um desejo. Por isso, aqui fica a minha lista de desejos para 2011:
  • As pessoas terão uma compreensão mais ampla acerca da emigração e imigração [Os emigrantes têm de compreender que migrar para outro país significa fazê-lo legalmente; significa respeitar a história, a tradição e língua do país anfitrião; e aí continuar a ser legal. A imigração legal é mais que bem-vinda. A imigração ilegal é um sério problema (que deve ser resolvido eticamente); contudo não deveríamos permitir que os preconceituosos usassem esta questão para vomitar o seu veneno]. 
  • A economia Ocidental irá começar a crescer. Serão criados empregos (se bem que não a um ritmo desejado, por enquanto). A classe média irá começar a consumir e os bancos irão acordar e recomeçar a fazer o que verdadeiramente lhes compete (i.e. emprestar dinheiro contra uma garantia). 
  • O Fareed Zakaria deixará de assustar as pessoas e admitir a verdade: a China é um investidor e não o banqueiro de quem quer que seja.
  • A Europa irá amenizar a retórica ultranacionalista que ameaça re-emergir. Qualquer forma de perseguição a Judeus, Muçulmanos, Ciganos, gays e qualquer outra minoria, não será tolerada. 
  • Os Muçulmanos moderados começarão a combater os Islamistas e mostrarão sinais de poder vencer a batalha (já que o resto do mundo os apoiará). O mundo Árabe luta por democracia e dará início a reformas na sua sociedade (i.e. separação entre Estado e Igreja; educação para todos; direitos civis para as mulheres; render-se às liberdades e garantias e, liberalizar os mercados). 
  • África irá acordar de uma vez por todas. Está mais que na hora de montar o cavalo do desenvolvimento; mas para que isso aconteça é necessário que os governos despóticos sejam destronados. As administrações democráticas precisam de investir seriamente, na saúde, na educação e nas infraestruturas. 
  • As nações, em todo o mundo, aperceber-se-ão finalmente de que o mundo mudou e que se tornou urgente proceder a reformas (a todos os níveis). Estratégias antigas, velhas tácticas, e a velha maneira de pensar e fazer as coisas já não funciona e, não funcionará mais. 

Previsão final: 2011 é um ano de mudança. Por isso, sejamos corajosos e abracemo-la! 

Para mais previsões para 2011, teletransporta-te para o blogue do LS (Inglês).  

Comentários

  1. Ótimas previsões! Todas, é claro, com uma "leve" pitada de otimismo e esperança, mas não deixam de ser verdadeiros desejos para um tempo e um mundo melhor.

    As últimas, sobre o mundo Árabe e a África, para mim, são as mais urgentes.

    Creio que 2011 será o ano para correr atrás de todo o atraso econômico, cultural, político, entre outros que muitos países, grupos e povos ainda não conseguiram superar.

    Janeiro já está acabando. Que venham mais 11 meses de esperança!

    ResponderEliminar
  2. Oi Zahta :D!

    Obrigada: ainda bem que gostaste!
    LOL estamos cansados de pessimismo, não é?

    É, se África e o mundo Árabe mudarem e se desenvolverem como deve de ser, vai parecer que mundo é um lugar melhor - dá essa sensação, não?

    Concordo contigo: 2011 vai ser um ano para recuperar de todo o atraso.

    "Janeiro já está acabando. Que venham mais 11 meses de esperança!"

    Amén!

    Zahta, muito obrigada por este super comentário :D!

    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. Oi de novo!

    Vim aqui avisar que tem uma indicação para o Etnias no meu blog. Aproveito e peço para conferir o novo visual retro do Blog do Zahta.

    Até mais!

    ResponderEliminar
  4. Oi Zahta :D!

    Obrigada pela indicação e parabéns pelo novo look: adorei! :D

    Um abraço

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço