A Génese do Mal


O que é o Mal?
O Mal é uma emanação que deriva da severidade e das trevas. Quando não controlada revela-se altamente destrutiva; quando controlada mostra-se extremamente construtiva. Contudo, controlar o mal é muito difícil e, por essa razão, só há Um Ser capaz de o dominar na sua totalidade (i.e. Um Ser que sabe quando e como usá-lo em total equilíbrio com Amor): o seu Criador.

Deus é o criador de todas as coisas e, como tal, Ele criou o mal (“Eu formo a luz, e crio as trevas; faço a paz, e crio o mal; eu, o Senhor, faço todas estas coisas” Isaías 45:7) – o próprio Criador disse-nos Ser Ele a génese do mal.

Agora, por que é que a Forma Suprema do Amor criou tal emanação?
Após muita reflexão acerca deste assunto, cheguei à conclusão que Ele criou esta exalação (não só para gerar Equilíbrio, mas principalmente) como uma forma de disciplina. Não obstante, quando as almas ocupam um corpo falham redondamente em compreender o propósito Divino para o mal.
Quando fomos criados, o Senhor expirou para as nossas narinas o sopro da vida. Este sopro da existência continha dois impulsos que fazem parte da Sua própria essência: o impulso do bem (Yetzer Tov) e o impulso do mal (Yetzer Ra).
Enquanto que Deus usa, em perfeito equilíbrio, o impulso do mal (i.e. Severidade e Trevas) para nos disciplinar, para (com Amor) nos mostrar as consequências de nos desviarmos do seu plano; os seres humanos quando fazem uso do mal não injectam amor nas suas acções (logo, geram um desequilíbrio destrutivo) e são capazes de cometer actos vis e hediondos que nos levam a colocar em questão a existência e, a dar inicío a uma busca obsessiva do bem (isto é: mais uma vez, criamos a necessidade de mais um desequilíbrio).

Cada vez que me lembro das palavras de Deus “e crio o mal” penso que talvez devessemos deixar esta emanação maléfica por conta Dele, uma vez que Ele é o único Ser verdadeiramente capaz de implementar o mal e ainda fazer com que daí nasça algo positivo. Por exemplo, quando transgredimos contra Deus (seja através de maus tratos contra outros seres humanos ou através da quebra das Suas regras mais básicas) e Ele nos dá uma severa lição (i.e. as vicissitudes da vida) nós conseguimos crescer, evoluir, virarmo-nos para dentro de nós mesmos e, entrar em contacto com a nossa espiritualidade e humanidade – isto é construtivo.
Enquanto que os seres humanos, quando em contacto com esta emanação, destróiem tudo à sua volta e dentro de si. Secretamente desejam que a sua alma se liberte da Alma (i.e. tentam abandonar o Amor), permitem que a vaidade os invada e, logo, materializam o mal formando, deste modo, uma nova criatura (somente conhecida por eles): o Demónio.

O Diabo (não o Satan, o Acusador – uma criação Divina desenhada para implementar a severidade de Deus) é, nada mais nada menos, do que a projecção do mal humano. Uma projecção que pode ter efeitos nefastos nos outros – especialmente naqueles que não estão protegidos contra ele (protecção no sentido de ter uma Luz interior [i.e. Amor Divino] e ser-se munido de artefactos que ajudem a formar um escudo contra o mal-terrestre).

Quantas formas de mal humano há?
Umas quantas. Temos o mal hediondo (capaz de actos vis: pedofilía, violação, homocídio violento); temos a inveja (que pode levar as pessoas a praticar coisas horrendas); ciúme obsessivo (que pode resultar em homicídio) e tortura.

Será que o Mal é um mal necessário?


Para uma perspectiva diferente, visita o blog do LS (Inglês): Aqui

Comentários

  1. Mas bah, guria.
    Acredito que o mal não existe, existe isso sim a ausência do bem, se nos afastamos do bem, do amor, a compaixão, abrimos espaço para o mal, assim como as trevas só aparecem na ausência da luz.

    ResponderEliminar
  2. Mal é quando brotamos ele em nosso inconciente e fazemos as coisas darem erradas...isso pra mim é o mal...vindo da pessoa...o genio delas...

    bjao

    ResponderEliminar
  3. O provérbio diz que “na multidão de conselhos há sabedoria” Deus é Deus, o mesmo Deus de todos. Porque vejo a Sua mão na beleza de uma planta, no brilho dos astros, porque não veria no “brilho” de Nietzsche, Cazuza ou Cecília Meireles? “Julgar todas as coisas e reter o que é bom” também é bíblico, assim como reter o mal. Tudo depende de quem vê, de quem sente! Bom retorno! Quase!! (rs*) Beijus

    ResponderEliminar
  4. OI Amiga
    E então... chega de férias!

    Estava lendo seu texto, por sinal muito bem escrito, como sempre, mas tenho uma idéia de Deus bem diferente, Deus amor, pai, criador...

    Não acho que o mal seja um mal necessário, acredito que poderíamos viver sem ele, como acredito que um dia ainda viveremos.

    Beijos amiga, e volta logo!

    :)

    ResponderEliminar
  5. Max, postei hoje o selinho que me deu um tempo atrás. Desculpe a demora!! Boa semana! Beijus

    ResponderEliminar
  6. Oi Diler :D!

    "Ausência do bem"...mas essa é uma das definições do Mal...por isso, concordo contigo :).

    "se nos afastamos do bem, do amor, a compaixão, abrimos espaço para o mal, assim como as trevas só aparecem na ausência da luz." - Lindo!

    Diler, muito obrigada por este super comentário: amei :D!

    Um abraço

    ResponderEliminar
  7. Oi Philip :D!

    É, as pessoas conseguem gerar o pior tipo de Mal...

    Querido, obrigada pelo teu comentário :D!

    Beijos

    ResponderEliminar
  8. Oi Luma :D!

    "O provérbio diz que “na multidão de conselhos há sabedoria” Deus é Deus, o mesmo Deus de todos." - Amén!

    Fantástico comentário o teu, linda: amei!!! E muito obrigada, é bom estar de volta :D!

    Beijos

    ResponderEliminar
  9. Oi Dri :D!

    LOL sim, chega de férias! Estou de volta, querida :D!

    Acho que só poderemos viver sem o mal quando aprendermos a usar o Mal dentro de nós com Amor enquanto seres humanos.

    Dri, amei o teu comentário: obrigada! :D

    Beijos

    ResponderEliminar
  10. OI Luma,

    Foi? Passarei pelo teu blog para ver :D

    Não tens de te desculpar...eu sei como é!

    Boa semana, linda!

    Beijos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço