Nigéria: A Mensagem do Eleitorado



A Nigéria tem um novo presidente – felicitações a Muhammadu Buhari.
O presidente Goodluck Jonathan, infelizmente, perdeu as eleições (como previsto) dado os seus dois principais desafios: combater a corrupção corrosiva nas forças militares/segurança e lutar contra o Boko Haram.
Mas quem é o Sr Buhari e que mensagem enviou o Povo nigeriano ao conceder-lhe um mandato?

Muhammadu Buhari nasceu no dia 17 de Dezembro de 1942, e é um General Major do Exército Nigeriano reformado. Depois de ter participado num golpe de estado, tornou-se Presidente da Nigéria no período de 1983 a 1985.
Durante a sua campanha eleitoral, este ano, o Sr Buhari descreveu-se como “um democrata nascido-de-novo”, como uma espécie de expiação pelo seu passado negro (ref: autoritarismo e um paupérrimo historial de respeito pelos direitos humanos); não obstante, como chefe de estado, levou a cabo bravas medidas para combater a corrupção e impôr disciplina fiscal no seu país – medidas essas que fariam qualquer política de austeridade europeia parecer um mar de rosas – e para esse fim, o seu regime lançou o programa “Guerra Contra a Indisciplina” (com o intuito de promover os valores positivos da sociedade nigeriana). Mas apesar da incorruptibilidade do Sr Buhari, o seu governo não soube parar e o seu autoritarismo fez com que o povo lhe retirasse o seu apoio e, logo, com que os militares o depusessem através de um golpe.

Mas isso foi naquela altura. Hoje, em 2015, durante uma eleição mais transparente (preparada pelo Presidente Goodluck Jonathan), o povo nigeriano decidiu eleger um ex-líder: será um apelo à luta contra a corrupção, já que o presidente-eleito Buhari tem a reputação de ser incorruptível? Será um apelo à luta contra o Boko Haram, dado que o Sr Buhari é conhecido por ser um disciplinador? O facto é que ele já afirmou que não “pouparia a esforços para esmagar o Boko Haram”: uma linguagem extremamente forte, sim; mas talvez seja exactamente disso que a Nigéria precise neste momento, um militar com uma mão forte e disposição para endireitar o país...por qualquer meio necessário.
O eleitorado nigeriano sabe o historial deste homem de 72 anos e, no entanto, fizeram a sua escolha. Estarão os nigerianos a começar uma nova tendência para países onde a democracia liberal possa não funcionar?

As cinco razões, apresentadas pela BBC, pelas quais os Presidente Goodluck Jonathan perdeu as eleições deveriam de um modo geral ser questionadas:

“Mais difícil de Fazer Batota” - a tendenciosidade da BBC é marcante. Sabe-se bem que a entidade é profundamente socialista mas não há necessidade de sugerir que o Presidente Jonathan (um conservador) tenha feito batota nas eleições ou que tivesse intenção de fazê-lo, quando a razão pela qual estas eleições foram mais “limpas” foi porque Goodluck Jonathan fez de tudo para implementar um sistema de voto mais transparente.
Este golpe baixo, por parte da BBC, é uma forma de induzir o eleitorado britânico a relacionar más práticas políticas com o partido conservador – um dia depois do PM Cameron (um conservador) ter dado início à sua campanha eleitoral.

“Boko Haram e Segurança” - concordo que este assunto tenha pesado no castigo ao Sr Jonathan. Este blog avisou-o acerca disto duas vezes, mas como sempre acontece a políticos que insistem em nos ignorar: ele sofreu as consequências.

“Oposição Unida. PDP em ruínas” - é verdade que o partido conservador nigeriano sofreu uma desintegração severa (muitos dos seus membros desertaram para o partido do Presidente-eleito; fazendo-me lembrar o Kadima, um partido formado por desertores do Likud e do partido Trabalhista, para depois acabar passados uns anos) e a oposição tomou partido disso. O presidente Jonathan preparou a Nigéria para o futuro (ver aqui como) mas, de algum modo, perdeu-se no caminho – dever-se-ia proceder a uma análise de aonde foi que ele se perdeu.

“Economia” - apesar de, sob a liderança do Presidente Jonathan, se ter tornado a economia africana número um, metade da Nigéria ainda vive abaixo dos limiares da pobreza e o país ainda sofre de corrupção generalizada. A combinação de tais ingredientes resulta num veneno letal para qualquer candidato do século XXI. Mas temos que nos questionar: se a Nigéria tem vindo a sofrer praticamente dos mesmos problemas desde a sua independência, qual seria a fórmula hoje para terminar a praga da corrupção corrosiva?

“Tempo de mudar” - o Presidente Goodluck só serviu um mandato, não dois; e ter um único partido no poder durante muito tempo pouco ou nada significa, quando os seus presidentes governaram e comportaram-se de maneiras diferentes – logo, de que mudança é que estamos a falar? Para além do mais, lembremo-nos do  historial do Presidente-eleito Buhari: a título da verdade, ele é mais conservador do que outra coisa qualquer. A afiliação consultora do seu partido à Internacional Socialista é uma distracção estratégica.
Por isso, de novo, a BBC tentou relacionar as eleições nigerianas com a britânicas: tal é o desejo que o PM Cameron perca as eleições, após um só mandato.

Os nigerianos utilizaram o poder do seu voto para castigar Goodluck Jonathan pela sua aparente falta de capacidade para resolver questões mais prementes e pela sua percepcionada falta de intrepidez (no que toca aos militares). Pagar milhões de dólares a grupo lobistas e empresas de relações públicas americanas, se calhar, também não ajudou.
A mensagem dos nigerianos é clara: elegeram alguém que foi um militar forte e um disciplinador incorruptível. E fizeram-no porque esperam que ele seja implacável com os criminosos e terroristas. Este homem agora tem 72 anos: irá a sua decisão de obliterar o Boko Haram colidir com o “democrata convertido” em si?

Comentários

  1. Olá, Max!|
    Ouvi uma pessoa dizer que a democracia tem um significado diferente para povos diferentes.
    Se tudo o que é preciso para endireitar a Nigéria é um ex-militar autoritário e democrata nascido de novo: então que seja o senhor Buhari.
    O senhor Goodluck não se esforçou o suficiente nem deu a aparência de que, estaria a fazer o impossível para resgatar as meninas das mãos do boko haram.
    O povo falou há que aceitar e esperar para ver. Boa sorte para a Nigéria

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço