Elo Entre o Apoio à Selecção Nacional e o Défice das Taxas de Natalidade



Meus caros leitores, hoje vamos falar da jornada da selecção portuguesa na Rússia e do défice de nascimentos na Europa..

Apoiar ou não Apoiar a Selecção? Eis a Questão...

Sabe-se que Portugal passou para os oitavos de final mas sem antes ter experimentado o processo de elaboração das famosas “passas do Algarve” nos dois últimos jogos (Marrocos e Irão).

  • Portugal-Marrocos (1- 0) - Ronaldo fez um golo de cabeça aos quatro minutos, foi um jogo terrível, os rapazes pareciam emperrados, tudo corria mal, enfim, um verdadeiro pesadelo.
  • Irão-Portugal (1-1) - Quaresma fez um golo na primeira parte, na segunda parte o jogo foi incaracterístico e no último terço do jogo os iranianos cresceram e empataram o jogo. 

Não sei se se recordam que o embaixador marroquino foi entrevistado antes do jogo e, mais ou menos, ele declarou que Portugal iria jogar com um país africano-árabe e muçulmano. Porquê esta última referência religiosa; para quem era a mensagem? Suspeito que o homem estivesse a pedir o apoio da Ummah (nação muçulmana). Estaria tudo muito bem, se esse povo estivesse somente confinado em nações muçulmanas; além do mais sabe-se também que os seguidores de Maomé são antes de tudo muçulmanos (anulação da razão) e depois para proveito próprio, transformam-se em  seres manobráveis.

Ora, a maioria dos cidadãos que adquiriram o passaporte luso não sabe e nem canta o hino nacional, por isso eles desconhecem o poder da comunhão do espiríto lusitano, a força que os versos transmitem a quem tem por missão elevar Portugal e, a sensação de fulgidamente rever os actos de bravura dos fundadores e preservadores da nação portuguesa – coisa que se apreende no seio familiar já que a escola há muito que se demitiu de assumir e transmitir a portugalidade, porque segundo me dizem as sociedades tornaram-se complexas, não existe mais a prevalência dos valores culturais, para que não se construa um futuro confrontativo com os diferentes que integram as sociedades modernas, mesmo que seja contra as maiorias.

Em Portugal existem mais ou menos 50 mil muçulmanos e muitos deles possuem a nacionalidade portuguesa. 

Então o quê que aconteceu nos dois jogos em que nos defrontámos com dois países muçulmanos? Ahah...os maometanos detentores do passaporte português conjuntamente com toda a irmandade de Maomé torceram pelos seus irmãos de fé. Não sei se os leitores estão familiarizados com a peleja entre AmaleK e os Israelitas (Êxodo 17- 11,12, 13) onde três homens na montanha conseguiram uma vitória importante para um povo.

E acontecia que quando Moisés levantava a mão, prevalecia Israel; mas quando ele abaixava a mão, prevalecia Amaleque. - Êxodo 17: 11

Mas hoje em dia, no ocidente, ninguém se lembra do mundo espiritual. A sociedade está pejada de tamanhas solicitações (aborto, lesbianismo, homossexualidade, transgéneros, bébes rapazes que querem ser meninas e bébes meninas que querem ser rapazes; eutanásia, etc) que pensar na intervenção divina de um modo tão directo é quase surreal. Mas o facto é que ela existe porque um bilião e tal de muçulmanos a clamarem por Allah quase que tiveram a sua chance com a equipa portuguesa, não fora a fé inabalável de Ronaldo, Quaresma, Pepe, Patrício, Raphael, João Mário, William, Adrien, Cédric e companhia limitada que se recusaram a baixar os braços perante a avalanche de bolas que atravessavam a pequena área de Portugal.

Défice de Nascimentos na Europa

Há quinze dias atrás referi que esta história dos migrantes iria sobrar para Portugal, meu dito e adivinhem: em Portugal está-se a preparar a recepção a 23 novos chegados vindos de Malta. Le mot du moment é que a Europa precisa destes migrantes devido ao défice na taxa de natalidade, e a esquerda quer convencer toda a gente de que se não os acolhermos daqui a pouco não há dinheiro para sustentar quem acaba de se reformar; não há cidadãos para trabalhar para encher os bolsos dos políticos, e em Portugal pelo menos o salário mínimo não atingirá os €1.000 porque vêm os africanos trabalhar para cá por uns quaisquer €600. Assim sendo, o trabalhador português terá que se contentar com o que ganha ou ser refugiado no, ou migrante para, os Estados Unidos da América.

Uma pessoa ainda poderia pensar que aconteceu um cataclismo que transformou a mulher europeia em estéril ou então que todos os homens são pastores do Reino de De*s que, por ordens superiores, foram vasectominados em Viseu. Ou ainda que todos se transformaram em seres assexuados. Na Europa não há criancinhas porque as pessoas antes de conseguirem a sua estabilidade financeira podem interromper a gravidez sempre que queiram e o desejem; depois existe a tal coisa chamada excesso de gays, lésbicas e transgéneros por erro da natureza ou por concepção.

Não sei se estão a contar com esses migrantes, maioritariamente muçulmanos (ainda não verifiquei, mas dizem-me que os cristãos que se aventuram a vir para o ocidente são mortos no deserto argelino), para popular a Europa copulando adequadamente com as gentes do ocidente sem recorrer ao estupro - que parece ser a tendência um pouco por toda a Europa.

Aviso: saibam as senhoras que quiserem copular com os muçulmanos que os seu rebentos serão muçulmanos - bom, boa sorte e que cada uma de vós, minhas caras, consigam parir 6 mulatinhos bem fofinhos (Ismael, Mohamed, Yussef, Jamilah, Zubaida e Maimuna) e daqui a trinta anos, Inshallah, estarão a contribuir para a caixinha da segurança social e para o Serviço Nacional de Saúde e para toda a sorte de impostos directos e indirectos. 

Até para a semana 

[As opiniões expressadas nesta publicação são somente aquelas do(s) autor(es) e não reflectem necessariamente o ponto de vista do Dissecting Society (Grupo ao qual o Etnias pertence). © 2009-2018 Autor/a(es/as) TODOS OS DIREITOS RESERVADOS]

Comentários

  1. Manaaa, o que é isso? Talvez os muçulmanos daí até apoiem mesmo portugal, os da ilha de moçambique apoiam a selecção portuguesa! Não seja injusta, awansati!
    Não sei porque os portugueses não fazem filhos, é o quê? Ficaram inférteis de repente? Se calhar tomam aquilo...como se chama...a pílula em demasiado? Mas também pergunto em quê que trazer africanos vai mudar isso, os tugas estão dispostos a serem populados por pretos agora? Yah, tou chocado, a sério!! Jô, mundo tá mesmo a mudar!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Carlitos!
      Mas os da Ilha de Moçambique fizeram-se amigos de Luís de Camões quando o poeta por lá passou uma temporada.
      Não fazem filhos por várias razões: aborto, camisa de vénus, pílula e outros anti-concepcionais da modernidade. Um músico português, o Vitorino diz que Portugal é o país mais mulato da Europa, esse não é o problema, os meus filhos são mulatos e o pai deles foi escolhido por mim, não me foi imposto como está a parecer ser o caso. A diversidade é boa e recomenda-se mas uma segunda versão da torre de Babel: jamais!!!

      Aquele abraço, resistente de Moza

      P.S. Olha se quiseres podes vir para cá, fazes também os teus mulatinhos. Não faças escala na Algéria, porque sendo cristão, quando o avião estiver a 1.000 pés corres o risco de ser jogado janela fora ;)

      Eliminar
  2. Ter passaporte de um país e não saber o hino é o mesmo que nada! Isto tem que ser como na América em que os candidatos têm de saber a história do país e o hino nacional, provando esse conhecimento através de um exame e de uma entrevista! Mas pronto, portugal é um país de relaxados e foi por isso que saí de vez!!
    Por acaso até estou a apoiar a selecção nacional porque Israel não se qualificou, coitados não têm jeito nenhum para a coisa...parecem americanos a jogar à bola lol.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Carla!
      Por ter nascido em Moçambique, estou habituada a todo o tipo de gente; e muita dessa gente ( ex-colónias e emigrantes da nova era) é portadora do passaporte português porque dá um jeitão. A grande maioria reside em Portugal, mas bem lá no fundo são e sentem-se aquilo que sempre foram..., não se interessam em aprender o hino nacional, não votam, porém beneficiam de todo o tipo de subsídios e outras coisitas mais; estás a ver o esquema?
      Ó riquezas, muito obrigada pelo apoio: Portugal campeão do mundo!!!!!

      Beijocas

      Eliminar
  3. A selecção foi eliminada. Temos de ver se isto não foi consequência de certas decisões políticas tomadas por Portugal, que me parece estar a colocar as mangas de fora no caminho errado. Tens toda a razão em relação aos cidadãos que portam o passaporte português sem terem qualquer sentimento patriótico pelo país. Eu sempre fiz as minhas críticas a Portugal mas jamais faria o que quer que fosse para o prejudicar e canto o hino com orgulho. Mas esses cidadãos portuguese por conveniência deveriam ser todos investigados porque se não cantam o hino e militam contra o país: porque é que compram nacionalidades?
    Shavua Tov.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, CCG!
      A crítica dum cidadão ao seu país é saudável porque dá a chance aos políticos de reverterem o que possa estar errado: é tudo.
      Se eu vejo alguém ser abjecto contra Portugal, eu torno-me implacável contra essa pessoa, I go full force on them; capisce?

      Beijocas

      Eliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço