Os Paradoxos dos Revolucionários e dos Reaccionários


Diz o Manifesto Comunista (fruto de devaneios de Karl Marx secundadas pelas frustrações de Engels) que os adeptos da usurpação dos meios de produção pelo Estado são revolucionários com apoio dos proletários, e os possuidores dos meios de produção pela acção do seu trabalho são reaccionários/burguesia.

Os revolucionários são um grupo que preconiza a existência de uma só classe cujo viver gravita obrigatoriamente em redor da entidade Estado. Este último, impõe aos seus cidadãos a universalidade do sentimento de igualdade cuja interiorização é, por sua vez, vigiada pela ditadura do proletariado: esquerdistas controlados pela Internacional Socialista (IS).

Os reaccionários são uma classe que admite a existência de outras classes e embora reconheça a figura do Estado a sua coexistência organizativa é toda ela configurada na estrutura familiar: Direita conservadora e liberal.

Diferenças

A IS, como pretendente à cúpula directiva duma uniformização governativa do planeta, certamente ter-se-á apercebido de que o Estado como único detentor dos meios de produção nunca poderá de um modo sustentável prover igual e globalmente para todos os cidadãos, então tal qual o Führer (primeiro implementador do Socialismo Nacionalista) os esquerdistas resolveram não antagonizar o capitalismo no seu todo e, aí estão eles a extorquir as poupanças na forma de imposto à classe média alta, para financiarem mais o seu modo de vida do que o seu quimérico estado social.

A Direita na acepção de conceito político baseia a sua filosofia em Deus, família e pátria. O colectivo beneficia do esforço, dedicação, criatividade individuais e da inteligência emocional do Estado para que (através da receita fiscal justa) saiba gerir as múltiplas sensibilidades dos cidadãos, e também através dos municípios se incentive os mais abastados a contribuir para os mais desfavorecidos da sua comunidade.

Capital

Sabe-se que o Socialismo falhou redondamente na USSR, China, Albânia, Cuba e Venezuela. Sabe-se que o sistema socialista é um sorvedouro de fundos, logo, não é exequível; por isso, qual é a finalidade da obstinação da IS? Será porque medra muitíssimo bem dentro do sistema capitalista? No capitalismo, a esquerda pratica descaradamente a corrupção corrosiva e o compadrio na forma de promessas a longo prazo a membros da sua família, afilhados, amigos, filhos dos contínuos e serventes. A coisa é de tal modo que me confidenciaram que as universidades pululam de jovens que se dizem esquerdistas porque lhes foi assegurado que quer desistam ou obtenham a licenciatura terão um futuro brilhante no funcionalismo público, sem as preocupações da busca do primeiro emprego.

Desmistificação da Agenda da IS

Estado Social, combate à pobreza e luta pela igualdade
  • O Estado Social, a existir, será a partir da pilhagem nos impostos e da poupança da classe média remediada e alta. A esquerda bem que pode gritar que “os ricos que paguem a crise” só que é tudo propaganda falsa porque embora a palavra de ordem da esquerda seja criticar o sistema capitalista, a verdade é que união da esquerda mundial (IS) está em conluio com os seus amigalhaços detentores do grande capital para fazerem negócios que beneficiem ambas as partes: a bourgeoisie inescrupulosa enche ainda mais a sua bolsa, e a malta de esquerda arranja fundos para implementar a sua agenda obscura.
  • Combate à pobreza é uma lenga-lenga para boi dormir: primeiro, porque os pobres existirão para todo o sempre; e segundo, porque se quisessem mesmo mitigar a pobreza bastava implementar políticas que ajudassem os mais capazes a ter acesso ao capital para trabalhar e contribuir para o PIB.
  • Luta pela igualdade: acreditarei na igualdade no dia em que os dedos da minha mão forem todos iguais ou as bochechas do meu rabo tiverem exactamente a mesma forma. A luta deverá ser pela igualdade de oportunidades, ou seja, a competição entre iguais e nas mesmas condições.
Então, mais uma vez pergunto que pretende a Internacional Socialista?

O patrocínio da ruptura da ordem pública pela rapaziada dita de esquerda já começa a cansar, por exemplo: o presidente D.Trump ganhou as eleições, portanto tem o direito de governar o seu país dentro da lei e ordem e, daqui a três anos se os cidadãos americanos lhe quiserem dar um ponta pé no rabo: é a roda da democracia a girar.

Não queremos mais ver esta propaganda repetida nas televisões europeias todos os dias como se a Europa votasse nas eleições dos Estados Unidos da América (EUA). No domingo, aconteceu algo estúpido no Estado da Virgínia nos EUA, porque a esquerda patrocinada pela IS e seus acólitos não sabe quando parar; não acho que se deva mexer no status quo americano, nem começar deste lado a repetir slogans furados; lembro que as minorias na Europa (pensem na polícia de Alfragide no concelho d'Amadora-Portugal) são muito mais discriminadas que os negros, latinos, asiáticos e acastanhados nos EUA.

A direita tem também o direito à liberdade de expressão, mas se a IS quer instigar situações in extremis, pode inadvertidamente levantar o monstro adormecido da pior facção da extrema direita e dar-se o reverso da Venezuela e lá estará o mundo mergulhado num caos desnecessário, porque quer queiramos ou não os EUA são o mercado preferencial dos Europeus.

Espero que a direita sensata se esteja a preparar para combater esta loucura da esquerda internacional que está a ficar descontrolada, por estar tempo demais no comando das operações.

Até para a semana  

[As opiniões expressadas nesta publicação são somente aquelas do(s) autor(es) e não reflectem necessariamente o ponto de vista do Dissecting Society (Grupo ao qual o Etnias pertence)]

Comentários

  1. Mana, diz-se muita coisa dessas manifs na américa mas é dificil saber quem diz a verdade! Mas não dá para ignorar que a esquerda anda a abusar dessas tais liberdades e libertinagens, a sério. Hoje tudo é racismo, tudo é uma ofensa já para não dizer que todos temos de gostar dos gays! Tá tudo maningue mau! Isto vai dar milando, vai sim mana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Carlitos!
      A verdade é o que é, certamente não será o que a Media reporta; está a compreender ;)
      Sei que vives em Moçambique, outro governo que pertence a Internacional Socialista: bassopa!
      A esquerda fez das pessoas hiper-sensíveis, tudo é horrivel... somos todos uns peluches: shiiit!
      Que venha de lá o milando para ver se tudo isto dá uma reviravolta.

      Aquele abraço, resistente de Moza!

      Eliminar
  2. Olá Lenny,

    Faço-te uma grande vénia, ó majestade política! lol :)
    O que acrescentar a um artigo tão bem escrito? Nada. Mas direi que o comunismo/socialismo foi uma experiência terrível e tenho pena que o ser humano crie doutrinas sem pensar nas consequências da sua criação, ou mesmo das suas palavras. Karl Marx foi a raíz de todo o mal que assola o mundo hoje.

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Max!
      Não, Karl Marx teve uma ideia maléfica, mas a vileza foi de todos os paspalhos que a seguiram: uns dizendo que iam melhorá-la, outros acrescentaram-lhe requintes de malvadez; capisce?
      E o pagante é o Povo.

      Beijocas e obrigada

      Eliminar
  3. Concordo. A Direita deve combater esta loucura. Mas por exemplo, em Portugal, haverá direita? Shabbat Shalom

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, CCG!
      Em Portugal como em tudo, existem projectos disto e daquilo, mas nunca chega a haver nada.
      Existe a esquerda porque estão debaixo da batuta da I. Socialista.

      Shalom

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Olá Anónimo :D!

      Se vai tentar insultar-nos pelo menos faça-o em português correcto. Escreve-se 'fascistas'.

      Volte sempre.

      Eliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço