Escândalos Sexuais e Má Governação: Quem Paga? O Povo.


O assédio sexual e/ou a violação são actos hediondos, principalmente quando praticados por pessoas que supostamente se conhece ou confia; a má governação é também um acto de negligência grosseira contra quem o colocou no poder. Se as alegadas acusações contra realizadores, produtores e actores em Hollywood se confirmarem então estaremos perante um crime persistente e continuado de estupro; logo, a má governação como acto de negligência grosseira deveria ser julgado como um crime de alta traição contra o povo.  

Tenho a sensação de que o mundo está a viver uma nova fase: os escândalos sexuais em catadupa; o desnorte da Coreia do Norte e a acéfala Grace Mugabe que foi finalmente posta no seu lugar. Se se pensar na génese da raiz do mal que assola o mundo, tudo isto me faz pensar que anda pelo ar uma manobra subversiva cuja extensão está para além do juízo do comum dos mortais; mas que se pretende alcançar com esta narrativa aparentemente cimentada num nada tão ultrajante?

Há dois anos que o governo Socialista apoiado pela esquerda radical surripiou ao país o poder, mas qual foi o meu espanto quando, na discussão do Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2018, o ministro da segurança social Vieira da Silva invocou supostas políticas da governação do PSD/CDS numa total desconsideração pelo povo português visto que o PS afinal está a governar não com a mente no povo, mas sim com a intenção de acobertar os seus falhanços culpando quem o precedeu. 

Este tipo de comportamento parece ser apanágio da esquerda: primeiro foi a treta dos 600 milhões de cortes nas pensões e depois a historieta do Panteão Nacional onde mais uma vez se culpou o governo de Passos Coelho; que impropriedade vem a ser esta?

Geralmente dá-se um período de seis meses para se criticar e afundar as capacidades do anterior governo; enquanto se lêem os dossiers do antecessor e se prepara a estratégia das metas a atingir. Quando um governo é constituído por gente ferida de intelectualidade medíocre, é razoável que o período de adaptação se estenda por mais seis meses; mas caramba, dois anos e, os socialistas ainda não sabem como trilhar o seu caminho? Gostaria de perguntar onde mora a responsabilidade pessoal de cada membro do governo do Partido Socialista; mas obviamente ficarei a saber que é mais uma relatividade, porque todos os membros desde governo são mestrados na arte do corporativismo e exímios na arte da burla política.

O ministro Vieira da Silva é tal e qual as mulheres do affair Weinstein que se deixaram assediar e violar enquanto lhes foi conveniente em abono da sua carreira; permitindo que o obeso violador fizesse mal a mais de noventa mulheres que também feitas parvas não tiveram sangue frio suficiente para o mutilarem enquanto as coagia a fazerem coisas que só se obtêm de escravas sexuais, de mulheres em desespero de causa ou de mercadoras de sexo. 

Pois o Vieira da Silva enquanto esteve no governo do José Sócrates (no qual se conduziram práticas políticas surreais) não abriu a boca para alertar os portugueses das trafulhices do primeiro ministro nem sequer os advertiu acerca do preço da factura que estariam prestes a pagar, e agora vem pronunciar incongruências: ele que tenha vergonha na cara, até porque a deslealdade para com um povo tem limites. 

Até para a semana

P.S: Se eu fosse o produtor Weinstein faria queixa crime contra a Hope Exiner d'Amore (anos 70), Lysette Anthony (1987), Roseanna Arquette (1990) e Asia Argento (1997 e conhecia-lhe a reputação) porque não se empenharam de todas as maneiras possíveis e imaginárias (polícia, jornais, rádio, amigos, familiares e espalhadores de rumores) para deter o violador. 

[As opiniões expressadas nesta publicação são somente aquelas do(s) autor(es) e não reflectem necessariamente o ponto de vista do Dissecting Society (Grupo ao qual o Etnias pertence)]

Comentários

  1. Olá Lenny,

    Não sei se o Weinstein deveria processar essas mulheres, porque afinal ele é o criminoso, mas sem dúvida tem de haver um mecanismo que obrigue as pessoas a terem mais responsabilidade colectiva: então, elas são assediadas e agredidas sexualmente e calam-se, por alma de quem? Dão a entender que só pensam em si e não nas pessoas que vêm a seguir, nas próximas vítimas. Olha, é um debate complexo mas que tem de ser tido.

    Quanto ao Governo de António Costa: as suas tácticas de deflecção são tristes e imaturas. Quando assim é, a queda avizinha-se.

    Bom trabalho, como sempre.

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Max!
      Sim ele é um criminoso da pior espécie; mas se essas mulheres tivessem feito tudo por tudo, esse facínora não teria chegado às cem mulheres impunemente; ok?

      Quanto ao governo de Costa, espero sinceramente que complete a vigência do mandato usurpado; não precisamos de perturbação política neste momento.

      Beijocas

      Eliminar
  2. Não acredito nessas acusações de décadas atrás porque onde estão as provas? O gajo até pode ser um ganda porco mas como vão provar, hein? Por causa dessas tipas o porco até é capaz de escapar à justiça. Não sei, digo eu!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Anónimo!
      Ó caro anónimo em casos de violação ou harcèlement pressè a ausência de prova não constitui fabricação de acusação; quando alguém é submetida a uma situação tão extrema deve ir de imediato ao hospital e este alertará a polícia, caso contrário perdem-se os vestígios forenses; mas não significa que não tenha ocorrido o acto.
      Sim, o criminoso é capaz de escapar porque elas puseram a sua carreira acima da ofensa corporal e, a sua táctica resultou em assédio sexual continuado e violação em série. Para mim estas mulheres comportaram-se como as crianças que são vítimas de pedofilia que arranjam outras vítimas para o prevaricador, para se safarem.

      Cumprimentos

      Eliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço