Análise dos Candidatos Republicanos: Estratégia em 1º Lugar


O Partido Republicano finalmente aprendeu a lição. Desta vez, o Top 11 dos candidatos do GOP são um grupo bastante dinâmico (aqueles que me conhecem sabem que eu costumava chamar às primárias republicanas "a Convenção Geriátrica").
Ainda que as primárias estejam somente na fase inicial, já é possível separar o trigo do joio.

Trump: O cavalo de tróia
O eleitorado está farto de mentiras e por isso as pessoas estão excitadas com o lado politicamente incorrecto de Donald Trump, só que Donald Trump não é politicamente incorrecto porque sê-lo implica ter conhecimento, entendimento e sabedoria suficientes para saber quando o ser – e ele não tem nenhum deles.
Contudo, temos de reconhecer que Donald Trump chamou a atenção das pessoas para a corrida republicana (o que foi inteligente), ele também injectou uma dinâmica que faltava ao GOP, e nesse sentido ele fez um trabalho impecável. Não obstante, se prestarem atenção, o Sr Trump nunca responde a uma única pergunta com substância: a sua típica resposta é “Sou um homem de negócios”...“Sou um homem de negócios bem sucedido”...“Conheço/trabalho com pessoas fantásticas” - estamos felizes pelo seu sucesso mas talvez ele se devesse ficar pelo mundo empresarial e moldar a política de um modo diferente.

Depois de peneirar as palavras do Sr Trump, precisamos de admitir que dizer que viajou pelo mundo inteiro não significa coisa alguma (muitos viajaram à volta do mundo e não são necessariamente qualificados para liderar nações); dizer que conhece muitas pessoas à volta do mundo não faz prova das credenciais diplomáticas de um indivíduo (quem são essas pessoas? Em que circunstâncias é que as conheceu? Já alguma vez as subornou, deve-lhes favores? Quais as implicações que esses relacionamentos terão quando chegar ao poder?); dizer que se dá bem com toda a gente é superficial (enquanto comandante-chefe tentará dar-se bem com toda a gente? Se sim, como pretende tornar a América ainda mais forte se entrar para a Casa Branca com uma postura apaziguadora?). Em suma, a conjuntura actual pede mais que platitudes.

É preocupante quando um candidato presidencial não sabe quem são os líderes da principal ameaça à América. O Sr Trump explicou que não sabe porque “são nomes árabes” que só alguns sabem – que explicação ridícula.
Donald Trump poderá ser transformado num cavalo de tróia: apresentar-se como uma alternativa ao eleitorado conservador (farto da política de Washington), entretê-los com a sua pseudo-audácia, tornar-se o nomeado republicano e depois fazer com que seja mais fácil a vitória do candidato democrata. 

Se o eleitorado quer Outsiders...
Se os conservadores estão fartos de políticos, deveria ser-lhes natural concentrarem-se nos dois outros outsiders: Ben Carson e Carly Fiorina. Mas qual deles é material para presidente?

Ben Carson é um homem inteligente, sem papas na língua, com um bom sentido de humor, cujas ideias são interessantes (por exemplo, os seus planos para impostos, baseados no dízimo, são propícios) e ele parece colocar o bem-estar do povo à frente da dos políticos. Ele também defende algumas posições de política externa interessantes, ainda que estas precisassem sempre de ser inseridas num contexto militar para poderem verdadeiramente funcionar (ele não poderia escapar disso). Não obstante, dá para ver que o Sr Carson precisa de reunir mais informação, de obter mais conhecimento acerca de questões relacionadas com a segurança (por exemplo).
(NB: qual seria a vantagem estratégica de eleger Ben Carson? Eliminaria de vez o argumento Democrata de que a oposição Republicana ao Presidente Obama era baseada no racismo e não nas suas políticas) 

Carly Fiorina é uma mulher inteligente, não tão frontal quanto Ben Carson mas mais à vontade com mais temas do que ele. Vê-se que vem de um background de business pela maneira como transmite a sua mensagem (como se estivesse a fazer uma apresentação empresarial). A Sra Fiorina é forte e não cai na armadilha das tretas feministas (indicando que seria Presidente de todos os Americanos, não só das mulheres).
(NB: qual seria a vantagem estratégica de eleger Carly Fiorina? Eliminaria de vez o argumento Democrata de que os Republicanos são anti-mulheres e que só os Democratas elegeriam uma mulher para Presidente)

O Símbolo da Tradição
Há vozes que se opõem às Dinastias Políticas. Com o devido respeito, essas pessoas não sabem do que estão a falar porque às vezes o que um país precisa é mesmo de uma dinastia política, devido à sua vasta experiência, rede de contactos e alicerces.
Jeb Bush não está a receber o devido crédito só porque é membro da Família Bush (uma família que serviu os Estados Unidos da América e contribuiu para muito do seu sucesso). Jeb Bush pensa por si e deve ser ouvido.
John Ellis Bush é um homem inteligente, razoável, conservador e com experiência que tem a postura correcta, que fala mais de uma língua, que não só representa um símbolo de tradição (num momento em que a tradição americana está sob ameaça) mas também traz um tom jovial à campanha Republicana.
(NB: qual seria a vantagem estratégica de eleger Jeb Bush? Eliminaria de vez o argumento Democrata de que os Republicanos querem colocar uma família branca na Casa Branca e representaria uma verdadeira dinastia política ao contrário da falsa dinastia-Clinton) 

A Honestidade Libertária
Rand Paul deveria ter uma oportunidade pela sua honestidade, mas o eleitorado não parece gostar dele: mesmo assim, eu gostaria de o congratular por ter sido o único a ter coragem para dizer a verdade acerca da Arábia Saudita (um indicador de que ele, e talvez Ben Carson, sejam os únicos que não tenham o rabo preso ao dinheiro saudita?).

Notas Finais acerca de Outros Candidatos
Marco Rubio é um jovem que faz o seu trabalho de casa e tem conhecimento acerca de vários temas; mas ele tem estado a repetir o seu mantra tantas vezes que, no debate da CNN, errou no facto de que a Guerra Civil Síria começou há 4 anos e 6 meses (não há 3 anos e meio, o que mostra que ele tem vindo a repetir a mesma conversa desde 2014). Este candidato sua muito (fazendo-nos lembrar o candidato socialista, Obama-Wannabe, António Costa, que também sua por todos os poros quando fala); e o suor é sinal de que a pessoa está ou a mentir ou incrédula daquilo que está a dizer. Que pena.
Ted Cruz e Chris Christie são uns grandes profissionais da lei – se o seu orgulho lho permitir, eles deveriam ser considerados candidatos a Vice-Presidente ou a conselheiros no concelho de Segurança Nacional – mas não parecem material presidencial.
Mike Huckabee não está a concorrer para presidente, não. Ele só está ali para transmitir a mensagem conservadora, e está a fazer um trabalho fabuloso.
Scott Walker foi um desapontamento. No entanto, este candidato é forte (comprovado pelo seu sucesso no Estado que governa) ainda que não saiba muito de política externa e segurança nacional. Talvez precisasse de mais tempo para se preparar. Fez bem em desistir da corrida e espero que ele volte a tentar de novo no futuro.
O Governador Kasich é um bom profissional, com experiência, mas talvez Ohio precise mais dele do que os Estados Unidos. No entanto, ele é uma peça vital para garantir Ohio para um candidato Republicano, Kasich tem as necessárias competências para fazê-lo.

A corrida às presidenciais de 2016 é extremamente importante, logo a estratégia está em 1º lugar.

Comentários


  1. Olá, Max!

    O Donald Trump é uma anedota, contudo os americanos lá gostam do seu showbusiness. Se fosse americana escolheria a senhora Fiorina.
    Jeb Bush está queimado por conta da presidência do seu mano George.
    O Pastor Huckabee é mesmo só para passar mesnsagem moral nada mais, o Christie de Nova Jérsia pode até saber de leis, mas é um corrupto. O Católico, Mormon e Católico novamente além de suar muito é dúbio, ninguém pode carregar um ódio infinito contra a terra de seus antepassados; é preciso encontrar uma solução para o povo cubano que deseja pôr o passado para trás e seguir em frente; aquele país não é pertença dos Castro, é também do povo cubano.
    Dr. Ben Carson é médico e segundo reza a cantiga popular é dos bons; penso que deva continuar a sê-lo. O dr. Rand Paul deve continuar no Senado e a tratar dos olhos nos tempos livres.
    O Ted Cruz é bom para parar o governo dos Estados Unidos da América e nada mais.

    Beijocas 

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Lenny :D!

      Boa análise. És bem capaz de ter razão. Mas é uma pena que os americanos revejam o presidente Bush no irmão: não poderiam ser mais diferentes.

      Obrigada, linda, pelo teu comentário :D.

      Beijocas

      Eliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço