O Caso Centeno: Percepção, SMS, Desculpas e Mentiras



Há algum tempo atrás, li num jornal online um comentário que dizia mais ou menos o seguinte: se o dr. Cavaco Silva foi bem sucedido como primeiro ministro foi porque o dr. Mário Soares deixou o caminho alinhavado para que tal se verificasse. Apesar de não ser  de esquerda, não discordo de tal avaliação.

Enquanto primeiro ministro, o dr. Mário Soares viu-se obrigado a submeter o país a uma austeridade brutal, no pós-vinte cinco (25) de Abril de 1974, e felizmente os portugueses compreenderam que se queriam resgatar o seu país deveriam colaborar com o governo, apertando o cinto. O dr. Mário Soares levou-nos até à CEE (Comunidade Económica Europeia), e por tudo isto é certo afirmar que pavimentou o caminho para quem se seguisse, logo é natural que se lhe dê também crédito pelo sucesso do governo do prof. Cavaco; já que um país se faz através de uma sucessão de políticas e medidas de quem esteve e de quem se segue.

Porém, os agentes da Internacional Socialista (IS) que operam em Bruxelas (UE) reportam-nos que Portugal está exemplarmente a transformar-se num mar de rosas cujos caules estão isentos de espinhos devido à mágica implementada pelo governo socialista, e seus apoiantes radicais de esquerda no parlamento. Será verdade ou é uma percepção? Será que a percepção de que o governo de centro-direita (PSD/CDS) pavimentou o caminho para o usurpador que se seguiu, é mentira ou é uma suposição...?

A tendência em Portugal é o aparentemente, alegadamente, supostamente, erroneamente, enganosamente, equivocamente e especiosamente. Em qualquer nação minimamente civilizada um governante, que seja ambíguo ou induza alguém em erro, ou põe o lugar à disposição ou é obviamente substituído, mas não é o caso em Portugal:

  • Aparentemente, o Ministro das finanças induziu em erro o senhor António Domingues, ex-futuro Presidente do Conselho de Administração da Caixa Geral de Depósitos. Quando indagado acerca da renitência do senhor António Domingues em cumprir a lei, o ministro das finanças fez-se de novas perante os deputados. Apesar da circulação de material que parece corroborar a dita indução, o ministro das finanças preferiu ser ainda menos verdadeiro, alegando total  desconhecimento da soap opera retratando a “apresentação de rendimentos” do senhor Domingues. 
  • Nem de propósito o general Michael Flynn, conselheiro do Presidente Trump para a Segurança Nacional, foi obrigado a demitir-se porque omitiu parte da sua conversa com o embaixador Russo.
  • O primeiro ministro da esquerda radical pronuncia inverdades dia-sim-dia-não, esconde decretos na gaveta por pura conveniência; desmente-se mentindo acerca da utilização dos valores da dívida quando atacara o governo anterior PSD/CDS, etc...
  • Em Portugal, existe a televisão por cabo que custa cerca de pouco mais que €30, e existe também a TDT cuja taxa é paga na conta da electricidade, mas além destas duas formas de pagamento, existe um terceiro engodo: todos os programas que passam nos canais generalistas são patrocinados pelos telespectadores na forma dos números de valor acrescentado - o patrocínio da telenovela Ouro verde é o 760 200 900, o da Fátima Lopes é o 760 300 900 and so on. Ou seja, estão a dizer aos telespectadores “os pregões vocalizados pelos ilustres apresentadores das Televisões valem uma alheira de Mirandela, por isso apostem neles para que continuem a ter programas de entretenimento e entretanto pedimos desculpas pelo momento publicitário reles e não inclusivo como é o anúncio do leite Mimosa: só gente branca é que pode consumi-lo.” 

Como estamos em Portugal, o primeiro ministro da esquerda radical vai continuar a dizer as suas galgas; e tal qual um atleta estrangeiro que ganha prémios por Portugal, o ministro Mário Centeno tem carta branca para transvestir a verdade sem consequências, porque ele é um elemento de interesse nacional.
     
Os meus netos, cujas idades estão compreendidas entre os nove (9) e um ano (1), sabem que o mau comportamento tem consequências; então porquê que neste país os políticos e os funcionários públicos de alto gabarito pensam que podem viver de expedientes?

Centeno e Domingues: percepção ou indução bem treinada? Enfim, subentendidos mal esclarecidos.

Até para a semana
     

[As opiniões expressadas nesta publicação são somente aquelas do(s) autor(es) e não reflectem necessariamente o ponto de vista do Dissecting Society (Grupo ao qual o Etnias pertence)]

Comentários

  1. Portugal ainda tem muito que aprender, tal como deixar os amiguismos para trás. Muito bom texto, lenny, parabéns. Enviaram-me o link deste seu blogue pelo que voltarei mais vezes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Mário!
      Bem-vindo ao nosso cantinho, sempre que lhe apeteça conversar já sabe :-)

      Cumprimentos

      Eliminar
  2. Olá Lenny,

    Este caso é grave, na minha opinião. Então o ministro das finanças mente descaradamente no parlamento e numa comissão de inquérito (que mais uma vez provou não servir de nada) e ainda tem direito a permanecer no seu posto, com o aval do Presidente? Portugal parece apostado em provar que é uma república das bananas.

    Centeno deveria ir para a rua e qualquer partido que compactue com isto é igualmente corrupto, sem ética e sem honra.

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Max!
      Tomara Portugal ser uma República das bananas, aqueles tipos por aquelas bandas, apesar dos pesares, ainda têm fortitude testicular; ok?
      Portugal é a República do "o gajo mentiu e depois?", " Os deputados são todos uns pobres farsantes", "vão-se lixar, que importa prometer uma ilegalidade? Não a cometeu..." "Centeno introduziu bosta no ventilador, mas agora basta: não se fala mais disso", " A UE está feliz com as aldrabices do Centeno e do Costa, que importa isso agora?"

      Centeno é um maestro das finanças, e também é percepcionista, logo: Centeno está tranquilo com a percepção acerca das percepções que cria.

      Boa semana de trabalho, minha linda.

      Eliminar
  3. Quando é que portugal vai aprender que a mentira, a falta de ética e a trapassa têm de ser penalizadas? Se um político mente, se é corrupto, se é negligente, se lesa o estado, tem imediatamente de ser demitido. É que não há outra saída, de outra maneira o governo fica desacreditado!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Ana Cristina!
      Se não estou em erro, em Portugal perjúrio é uma figura jurídica passível de punição, mas os maiores adeptos do "erro de percepção" são os que elaboram as leis: então é tudo uma questão de contextualizar as concepções.
      Não existe desacreditação quando tudo está inserido na relativização: nunca é bem assim ou isso; a intenção é sempre diversa da que fora na altura, isto é: a questão é sempre a percepção; e assim sendo...

      Cumprimentos e estimei tê-la no nosso espaço.

      Eliminar
  4. É um retrocesso. Depois do anterior governo ter feito guerra à corrupção - e não foi nada tímido nesse combate - a presente administração demonstra mais uma vez do que realmente se trata a Esquerda. É pena. Shabbat Shalom, Lenny.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Cristina!
      É uma rebaldaria, quando um governante se arroga no direito de aludir que a lei é contornável: o país está perante um governo falsário.
      Relembro-te a esquerda internacionalmente é perita no jogo das palavras, ora, não lembra nem ao diabo ousar transformar uma manipulação bem orquestrada num "erro de percepção".

      Boa semana de trabalho, bella mia!

      Eliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço