Manifestações Anti-Trump: Racismo ou Karma? Ambos.



Quando o Barack Obama foi empossado, em 2009, a Direita americana exerceu muita pressão sobre ele, bloquearam muitos dos seus projectos, usaram linguagem abusiva e tudo o que ele fizesse era logo alvo de uma onda de crítica tal que me levou a pensar que tudo aquilo raiava a racismo. Mas o que a Esquerda está a fazer ao Presidente Donald Trump é pior do que tudo o que já alguma vez vimos – e dado o perfil das pessoas que estão a ser usadas para insultar este líder político, dever-se-ia também pensar que as suas acções e palavras raiam a racismo?

“Se um homem destrói o olho de outro homem, eles destruirão o seu olho” - Hammurabi

A título da honestidade, há que admitir que a Direita exagerou em relação ao Presidente Obama, desde o primeiro dia. O Tea Party travou uma guerra implacável contra ele, principalmente durante o primeiro mandato (antes de se aperceberem de que a estratégia não estava a funcionar), chegando mesmo ao cúmulo de acusar o presidente de ser Muçulmano (só porque o seu nome do meio é “Hussein”) - ainda que não haja qualquer prova disso. O próprio Donald Trump liderou o Movimento Birther (que teimosamente desejava comprovar que Barack Obama não é Americano de nascença); movimento esse que só serviu para demonstrar quão ridícula a Direita por vezes se propõe a ser.

Desde Novembro de 2016, temos vindo a assistir a uma triste demonstração de mau-perder, de total desrespeito pela Presidência, uma absoluta falta de patriotismo e uma escandalosa falta de honestidade. Desde que a Hillary Clinton perdeu as eleições (e verdade seja dita, para começar, ela nem deveria ter sido a candidata democrata) ela só tem incitado os seus apoiantes contra o Presidente Trump – o que é que aconteceu ao respeitar o espírito de “Se eu ganhar, eu serei a Presidente de todos os Americanos”? Donald Trump ganhou as eleições, não deveria a Sra Clinton (e os seus apoiantes) respeitar o Presidente de TODOS os Americanos?

“A suprema arte da guerra é ganhar sem lutar” - Sun Tzu

Apesar de tudo, se Donald Trump jogar as suas cartas bem, a história irá gravar o seu nome como um dos melhores presidentes da história dos Estados Unidos. Porém, para que isso aconteça, ele precisará de reorganizar a sua equipa. O Presidente precisa de bons conselhos e, na minha humilde opinião, ele não está a ser bem aconselhado.

Onde não há conselho, os projectos saem vãos, mas com a multidão de conselheiros, se confirmarão – Provérbios 15:22 

Ao olhar para a Casa Branca, de longe, é fácil identificar o problema; contudo, será difícil resolvê-lo quando afectos estão no meio da coisa. Difícil mas não impossível. O Presidente Trump é um homem de negócios, logo ele conhece bem a palavra 'negociação'. Se se lhe apresentarem argumentos sobejamente sólidos, é seguro que ele oiça já que deseja ser tão bem sucedido quanto aqueles que nele depositaram a sua confiança.

O Presidente Trump precisa de assistência não só para implementar o seu plano político mas também para fazer lembrar a ambas as Câmaras que estamos a viver num período crucial para a América: agora não é o momento para lutas internas, para puxar galões (já que o Presidente é um outsider) e certamente não é o momento para ser traidor à pátria. É chegada a hora para: Make America Great Again #MAGA.

O homem se alegra na resposta apta, e a palavra a seu tempo quão boa é! - Provérbios 15:23

A rapaziada da dita ANTIFA não passa de um bando de desocupados pagos para criar confusão. Este grupo inclui membros do Black Lives Matter, mulherzinhas como a Linda Sarsour (uma árabe), membros da organização CAIR (i.e. O braço do Hamas nos EUA) e milenares indolentes...este tipo de gente protesta contra o POTUS e destrói propriedade pública – que, a propósito, é crime – quando o presidente não fez nada de tão ultrajante que justifique esta onda de indignação; por isso, será que raia a racismo também? Sim, claro (dentro do contexto do mais recente movimento anti-Brancos).

Para além do mais, o que é que a Primeira Dama fez contra a Liberdade? Chegámos ao ponto de Melania Trump nem se poder virar para a esquerda sem receber flechas de críticas. Tenham a santa paciência, até os sapatos que a senhora usa no relvado da Casa Branca estão sujeitos a protestos – mas não se cansam de tanta insídia? Nem sequer o filho de 10 anos escapa. Pá, pelo menos o Tea Party fazia o seu melhor para manter as filhas do Presidente Obama fora dos ataques; mas suponho que a Esquerda não conheça o significado de limites e esteja moralmente falida.

Logo, qual é o plano agora? O Plano é lutar. Se a Esquerda quer guerra, então tê-la-á. O desenvolvimento humano vem antes da ideologia e a ideologia esquerdista é nefasta – já não tem mais lugar na nossa sociedade porque abriu portas à absoluta corrupção corrosiva, à uniformização de comportamentos e à decadência da sociedade. Basta.

Há que permitir que o Presidente Trump governe em paz. Se ele errar, façam-no saber nas próximas eleições - no dia 3 de Novembro de 2020. Até lá: deixem-no trabalhar!


(Imagem: Vandalismo da Esquerda Radical - Google Images)

[As opiniões expressadas nesta publicação são somente aquelas do(s) autor(es) e não reflectem necessariamente o ponto de vista do Dissecting Society (Grupo ao qual o Etnias pertence)]

Comentários

  1. Olá, Max!
    Bem sabes que não sou grande fã do presidente americano, mas o homem ganhou as eleições, portanto deixem-no governar, ponto final.
    Esse bando de desordeiros estão também a aproveitar-se e bem dos salafrários islamistas que estão dispostos a esbanjar dinheiro desde os oportunistas desocupados, os esquerdistas até aos mais vis da extrema esquerda (os nazis) para ver cumprido o seu objectivo: ver a civilização ocidental pegar fogo.

    Bom trabalho

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço