Carta Aberta ao PSD: E o Destruidor do Partido é...


Algures, 3 de Outubro de 2017 

Caros líder, dirigentes, JSD, militantes, activistas e simpatizantes do PSD,

Primeiro que tudo, peço-vos que me perdoem o atrevimento de interromper a vossa reflexão sobre o futuro político das regiões Portucalenses. Envio-vos esta missiva para informá-los de que 43 anos após a sua fundação, o Partido Social Democrata/Partido Popular Democrata (PSD/PPD) no último dia 1 de Outubro sofreu uma hecatombe nas eleições autárquicas e não tão inesperadamente seguiu-se um chorrilho de comentários reproduzidos pelos suspeitos do costume, dentre os tais destaco: Luís Marques Mendes (LMM), Manuela Ferreira Leite (MFL) e José Miguel Júdice (JMJ).

Todos sabeis que o Partido foi constituído por gente duma determinada estirpe, que se atreveu a idealizá-lo como um espaço livre e abrangente, no qual o patriciado, a burguesia e a plebe poderiam conjuntamente rever-se na conquista de “paz, pão, povo e liberdade”. Contudo, foi um ideário subjugado pelos variados egos. Por exemplo, o fundador e líder perpétuo do PSD (Francisco Sá Carneiro) teve a sua fase temperamental, qual menino caprichoso que quando perante uma frustração, abandonou o confronto e o  combate, e fez uso de tácticas corrosivas: demitia-se e readmitia-se a seu bel-prazer, sujeitando os seus pares, e seguidores, à incerteza da guilhotina de mais uma eventual demissão.

Não pretendo aqui fazer apreciação de juízos mas tão somente lamentar que o síndrome do melindrado crónico prevaleça até hoje nas fileiras do PSD, transformando-o numa 
agremiação de gente birrenta, empertigada, estática e divisiva. Vou sustentar o que acabo de afirmar:

Manuela Ferreira Leite e Luís Marques Mendes 

Estes dois exigem a cabeça de Passos Coelho numa gamela de embondeiro. 

Ironicamente Manuela Ferreira Leite, por mim designada de bullshiteira, contribuiu imenso para o enfraquecimento do PSD/PPD; pois ficou verde de inveja quando Durão Barroso escolheu Pedro Santana Lopes para o suceder como primeiro ministro, aquando da sua partida para Bruxelas como Comissário europeu. O Luís Marques Mendes armado em cavaleiro branco provocou, em 2005, a queda de Carmona Rodrigues da presidência da Câmara de Lisboa e, desde então, o PSD tem visto a Câmara da capital por um canudo. O mesmo LMM foi horroroso com Isaltino de Morais que embora culpado de ocultação de fundos no estrangeiro, como militante do PSD, merecia outro tipo de solidariedade. Também afastou o Major Valentim Loureiro do PSD, em vez de esperar que o próprio se escusasse. Obviamente o dito “inocente até prova em contrário” é um princípio desconhecido pelo advogado Luís Marques Mendes. 

José Miguel Júdice 

Este senhor denegriu amargamente o PSD: acusou-o de andar à deriva; destituído de estratégia; sem base sociológica e política; sem ideologia definida; sendo o principal responsável, na sua óptica, por tal descaracterização o professor Aníbal Cavaco Silva (ex-líder do PSD, vencedor de duas eleições legislativas, logo ex-primeiro ministro, dois mandatos como presidente da república, professor, autor e cidadão português); e para espanto de alguns, JMJ acrescentou que o Partido era controlado pela maçonaria...(não sei que brouhaha esperava ele com tal revelação tendo em conta que a formação do PSD/PPD foi cogitado também em “a Toca” enfim)...JMJ também abandonou o PSD - certamente porque não lhe deram o que queria - e em vez de lutar pela causa do Partido: deu de frosques e foi servir os socialistas.

Marcelo Rebelo De Sousa 

Enquanto comentador de televisão, este cavalheiro arrasou com o PSD e ajudou o presidente socialista (Jorge Sampaio) a derrubar um governo com maioria  parlamentar PSD/CDS liderado por Santana Lopes, para dar lugar ao governo socialista liderado por José Sócrates...

O que há de comum entre estas quatro pessoas? São comentadores políticos nas televisões...

Meus caros, porquê que perdemos Câmaras Municipais? Porque a direita não foi votar.

Passos Coelho vai-se embora no fim do mandato; as hostes sociais democratas estão a alinhar-se para escolher um candidato; fala-se de:

  • Rui Rio, dizem-me que pertence à ala esquerda do PSD, logo este candidato não serve porque o partido deve de uma vez por todas seguir a filosofia e o ideal neo-liberal ou neo-conservador se preferirem.
  • Paulo Rangel é outro que está na calha, tenho dúvidas acerca deste candidato porque nas últimas eleições europeias não o senti firme e empenhado em mandar murros valentes no estômago dos adversários.
  • O ex-líder da bancada social democrata Montenegro não deve candidatar-se exactamente pela mesma razão que o levou a demitir-se da liderança do PSD no Parlamento.
  • O Santana Lopes não deve nem tentar porque deixou-se queimar e não deu luta nem ao então presidente Sampaio, nem o seu maior detractor Marcelo Rebelo de Sousa, nem aos seus críticos dentro do partido: devia ter dado um murro na mesa e partido a loiça.
  • O tal André Ventura que se candidatou por Loures às autárquicas, muito inconsistente, deveria ter continuado a bater na tecla sem medo, porque disse em voz alta (a verdade) o que os portugueses caucasianos e negros dizem à boca pequena acerca da etnia cigana.

Então quem será? Não sei, porque não sou militante nem activista, sou simplesmente votante leal do PSD. Mas...

Eis O Que Sei
  • O Partido deve convocar os desavindos para promover a reconciliação. Uns serão ainda bons candidatos e outros serão conselheiros: António Capucho, Isaltino de Morais, Major Valentim Loureiro, Vasco Pulido Valente etc...
  • O partido deve declarar-se de direita de uma vez por todas.
  • O partido deve abandonar essa treta de estado social. A única coisa que o estado deve assegurar é a macro-economia, as obras públicas, as infra-estruturas, a saúde, educação e segurança social para todos, distribuição da água, reformar de uma vez por todas a função pública (cortar 30%) pois consomem os impostos que serviriam para coisas mais prementes, regular sem estrangular o tecido empresarial, fiscalizar os preços em todos os sectores do mercado; cortar nos subsídios tanto para indivíduos como para o sector privado e, por último incentivar o povo a trabalhar e a criar riqueza para si e consequentemente para o país.
  • Os militantes devem fiscalizar o partido em todos os momentos; devem participar activamente na escolha dos dirigentes, devem votar sempre e levar outros a ir votar; a juventude deve activamente lutar pelo partido, a tecnologia é boa, mas o povo gosta também dos comícios porque querem ver, falar e tocar nas pessoas em quem vão votar. Quem não gosta de ser tocado ou encostado que não se candidate, faça trabalho de bastidores que é também vital.
  • A JSD deve ser criativa e inovadora (promovendo secções de esclarecimento, non-stop) para que possa angariar mais gente nas suas fileiras e oiçam: tudo começa no 9º ano do liceu; ou pretendem entregar este país à Internacional socialista e aos partidos da geringonça?

Eu nem quero acreditar que ainda seja possível haver tanto jovem ignorante filiado na esquerda. Como é possível em pleno século XXI haver jovens que ainda acreditem no marxismo-leninismo - o que move tais energúmenos - se é bem sabido que o socialismo matou mais de 100 milhões de pessoas à fome só na Rússia?     

Cordialmente, saudações laranja!           

Até para a semana

[As opiniões expressadas nesta publicação são somente aquelas do(s) autor(es) e não reflectem necessariamente o ponto de vista do Dissecting Society (Grupo ao qual o Etnias pertence)]

Comentários

  1. Lenny, bom trabalho. Olhando para portugal também não faço a mínima ideia de quem poderia ser líder do partido; mas sei que com os suspeitos do costume o PSD não irá longe. Pedro Santana Lopes? Please. Rui Rio? Contraproducente.

    O DS tem um perfil de quem deveria ser o próximo líder, mas perguntamo-nos se tal pessoa existe e, mais importante, se os militantes da velha guarda aceitá-lo-iam. O PSD tem de decidir de uma vez por todas o que é que quer ser, de outro modo irá cair no esquecimento lentamente...eu, há já muito que deixei de votar no partido de Sá Carneiro.

    ResponderEliminar
  2. Ya os miúdos de direita não são muito activos! Se eu estivesse aí neste contexto histórico, e sabendo que eu sei dos movimentos marxistas agora, eu iria dinamizar a juventude para votar à direita, pá! Olha, o neo-liberalismo é o único sistema que nos dá liberdade e poder de compra se aplicado como deve de ser, né mana? Pá, a malta tem de agilizar senão vamos ter muitas áfricas, muitas coreias do norte, muitas cubas e venezuelas por este mundo fora.

    ResponderEliminar
  3. Olá Lenny,

    Pá, eu só estou de camarote a observar. Concordo que nenhum dos candidatos à liderança do partido serve; quer dizer, é só isso que Portugal tem para oferecer? O PSD não tem imaginação?

    Rui Rio, pelo que li, está a cometer o erro da sua vida ao concentrar-se nos jovens e na tecnologia: ele pensa que está nos States ou no UK (onde a população jovem é grande)? Só por aí já se vê que está desfazado da realidade.

    Bom trabalho, Lenny. Muito bom, mesmo!

    Beijocas

    ResponderEliminar
  4. Estamos numa encruzilhada histórica: o PSD vai para a direita ou para a esquerda? Se for para a esquerda morrerá, se virar à direita terá mais chances de sobrevivência e vitória. Concorda, lenny?

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço