Portugueses: Violentos Sim, Pobres Não


O país anda numa onda de violência, em proporções de que não tenho memória: talvez seja porque os meios de comunicação não publicitassem tal facto, se calhar não é de bom tom falar de coisas que não nos dizem respeito - que só acontecem àqueles que estavam a pedi-las. Mui orgulhosamente, diz-se que Portugal é culturalmente um país de brandos costumes; no entanto, apesar de constituir um crime contra o Estado, a violência doméstica é praticamente exercitada a campo aberto; apesar de ser a guardiã da lei e da ordem, a polícia espanca cidadãos a seu cargo; selvática e gratuitamente, um grupo de rapazes em Almada espancou um colega de escola; um filho no concelho de Sintra cometeu parricídio; e por aí afora...mas o que terá acontecido à matriz de brandura?

Não evocaremos o convívio com outras culturas mais ou menos bizarras porque Portugal dominou mais de metade do mundo e, por norma, está familiarizado com todo o tipo de gente; então qual a razão da demonstração de agressividade de um modo tão regressivo?

  • A violência doméstica é transversal a todas as classes sociais, e em todas as artes e ofícios. As crianças desta gentalha assistem a tudo, em alguns casos participam no abuso à vítima e vivem num constante ódio latente.
  • A televisão portuguesa relatou que um cidadão fora espancado pela GNR, tendo esta negado tudo embora o indivíduo apresentasse marcas visíveis da agressão. Presumamos um caso de violência doméstica e afins: ninguém no seu perfeito juízo confiará na protecção policial e, não cumprirá a lei apresentando queixa, sabendo que o suposto guardião da lei, é também ele um agressor e transgressor da mesma, tal qual as forças policiais repressivas de ZANU-PF, MPLA, FRELIMO, PDGE e outras exiguidades africanas e asiáticas.
  • Os cachorrinhos raivosos em formação, aumentam em tamanho mas a sua mente mantém-se mentecapta e, os desgraçados explodem por tudo e por nada assistindo-se por conseguinte às cenas deploráveis publicadas nas redes sociais e publicitadas na Media portuguesa.

Transformou-se então Portugal num país de porrada, selfies e corruptíveis? 

Parece que sim; por exemplo, o presidente da república professor Marcelo Rebelo de Sousa, anda por aí a aparecer em selfies ridículas e inconsequentes, e perdeu a oportunidade de realmente ser didáctico indo ao liceu dos bandidos de Almada que violentaram um colega por puro despeito.

Ai se um filho meu se distraísse e se metesse à besta numa baixeza tão horripilante, dar-lhe-ia um tratamento preferencial:

  • Pendurar-lhe-ia um cartaz no pescoço que lesse 'não volto a ser vil'; 
  • Obrigá-lo-ia a pedir desculpas publicamente e condu-lo-ia pessoalmente à polícia. 

Meus senhores, as crianças e os jovens devem saber quem manda para que se façam homens que se pautem pelo civismo.

Ó Rúben, pobre rapazinho, então os iraquianos dão-lhe uma tareia de três em pipa, o menino esteve em coma, o país e eu inclusive ficámos de coração apertado, rezámos por si e pela sua família, perante tamanha afronta clamámos por justiça nem que fosse simplesmente a expulsão desses meliantes, e sua família, do nosso país: e vai o menino aceitar ser comprado pelos árabes; por que carga de água?

Sabe que pela sua irresponsabilidade, esses exóticos quando quiserem alcançar auto-gratificação vão sair à rua e dar uma valente porrada em qualquer pessoa, porque através de si e do seu acto sabem não haver problema nenhum, desde que acenem uns Euros na direcção do lesado/a. Rapaz, se por acaso, na vida adulta, sentir alguma sequela da porrada vinda de Bagdade, por favor, não vá aos programas de televisão aborrecer-nos com as suas divagações que serão na certa consentâneas com a sua pequenez. Desde já declaro que se o vir na RTP internacional desligarei o aparelho televisivo. De qualquer maneira espero que essas trinta (30) moedas lhe façam bom proveito.

Uma Pequena Nota 

A minha madrinha telefonou-me muito chocada porque uma jornalista que aparentemente desmascarara o negócio dos manuais escolares, disse na TVI - num programa da Fátima Lopes - que Portugal era pobre. Rebati a nonagenária dizendo que não ouvira bem, porque era impossível a Jornalista ser tão ignorante; visto que o país está na lista dos países desenvolvidos desde 1994.

A madrinha retomou a palavra e repisou “ela disse: Nós somos um país pobre” respondi-lhe que talvez ela estivesse a expressar o seu desagrado por achar que lhe pagam pouco pelo serviço que faz e por essa razão acha bonito dizer que é pobre. “Lenny, não faças de mim parva, a mulherzinha disse categoricamente: nós somos um país pobre”  cansada rematei “pronto, não somos pobres, estamos somente a atravessar uma crise e como não há mal que não acabe, dentro em breve estaremos de volta ao bem bom. A dr jornalista é de certeza uma ignorante, é uma artista sem cultura geral, talvez não viva em Portugal, ou é uma qualquer filha de emigrantes que estudou lá fora e veio para cá desempenhar o ofício de repórter”.

“Então não somos pobres, pois não? Bom, nós nunca fomos pobres, mas a verdade é que as pessoas vivem  hoje muito melhor do que antigamente, são mais livres e é por isso que não percebo tanto barulho” 

“Minha linda, somos humanos e insatisfeitos, e não dê ouvidos à reacção”

Até para a semana
     
(Imagem: A Crucificação de Sº André - Caravaggio)

[As opiniões expressadas nesta publicação são somente aquelas do(s) autor(es) e não reflectem necessariamente o ponto de vista do Dissecting Society (Grupo ao qual o Etnias pertence)]

Comentários

  1. Esses árabes fazem sempre a mesma coisa, mana, distribuem dinheiro a todos e sem olhar a quem mas atenção que tem um preço! Aqui em Moza fazem o mesmo, pagam escola aos miúdos e depois vê-se como é, né? É preciso cuidado. Homem que bate em mulher não é homem, bullies são uns desgraçados que precisam de ser castigados mas qual a razão deles serem assim? E acho que os pais desses miúdos devem ser responsabilizados, né? Violência é triste.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Carlitos!
      Essa gente compra coisas, pessoas e induções: portanto....
      Os bullies são o produto da indiferença dos seus pais e yah estes merecem ser civilmente responsabilizados. O homem que bate em mulheres é um cobarde, uma nulidade da razão.
      Mas o pior de tudo e de todos é o que se deixa comprar e ainda por cima por tuta-e-meia.

      Aquele abraço, resistente de Moza.

      Eliminar
  2. Quando é que o nosso presidente vai começar a ser presidente e não pop star?
    Portugal ainda padece de muitos males: violência doméstica, racismo, corrupção, jogos de influência etc. Mas tenho esperança de que com as pessoas certas a coisa mude. Amanhã temos novo presidente na américa, lenny!!!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Cêcê!
      Beats me!
      Tenho imensa esperança, acerca deste país chamado Portugal, tudo irá bem mesmo com as pequenezas do povo português: ninguém é perfeito, amiga.
      Desejo o melhor para os Estados Unidos da América e para o seu povo e, que mr.Trump coopere com Congresso, com o Senado e tenha a hombridade de aceitar a supervisão do seu povo.

      Beijocas

      Eliminar
  3. O governo português até teve a devida reacção para com o Iraque, que já removeu o tal embaixador do país. Agora esperemos que Portugal acompanhe o caso de perto já que foi dito que o Iraque iria tratar judicialmente do caso ele próprio. Seria extremamente desagradável cruzarmo-nos com os moços iraquianos em Londres, a divertirem-se...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Cristina!
      Alleluiah...por uma vez, houve fortitude testicular por parte do Ministério dos Negócios Estrangeiros e do Ministério Público.
      Achas mesmo que o Iraque vá julgar esses garotos? Corres o risco de te cruzares com eles a divertirem-se em Londres. Porca miseria!

      Ciao bella!

      Eliminar
  4. Lenny, desculpa a ausência mana mas mudei-me para portugal! Finalmente, estou aqui na paz de Deus, já não dava para ficar na Moza, a sério. Estou chocada de haver tanta violência na tuga, como foi que isso aconteceu?

    ResponderEliminar
  5. Olá, Leila!
    Amiga, sê bem-vinda ao nosso belo país.
    Porém, vamos torcer para que dentro em breve em Moza prevaleça o bom senso.
    A violência é infelizmente, um mal que grassa em portugal, mas temos bons tribunais; percebes a diferença?

    Aquele abraço, minha amiga!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço