Portugal: O Puzzle Marroquino, Cobradores de Dívidas e Desvairio de Costa


Esta semana três pontos intrigaram-me porque não tenho explicação para os mesmos: a invasão de marroquinos (oriundos da Bélgica) a Portugal, a frivolidade dos cobradores de dívidas e a opinião pessoal furada de António Costa.

De que a boca é uma arma destrutiva, não restam dúvidas

Num encontro entre amigas estávamos a discutir a problemática do aproveitamento das nossas leis pelos ditos migrantes, quando uma delas nos disse que achara bizarro o facto de em certas áreas do Porto, Alentejo e Algarve cidadãos belgas de origem marroquina se deslocarem, invariavelmente da região, em carrinhas e em BMWs. Quando instei acerca da curiosa observação, ela respondeu-nos que quando cá chegou fora visitar esses tais amigos, com o seu namorado francês marroquino. O nosso comentário foi uma troca de olhares, e como nos faltava um condimento para confeccionarmos um prato típico moçambicano, duas de nós metemo-nos no carro e fomos a uma lojeca dum asiático não oriental, comprar tamarindo.

A pessoa de quem eu me fazia acompanhar disse “Já reparaste que nas cantinas dos monhés, nunca são os mesmos e além disso o seu português é reles, o seu inglês é duvidoso e dirigem-se uns aos outros no seu dialecto?” Encolhi os ombros em sinal de indiferença, mas ela não se manteve calada e argumentou apontando a deslealdade do seu negócio “Não têm despesas com empregados, não respeitam os domingos nem feriados, só 10% dos seus produtos é que são étnicos, ofuscam a mercearia do 'sr. Zé' porque estão em cada esquina dos bairros.” Retorqui dizendo que estávamos num país de economia de mercado e de concorrência livre; mas repisava na rotatividade do pessoal e chegadas a casa, uma outra amiga corroborou a mesma teoria acrescentando que o fenómeno era generalizado, fosse em Moscavide, Mouraria, Odivelas ou Loures que, segundo elas, são os locais onde há mais concentração de asiáticos por metro quadrado.

Perante a apreensão das minhas amigas, sugeri – como quem não quer a coisa – que fizéssemos directamente uma prospecção. De imediato descobrimos que apesar da cor parecer ser a mesma, não se tratava da mesma etnia; uns são paquistaneses, outros são indianos não hindus, outros ainda são do Bangladesh, aqueles outros são do Sri Lanka e alguns muito poucos são turcos e nepalenses; porém todos partilham em comum o minúsculo mini-mercado. Para amenizar o receio das meninas, relembrei-lhes que em Moçambique, os indianos quando nubentes mandavam vir as noivas da Índia, e que estas se faziam acompanhar de familiares masculinos. Portanto seria bem possível que estivéssemos perante o regresso dos ditos acompanhantes; ou talvez fossem formadores do manuseamento dos tuk-tuk; ou ainda, se calhar fossem cidadãos estrangeiros expulsos pelos Serviços de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

O meu argumento não aplacou a incompreensão das minhas amigas, primeiro porque não estava munida de dados estatísticos que apoiassem a teoria dos casamentos dos asiáticos em Portugal, depois não soube dizer porque razão permitiria o SEF que os estrangeiros ilegais circulassem pelo país, em vez de os deter no aeroporto e recambiá-los sem delongas para os seus países de origem e por último não foi suficiente a invocação da inquietude da comunidade muçulmana na Bélgica; elas são de opinião que esses cidadãos belgas marroquinos que estão a invadir o Porto e o sul de Portugal deveriam dirigir-se para França, sua ex-potência colonizadora; pois desconfiam que esta malta está a vir para cá com segundas intenções: iniciar a montagem dum puzzle.

Estou intrigada, será?


Que fazem os cobradores de dívidas em Portugal?

Toda a gente em algum período da vida contrai uma dívida que vai amortizando conforme o contratado. Porém, bastas vezes o devedor, por uma razão ou outra, engasga-se e o débito cresce a olhos vistos.

Normalmente, os credores entregam a cobrança da dívida a empresas especializadas no ramo e em troca pagam pelo serviço prestado. Contudo estas empresas empregam pessoas do tipo do cobrador de fraque, uns tipos que começam por lembrar o valor em dívida em questão ao credor X, após o lembrete, anunciam o valor acrescido de um determinado montante, chegando alguns a tentar uma espécie de negociação.

Quando enfrentam uma frustração, os cobradores enchem a boca para chamar a pessoa de desonesta e, a coisa mais perturbante é quando coercivamente (i.e. ameaças com o recurso à justiça e com a penhora dos bens) tentam obter uma data fixa para a liquidação da dívida. Se a pessoa diz que não sabe quando terá possibilidades para pagar por aquela ou qualquer outra razão, os coagentes entram num debate infrutífero com o devedor encetando pela resenha da dívida, o tempo da mesma etc; se a pessoa diz que não quer enganá-los com datas, que simplesmente prefere esperar até ter o dinheiro e pagar, cai o Carmo e a Trindade: os cobradores deixam-se possuir primeiramente por um espécie de paternalismo barato, seguido de uma moralidade amoral e quando menos se espera acrescentam mais um gasto ao passivo da sua empresa porque em vez de apresentarem soluções consentâneas com a realidade do devedor, os recalcadores administrativos inexplicavelmente impõem um debate filosófico da dívida... Quão intrigante é esta frivolidade?

O desvairio de António Costa, mascarado de opinião pessoal

António Costa arrogou-se no direito de emitir a sua opinião pessoal acerca das pensões mínimas. Implicitamente afirmou que pessoas que auferem pensões no valor de €269 e €297 merecem ver a sua pensão reduzida em €10 porque em toda a sua vida foram uns preguiçosos e caloteiros. António Costa, os valores acima mencionados são auferidos por duas bravas e corajosas mulheres (da minha família), que em África, trabalharam uma nos Correios (no departamento de Estatística) e a outra no Sindicato dos trabalhadores do Comércio. Retornadas de África, com idade de não empregabilidade, elas tiveram que agarrar-se ao que viesse à rede. Uma trabalhou em vários sítios através da Manpower, a outra trabalhou numas freiras que tratavam de amblíopes, numa veterinária e ultimamente guardou a casa de uma amiga que estava emigrada em França e posso assegurar e garantir-lhe que todos os meses a Segurança Social recebia as suas contribuições.

António Costa, vou agora emitir a minha opinião pessoal, acerca da sua persona: você é um parasita, porque esperou que António José Seguro voltasse a credibilizar o PS para que você aparecesse e como um qualquer ladrão, sonegasse a oportunidade de José Seguro chegar a primeiro-ministro. Você além de não ter ganho as eleições, por portas e travessas roubou o lugar que agora ocupa; você como governante é um descalabro; você é desvairado; você é um descompensado e mestre em afirmações gratuitas. Em suma, você é um coitado!  

Até para a semana


[As opiniões expressadas nesta publicação são somente aquelas do(s) autor(es) e não reflectem necessariamente o ponto de vista do Dissecting Society (Grupo ao qual o Etnias pertence)]

Comentários

  1. Mana, portugal tem de se por a pau senão um destes dias está feito. Não se brinca com a segurança das pessoas!
    Ouvi dizer que a quantidade de crédito e dívidas mal parados na Tuga é tal que me forço a perguntar sobre a eficiência desses cobradores de dívidas. Ê, não faço comentários sobre o mano costa, tenho pena dele! Mas moçambique vai receber ele de braços abertos quando ele cair. hehehehe

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Carlitos!
      Olha tenho pena da desconfiança que reina por estas bandas; pois sabes bem que em Moçambique nós convivíamos com toda a sorte de gente sem qualquer problema. Mas hoje parece que os dados estão viciados e daí tanto desconforto.
      Os cobradores de dívidas são uns ridículos; espero que a empresa da Maria Luís Albuquerque saiba trabalhar melhor no seu métier.
      Ó pá levem-me o Costa daqui para fora; não irá estranhar, há muita gente como ele em Moza (assim o espero)

      Aquele abraço, guerreiro de Moza!

      Eliminar
  2. Olá Lenny,

    Portugal deveria abrir o olho para o que está a acontecer dentro do seu território. Principalmente agora que o seu profile está valorizar internacionalmente (como se esperava a partir do momento em que ganhasse o Euro 2016; e agora com a nomeação de António Guterres na ONU). Olho aberto.

    Antes de falarmos dos cobradores de dívidas de Portugal (que são uma tristeza, para dizer a verdade); deveríamos falar de como as empresas de serviços na Tuga (como dizem os nossos irmãos Afro) praticam a extorsão em total impunidade. O que é que o parlamento anda a fazer, afinal?

    Quanto a António Costa...sem comentários.

    Shabbat Shalom, minha querida; e good job!

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Max!
      Não espero nada de Guterres e nem me regozijo com besteiradas: o SGNU é isso mesmo, um criado ao sabor e dispor dos caprichos dos cinco, o resto é folclore.
      Os parlamentares não podem fazer nada, porque num futuro muito próximo serão consultores ou gestores interinos de prestige dessas mesmas empresas: irónico...
      Quanto ao abrir o olho, não sei; pois disseram-me que o BE mandou o PS cancelar um programa de treino à polícia portuguesa providenciado pelas forças israelistas... não sei se calhar os judeus estavam a aterrorizar os policiais portugueses: o PS é um fantoche! Depois vem o Costa clamar de peito cheio, o quão ele quer melhorar as condições de vida do povo, enquanto por outro lado o desserve; o coitado anda de mãos dadas com a canina Mortágua, a tentar incutir nos portugueses o incompreensível: sermos um povo sem aspirações e de fasquia nivelada por baixo.

      Beijocas, boss!

      Eliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço