O Que É Ser Português?


Patriotismo é o orgulho nos valores e a defesa dos costumes; é uma postura racional e entendível por todas as comunidades que compõem o tecido social de uma Nação.
Nacionalismo é o orgulho nos símbolos dum país, é geralmente uma ligação emocional com o passado e seu legado existencial.
Que têm estas duas premissas a ver com o título?

Não falarei da Epopeia marítima porque não tenho a pretensão de me equiparar com Luís de Camões, cuja casa na Ilha de Moçambique se encontra em ruínas (que lata a do governo português; não..?)
Não me referirei à miscigenação: primeiro, porque não foi em proporções consideráveis; segundo, porque o fenómeno aconteceu mais corriqueiramente - em Moçambique, por exemplo, por uma questão prática e política (já que as mulheres é que herdavam a terra) os europeus casavam-se com as herdeiras negras.
Não me pronunciarei acerca dos brandos costumes do povo português, não mencionarei os feitos dos emigrantes, nem tão pouco dissertarei sobre a significância da palavra saudade; não resmungarei sobre a inveja negativa que assola a maioria das almas portuguesas e nem sequer comentarei acerca da moleza de caractér do povo português.

“Senhor, falta cumprir-se Portugal!” (in Poema A Mensagem de Fernando Pessoa)

Ser português é exactamente faltar sempre qualquer coisa.
Fomos um império, mas faltou-nos argúcia política quando atribuímos as independências: os portugueses povoaram Cabo-Verde e S.Tomé e Príncipe, por isso, estes dois arquipélagos deveriam ter ficado sob a alçada de Portugal com o mesmo estatuto da Madeira e dos Açores.
Os portugueses são uns dos maiores inventores do mundo, mas falta-lhes dinheiro para patentear as suas invenções e financiamento para desenvolvê-las; os portugueses têm os melhores vinhos do mundo, mas falta-nos o espírito charmoso dum vendedor implacável; Os portugueses têm bons escritores mas falta-lhes Editoras arrojadas para os transporem além fronteiras; os portugueses são bonitos mas falta-lhes a sofisticação social; os portugueses são conquistadores natos mas falta-lhes coragem de sonhar; os portugueses  gostam de coisas bonitas mas falta-lhes a aspiração pelo belo; os portugueses adoram dizer “adoro-te” mas falta-lhes a coragem para amar; os portugueses gostam de crianças mas falta-lhes tempo para fazê-las; os portugueses são pessoas inteligentes mas falta-lhes a expansão mental; os portugueses estiveram nos quatros cantos do mundo mas falta-lhes o entendimento acerca de outras culturas; os portugueses são bondosos mas falta-lhes a generosidade.

Mas afinal o que é ser português? É nada valer a pena, porque a alma é pequena!

Até para a semana

(Imagem: detalhe da Torre de Belém - Torre de Belém)

Comentários

  1. Lenny, tenho de concordar consigo que nos falta qualquer coisa enquanto povo! Temos potencial mas raramente fazemos algo com isso a não ser que estejamos no estrangeiro. E é uma pena realmente.
    Eu sou portuguesa é não quero ser definida com a palavra saudade, isso já era. Prefiro ser definida com a palavra sucesso mas sei que isso será dificil enquanto não nos livrarmos da tacanhez que aflige o país! Bom post, lenny, obrigada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Carla!
      Eu também adoro a palavra sucesso: é dinâmica, encorajadora e propulsora. Se fosse só a tacanhez ainda se poderia sonhar acordado, o pior e que aquela está aliada a parolada; enfim quem sabe ...
      O problema é que neste país quase ninguém está consentâneo com o seu papel: é muito estranho!

      Aquele Abraço

      Eliminar
  2. Que descrição tão pouco patriótica. Somos um povo de brandos costumes, qual o mal nisso?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Anónimo!
      Acordemos em discordar quanto ao meu patriotismo!
      "Somos um povo de brandos costumes, qual o mal nisso?" Não tem mal nenhum, mas também não é uma excelência; visto que é preciso entender a que se deve tal brandura: é uma questão de indiferença ou é uma idiossincrasia histórica; é complexo de inferioridade ou má gestão mental; é uma forma de arrogância ou é medo do confronto?
      Ninguém por sistema advoga uma sociedade conflituosa, revoltada, odiosa; mas por vezes um grito de guerra, no momento certo, é uma sacudidela à apatia generalizada.

      Obrigada pelo seu comentário e, passe bem!

      Eliminar
  3. Ora, ora! Já vos leio há um tempo mas nunca deixei um comentário, mas esta semana dois dos vossos artigos obrigaram-me a sair da toca.
    Eu gostaria que ser português significasse conquistar, abrir caminho, ser o exemplo, porque nós somos conquistadores, fomos nós que conquistámos o mundo, fomos nós que abrimos caminho e somos um exemplo para o mundo. Mas não queremos nada disso, preferindo ser a eterna saudade, de quê? pergunto-me, os eternos brandos, brandos? o que é isso?, os eternos ultrapassados. É pena. Talvez a próxima geração seja diferente? Primeiro têm de perecer os modelos portugueses antigos. Obrigado lenny pela coragem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Marco!
      Não poderia estar mais de acordo quanto à grandeza de Portugal. Mas o que fazer com tão pesada herança, como avançar? Como influenciar mentalidades e ser relevante no mundo de hoje? Será que o primeiro passo é sanear as velhas mentalidades cujas referências são ideologias e ideais furadas? Será que temos de desencantar cidadãos revestidos da carapaça da compreensão do debate racional de axiomas que coloquem o povo e o país ( não ao estilo dos gregos; que foi aquele referendo?) acima da sua visão, ainda que esta lhes pareça boa? Será que teríamos de regressar à caverna para entendermos o significado de montanha, vila e consequentemente o sentido de comunidade e solidariedade intelectual e social? Divago.....
      Sim, eu também estou a contar com a próxima geração: aquela que está agora entre os quatro e doze anos de idade.

      Marco, muito obrigada por ter saído da toca.
      Cumprimentos

      Eliminar
  4. Olhe não sei. Eu gostava mais de portugal na altura do fascismo porque este de agora não o percebo! Sim temos mais liberdade, sim temos mais gente instruída, sim temos mais tecnologia ou lá o que é, sim temos mais de 2 canais de televisão, mas e o que fazemos com isso? No tempo de salazar éramos ricos, tínhamos prestígio, éramos respeitados, fazíamos bébés, produzíamos o que comíamos, e agora? Agora nem sequer tomamos as nossas decisões, a europa é que as toma! Sinto que perdemos tudo, lenny.
    Para mim ser português é temer a Deus, amar a pátria por mais partida que esteja, e a família por mais escassas que sejam agora. Que Deus vele por nós!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Maria Joaquina!
      Esse Portugal é passado minha amiga, agora é bola para frente!
      Exactamente o que fazer com os feitos alcançados; o que fazer com a democracia? Até agora (pardon my french) tem sido merda!
      Agora temos de pegar no bom e torná-lo excelente, pegar nos velhos hábitos enraízados na cambada política e irradicá-los da face de Portugal.
      Agora, embora pertencendo a um clube político (UE) temos de ser donos do nosso destino, dos nossos políticos e governantes; o povo deve ser racionalmente soberano e justamente cooperante.
      Amiga nada está perdido, Portugal é seu, o povo é você e o intelecto comum ainda nos permite arranjar soluções para o bem colectivo.
      Gosto do conceito: Deus, Pátria e Família; mas gosto também da liberdade, virtús, industria, fides, gravitás e comitás. Deus vale sempre, mas a luta é um dever cívico e moral, sem ela somos escorregadios e sem espinha dorsal: lesmas.

      Amiga, os russos dizem "quem vive no passado perde um olho mas quem se esquece perde os dois" sem esquecer os feitos nacionais, sem saudisismo e sem hesitações marche em frente! Isto é ser um português esclarecido e pronto para deixar um legado.

      Um abraço

      Eliminar
  5. Lenny, não posso dizer que saiba o que é ser português mas gostei deste teu post e vou partilhar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Leila!
      Entendo, porque é bastante complexo.
      Obrigada por partilhares o nosso trabalho; és um ás de figura!

      Aquele Abraço, minha cara!

      Eliminar
  6. Ser português em princípio é ser afável mas há muito que deixámos de sê-lo, é ser caloroso para com o estrangeiro mas há muito que deixámos de sê-lo, é ser iluminado e culto mas há muito que deixámos de sê-lo, é ser belo mas há muito que deixámos de sê-lo. Sou saudosista de um português que não existe mais.

    ResponderEliminar
  7. Olá, Celeste!
    Ó minha cara não esteja tão melancólica, essa atitude entrava os rins e o fígado, faça como eu: na semana passada fui ao Pingo Doce comprar umas luvas de borracha médio-pequeno, quando as calcei reparei que a parte de cima não só não ajustava ao meu antebraço como ainda em contacto com a água, o cano da luva escorregava até ao meu pulso. Resmunguei, e incrédula pensei: onde está o controle de qualidade? Agora a Home7 (marca Pingo Doce) está na minha lista negra; não comprarei mais luvas, briquetes e tudo o que tiver essa malfadada inscricão. Isto é ser português, não aceitar cair na trapaça da Jerónimo Martins.
    Sabe que ser português é também saber escolher e partir para outra, nada deve detê-la nem mesmo o saudosismo que é em si uma forma de letargia.

    Celeste, cara mia, aquele abraço!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço