Estará a 1ª Emenda a matar Americanos?



Os inimigos da América estão dentro das suas fronteiras.

2009 tem sido um ano muito estranho para esta grande nação: ameaças ao seu Presidente (só por causa da sua compleição); ataques contra Judeus (sendo o caso mais famoso o tiroteiro do Museu do Holocausto, em Washington); planos terroristas para atacar vários edifícios públicos, em vários pontos do país; e, o caso mais recente, o tiroteiro no Forte Hood.

O que é que os autores destas ameaças, planos, ataques e tiroteiros têm em comum (antes de cometerem crimes)? São todos radicais (sejam ultra-nacionalistas ou fundamentalistas). Todos eles expressam as suas ideologias de ódio através do verbo e/ou da Internet. Todos eles estão protegidos pela 1ª emenda, e logo, medidas preventivas estão fora de questão. Entretanto, pessoas inocentes são mortas.

No passado fim-de-semana, assisti ao AC 360º, na CNN (que gravara uns dias antes); onde um cidadão Americano (convertido ao Islão), em plena New York, cuspia palavras de fogo e ódio contra Americanos, contra o Presidente; afirmando que quem não se convertesse ao Islão deveria morrer; e que Alá mandou todos o Muçulmanos aterrorizarem os infiéis (para que O temam). Este indivíduo (acompanhado pelo seu amigo Judeu-Israelita- recém-convertido-ao-Islão) recruta, diante de uma mesquita, e incita outros muçulmanos à violência contra Americanos, em solo Americano. Até que eles matem alguém, ou então ponham em marcha algum dos seus planos (para matar pessoas), a polícia nada pode fazer uma vez que o discurso destes seres está protegido. Eles podem não matar vivalma, mas outros, inspirados por eles, poderão. (N.B: estes radicais irresponsáveis não querem nem saber das repercussões que as sua acções possam provocar na vida dos muçulmanos moderados).

O major Nidal Malik Hasan (um cidadão Americano) costumava expressar ódio contra a América (até tinha um blogue para este propósito). O resultado disto foi ficar sob a observação das forças de segurança, já que a sua verborréia estava protegida. Na passada quinta-feira ele atirou sobre os seus camaradas, os seus irmãos de armas; causando a morte de 13 pessoas e 38 feridos.
O seu primo (em Ramallah) disse que ele era gozado por ser muçulmano (nota: pelo amor de Deus, o homem é psiquiatra...aonde é que fica a “sublimação”? E se vamos falar de humilhação e de troça nas forças armadas, então lembremo-nos do que aconteceu quando os primeiros soldados negros cumpriram serviço militar...e no entanto, nenhum deles atacou alguém); que ele queria sair mais cedo da tropa mas que não lhe fora permitido (nota: se as forças armadas pagam os estudos de, e dão formação a, alguém, esse indivíduo tem de pagar esse investimento – toda a gente sabe disto) e mais outras explicações baseadas na vitimização.
Não há coincidências. Este evento ocorreu após a Secretária de Estado Hillary Clinton ter congratulado Israel pelo rumo, sem precedentes, tomado em direcção à paz na região. A família do Major Hasan parece ser Palestiniana – agora pergunto, cada vez que a questão Israelo-Palestiniana se levanta, estes cidadãos Americanos (de descendência Palestiniana) sentem-se mais Palestinianos ou Americanos? Esta é que é a questão.

E depois temos o Sr. James W. Von Brunn, um membro da supremacia branca, autor de um site anti-semita onde vomita todo o seu ódio – a sua diarréia mental também estava protegida e sob observação.
Mas como ele nunca denunciou as suas intenções no seu site, a polícia não estava nada à espera do que estava para vir. No dia 10 de Junho de 2009, o Sr. Supremacia Branca entrou no Museu do Holocausto e, começou a atirar em todas as direcções na esperança de exterminar alguns Juden, só que a única pessoa que ele atingiu foi um goy (o Sr. Stephen Tyrone Johns, de 40 anos), uma valoroso segurança.
Este lixo racista relaciona-se com Patriots (ultra-nacionalistas Americanos) e Neo-Nazis. Era sobejamente conhecido pelas forças de segurança e, no entanto, não puderam fazer coisa alguma antes que a vida de um inocente fosse ceifada.

A Europa ama a sua liberdade de expressão (afinal teve a inquisição, o fascismo e o comunismo) não obstante a Convenção Europeia do Direitos Humanos prevê a imposição de limites sobre essa mesma liberdade “em caso de interesse da segurança nacional, integridade territorial e segurança pública, para a prevenção de desordem ou crime, para a protecção da saúde e moral, para a protecção da reputação e direitos alheios, para prevenir a revelação de informação recebida em confidência, ou a manutenção da autoridade e imparcialidade do poder judiciário.”...

Qual a tua opinião: será que a 1º Emenda está a matar Americanos?


Imagem: Auto da fé de Pedro Berruguete

Comentários

  1. Super interessante seu post.


    abraços


    Hugo

    ResponderEliminar
  2. Mas bah, Max.
    É o preço da liberdade...
    Costumo atestar que todo patrimônio gera despesas, a primeira emenda é um dos bens mais preciosos do povo Norte- Americano, o preço pago em vidas de inocentes tem sido alto, mesmo assiim, não acho que eles queriam abrir mão deste princípio.

    ResponderEliminar
  3. Oie querida amiga Max!
    É, tens razão, o ano de 2009 foi bem complicado, mas creio que toda ação gera uma reação e que tudo tem um preço, nos últimos anos os EUA tem sido como um alvo.
    Infelizmente os problemas do EUA de tantos outros paises do mundo são em sua maioria gerados dentro do próprio país, seja por uma política não tão boa, por pessoas sem caráter, por crises financeiras, desvio de dinheiro, preconceito, falta de educação, oportunidade, respeito e cultura.
    Muitas vezes o problema é interno e a solução também, mas aqueles que deveriam cuidar da sociedade e do país não se dão conta ou fazem de conta que não veem.
    Atualizei!!!!
    Beijos
    Até...

    ResponderEliminar
  4. Max, querida Max!

    Algumas pessoas chegam assim de mansinho na nossa vida para não mais sair dela, apesar da 'virtualidade', sinto-lhe tão amiga, tão querida, tão implicada com as pessoas e com as coisas. Obrigada por existir em minha vida, ainda que dessa forma.

    Lá se vem você mais uma vez desestabilizar, o que eu acho fantástico, algumas pessoas ao longo da sua formação, vão enveredando por caminhos que não mais saem deles, caminhos que lhes façam sentir profundamente esse existir. Porque nossa interligação é incontestável, o mundo está numa mesma teia, nada é alheio; porque para os outros, eu sou a outra... Então tudo nos diz respeito. Eu não tenho simpatia pela forma prepotente e arrogante dos últimos administradores estadunidenses (e torço muito pelo Obama, por toda a carga de representação que ele é, a vitória dele já diminuiu em muito o meu antagonismo pelos U.S.A.), tenho uma imensa rejeição pela política imperialista, pela invasão autoritária dos U.S.A. em outras nações, com o discurso de fomentadores da liberdade (embora não concorde com algumas atrocidades culturais, claro que eu sou um grão de mostarda, mas tenho minhas opiniões e meus posicionamentos, além da minha posição social, do meu compromisso profissional e sou uma formadora de opinião). Também sou da mesma forma contrária aos radicalismos com os quais boa parte da humanidade (?) conduz, ou manifesta sua insatisfação, quando UMA vida está em risco, e há sintomas disso, ações devem ser tomadas, prevenções ainda é a melhor ação.


    E olha, minha flor, estou bem sim, mergulhada numa atividade para lá de prazerosa, e tem-me tomado grande parte do tempo, daí a ausência, em parte. E tu como estás, já super recuperada do mal estar, desejo e espero?

    Escrevo um e-mail e conto mais detalhes dessa atividade.

    Outono é a estação do ano que mais gosto em Europa, adoro as árvores despidas, ou a se despirem, o monocromatismo marrom, com algumas nuances de vermelho, a luz, o clima, o cheiro (mmmm, igual a ti, risos), tudo no outono me encanta, até mesmo a melancolia que essa estação me traz. É sempre muito saboroso lhe receber no Canto, fica ainda mais bonito e elegante.

    Um beijão imenso e ficas bem.

    ;)

    ResponderEliminar
  5. MaX, ISSO É UM TEMA MUITO INTERESSANTE! BEIJOS E TUDO DE BOM,CHICA

    ResponderEliminar
  6. Oi Angel :D!

    "Infelizmente os problemas do EUA de tantos outros paises do mundo são em sua maioria gerados dentro do próprio país, seja por uma política não tão boa, por pessoas sem caráter, por crises financeiras, desvio de dinheiro, preconceito, falta de educação, oportunidade, respeito e cultura."

    É verdade...

    "Muitas vezes o problema é interno e a solução também, mas aqueles que deveriam cuidar da sociedade e do país não se dão conta ou fazem de conta que não veem."

    Bem dito.

    Querida, obrigada pelo teu comentário! :D

    Beijos

    ResponderEliminar
  7. Oi CB :D!

    "Algumas pessoas chegam assim de mansinho na nossa vida para não mais sair dela, apesar da 'virtualidade', sinto-lhe tão amiga, tão querida, tão implicada com as pessoas e com as coisas. Obrigada por existir em minha vida, ainda que dessa forma."

    Óooo que fôfa: obrigada, minha linda! Sabes bem que também já fazes parte da minha vida (como diria uma blogueira: um dia iremos desvirtualizar a nossa amizade) :D!

    "Eu não tenho simpatia pela forma prepotente e arrogante dos últimos administradores estadunidenses (e torço muito pelo Obama, por toda a carga de representação que ele é, a vitória dele já diminuiu em muito o meu antagonismo pelos U.S.A.), tenho uma imensa rejeição pela política imperialista, pela invasão autoritária dos U.S.A. em outras nações, com o discurso de fomentadores da liberdade (embora não concorde com algumas atrocidades culturais, claro que eu sou um grão de mostarda, mas tenho minhas opiniões e meus posicionamentos, além da minha posição social, do meu compromisso profissional e sou uma formadora de opinião). Também sou da mesma forma contrária aos radicalismos com os quais boa parte da humanidade (?) conduz, ou manifesta sua insatisfação, quando UMA vida está em risco, e há sintomas disso, ações devem ser tomadas, prevenções ainda é a melhor ação."

    Muito bem dito!! Amei este parágrafo (embora não partilhe da mesma visão em relação aos Estados Unidos)!

    "E olha, minha flor, estou bem sim, mergulhada numa atividade para lá de prazerosa, e tem-me tomado grande parte do tempo, daí a ausência, em parte. E tu como estás, já super recuperada do mal estar, desejo e espero?"

    Ah, que maravilha!!! Já estou recuperada sim senhora (graças a Deus)!! E Estou de volta lol...

    "Escrevo um e-mail e conto mais detalhes dessa atividade."

    Ficarei à espera.

    "Outono é a estação do ano que mais gosto em Europa, adoro as árvores despidas, ou a se despirem, o monocromatismo marrom, com algumas nuances de vermelho, a luz, o clima, o cheiro (mmmm, igual a ti, risos), tudo no outono me encanta, até mesmo a melancolia que essa estação me traz. É sempre muito saboroso lhe receber no Canto, fica ainda mais bonito e elegante."

    Sei exactamente do que falas...*suspiro*! Muito obrigada, é um prazer enorme visitar o Canto: que lugar fantástico e caloroso :D!

    Minha querida, obrigada pela amizade, gentileza e super comentário :D!

    Beijos

    ResponderEliminar
  8. Oi Chica :D!

    Muito obrigada, querida...

    Beijos

    ResponderEliminar
  9. Oi Diler :D!

    "É o preço da liberdade..."

    Será ético querer pagar esse preço (não só para com a sociedade mas como para nós mesmos)?

    "Costumo atestar que todo patrimônio gera despesas, a primeira emenda é um dos bens mais preciosos do povo Norte- Americano, o preço pago em vidas de inocentes tem sido alto, mesmo assiim, não acho que eles queriam abrir mão deste princípio."

    Alguns estão dispostos a rever a primeira emenda...não obliterá-la, mas revê-la...

    Diler, obrigada por partilhares o teu pensamento connosco :D!

    Um abraço

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço