SOS Racismo em Portugal: A Lei & e a Ordem


Meus caros leitores peço imensa desculpa pelo adiantado da hora, mas o imprevisto bateu-me à porta; desde já agradeço a vossa compreensão.

Jovens da Cova da Moura invandiram a esquadra de Alfragide porque não concordaram com a detenção dum amigo pela PSP.
O SOS Racismo diz que os putos (entre 23 e 25 anos) foram linchados pela polícia de Alfragide e uma senhora que estava à janela foi ferida com uma bala de borracha na sequência da repressão policial.
Os rapazes dizem que só foram à esquadra para se inteirarem da situação do seu amiguinho que estava sob o jugo policial.

Ora, ora, esses jovens ou são ignorantes ou então são uns arruaceiros de primeira apanha. Para já, a Cova da Moura não é como os banlieues de um qualquer subúrbio de Paris; a Cova é um bairro damaiense onde residem cidadãos respeitáveis e cumpridores da lei; a Cova é uma localidade que pertence ao Concelho da Amadora e como qualquer outra freguesia tem também, sem excepção, uma franja de jovens desajustados cujo divertimento é a prática do vandalismo e do desacato à autoridade. Então os meninos nunca ouviram dizer: acção/reacção?

Ao SOS Racismo digo que estou feliz com a sua existência, mas como em Portugal não temos casos escabrosos rácicos, eu entendo que se devam concentrar em combater problemas sobre a desigualdade de oportunidades; empenhar-se em trabalho comunitário para esclarecer as minorias sobre a importância do seu voto; sobre a importância de continuar os estudos (universitário ou profissional) até ao fim; a importância do não envolvimento em actividades ilegais: tráfico e consumo de drogas, vandalizar propriedade policial (i.e. partir vidros dos carros-patrulha da polícia) etc, etc...
O SOS Racismo não deve fazer declarações bombásticas que a ridicularizem, mesmo no caso da cidadã atingida por uma bala de borracha perdida, porque aqui foi um lamentável acidente que surgiu na sequência do comportamento desqualificado de oito ou dez miúdos frustrados com a sua vidinha.

Rapaziada, quando alguém é preso ainda que injustamente, ninguém por auto-recriação se deve imiscuir nos assuntos policiais por mais que doa - pelo simples facto de que ,em Portugal, quem faz esse trabalho é o advogado (se a pessoa não puder pagar um, o Estado providenciará um gratuitamente).
Essa história de ir fazer manifs e outras desordens do género em frente à esquadra da polícia é um comportamento indigno porque, neste país, a polícia não é terceiro mundista e nem age arbitrariamente; em Portugal, a polícia tem uma série de mecanismos aplicáveis a cada situação, por isso, os garotos desocupados se provocarem a polícia: vocês sabem owéé....

Concluindo vos digo: se sois leitores do Etnias sabeis bem que não sou alva, por isso se estais com vontade de exercitar os músculos e as vossas gargantas ide para os países de origem dos vossos pais (ex-colónias portuguesas) ensinar os putos do mato a ler, escrever e a fazer bolas de trapos para jogarem à bola. Mas aqui, não queremos falsas vítimas nem desordeiros sem causa; yah?

Até para a semana!                                                                                                                                                                                                                                

Comentários

  1. Ô, invadiram a esquadra de alfragide? Eu conheço a Cova! Mas que racismo? Há bandidos ali naquele bairro! Olha, seria uma pena portugal transformar-se naqueles países que não fazem nada com medo de serem chamados racistas. O SOS racismo deveria mas é ajudar as pessoas a terem igual acesso a oportunidades, não é?
    Por falar em racismo: ouviram falar do ataque na dinamarca? Um muçulmano racista atacou judeus...isso sim é racismo!

    ResponderEliminar
  2. Olá, Leila!

    Vê tu o descaramento! Claro que há bandidos e desocupados também.
    Não..! Portugal não se transformará num desses países cínicos, que devido a sua tolerância patética, forjaram o caminho para que, os muçulmanos racistas, invejosos e odientos achassem que poderiam atacar sinagogas e matar judeus sem que tal acto fosse considerado criminoso.
    Em Portugal se te deres ao respeito, ganharás o respeito dos teus concidadãos; porque há mais de 700 anos que os portugueses estão habituados a lidar com pessoas de todas as cores e feitios.

    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  3. Olá Lenny,

    Um destes dias o SOS Racismo convidará o Al Sharpton para uma conferência (de modo a ensinar aos negros e mulatos portugueses como serem as "vittime di tutte vittime") lol.
    Não sei quando é que certos moradores da Cova da Moura irão aprender que a lei e a ordem são importantíssimas.

    Bom trabalho, minha linda.

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Max!

      Há associações que perdem o foco da sua missão, é tudo o que posso dizer da atitude do SOS Racismo.

      Bjcas

      Eliminar
  4. Olá meus amores! Bem, não conheço a cova da moura mas sei que é um bairro da pesada mas acho que há ainda um pior por aquelas bandas...
    De qualquer maneira, nunca percebi o sos racismo: serve para quê mesmo?

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Hey, hey, hey...

      Também não conheço a Cova da Moura, mas dizem-me que vivem por lá mais pessoas honestas que desonestas.
      O mais triste desta história é que, um dia essa mesma rapaziada possa vir a precisar da polícia, se a força da ordem demorar a aparecer devido ao seu comportamento; que dirá depois o SOS tretas racismo?

      Eliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço