Sexy - Conto Parte II

Retrato de um Clérigo - Albrecht Dürer

MARIA JOSÉ: Não pense que é uma tarefa fácil, se tomarmos em consideração o facto de que…
JORGE: Espere! Não me diga que vai dizer que devemos levar em consideração que a maioria não articula uma palavra de português, e logo os formulários são incorrectamente preenchidos; que, por vezes, muitos deles até preenchem os requisitos, mas sois obrigados a negar-lhes a permanência em território nacional porque o que está nos papéis, não se coaduna com o pretendido...

MARIA JOSÉ: Descreve perfeitamente a situação; é por acaso um colega? Onde está destacado?
JORGE : Quantos de vós, no vosso departamento, acham que Portugal devesse ser só para os Portugueses e para alguns imigrantes da UE, de preferência de pele clara (nada de ciganos da Roménia, Hungria e Bulgária) e todo o resto dever-se-ia pôr na alheta? Meu Deus, que absurdo! E não senhora, não sou seu colega.
MARIA JOSÉ: Tão lindo... O menino é daqueles que gosta de ladrar porque pensa que tudo pode; não é? Deixe-me que lhe diga uma coisa; a bem ou a mal, os meus colegas e eu durante todos os dias da semana, estamos no nosso posto, para lhe concedermos a prerrogativa de se pronunciar nesses moldes a pessoas que nem sequer conhece e – senhor padre queira perdoar a minha linguagem – digo-lhe mais, esse tipo de falácia é digno de gente merdosa; porque se não impedíssemos a entrada e/ou não revogássemos algumas autorizações de permanência a determinados indivíduos; pois...eu gostaria de vê-lo vomitar essa verborreia quando o caos se sobrepusesse à ordem pública.
JORGE: Ahã! Tal qual eu suspeitava, você é uma xenófoba possessa. A quem pensa que convence com esse discurso apocalíptico? Puf... Já vi tudo, vá lá, Waldo, pergunta-lhe ao que veio? Eu bem te avisei acerca da sua sanidade mental. Senhora Agente, não me diga que veio aqui tentar seduzir o meu irmão, para depois chantageá-lo, obrigando-o a declarar-lhe o seu eterno amor, diante de toda a gente, na homilía de Domingo: quão típico!

O padre, estava horrorizado com o tipo de linguagem utilizado, pois, nunca tanta asneira fora dita naquele lugar, num curto espaço de tempo, dentro da sua querida casa paroquial.
O padre estava feito num oito; primeiro, não tinha a certeza se deveria tomar partido do seu irmãozito, homem de convicções tão arreigadas e, no entanto de uma bondade singular - Jorge é daqueles que, quando testemunha a dor humana, telefona ao seu mano para partilhar a sua mágoa e nesses momentos quase que fala sem parar "Waldo, nós que já passámos por situações insuportáveis, não nos podemos abandonar à frieza da racionalidade e descurarmos a dialéctica entre a função da crueldade e seus limites; visto que o nosso trajecto, forçosamente, nos transformou em irmãos no padecimento de todos os desgraçados desta galáxia"; segundo, não sabia se deveria espantar a mulher dali para fora porque, para se sentir viva, agarra-se a causas que os seres mais nobres simplesmente se desviam delas, por não contribuirem para o progresso emocional dos seres.

Não obstante as taras da mulherzinha, o bom padre estava tentado a encontrar algo de bom no miolo daquele novelo de sebo mal formatado, mas, para que os seus intentos fossem bem sucedidos, aquele deveria estrategicamente pôr-se a seu lado, logo admoestou o seu irmãozinho pela sua rudeza para com a sua convidada. Jorge não queria acreditar naquela pequena marotice perpetrada pelo Waldo, e estava prestes a reclamar mas fazendo-se de despercebido, o padre dirigiu-se à sua convidada:
PADRE JESUALDO: Dona Maria de Jesus, porque esperou tantos anos para procurar a ajuda de um sacerdote ?
MARIA JOSÉ: Eu sou menina...

Os olhos embasbacados dos dois irmãos desabaram sobre a menina Maria José que, perante a reacção dos manos, desatou num pranto desalmado.

Continua...

Comentários

  1. Bola de sebo? Ó meu Deus!!!! A lenny não está preocupada que a associação dos gorditos instaure um processo contra si? hehehehe
    Olhe, gostei imenso. Já na semana passada adorei embora não tenha comentado. A menina é fantástica!
    JP

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Olá, JP!

      Espero que não, pois gordura em excesso não é formosura; é uma agressão ao corpo ;)

      Quanto ao fantástica não sei, mas foi uma maneira que arranjei, com a devida autorização, para passarmos o verão calmamente.

      No fim do "meu querido mês de Agosto" cá estarei para falarmos de política nacional, dos PALOP e da CPLP/Guiné Equatorial :)

      Bon weekend!

      Eliminar
  2. Hahahaha ó céus, nunca me ri tanto! Lenny, quanta imaginação! 'bola de sebo mal formatada' chiça, tenho de perder uns kilitos hehehe! Estou desejosa pelo fim. Parabéns!

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Olá, Celeste!

      A intenção é ajudar a passar um bom bocado; calmamente e com um sorriso...

      Saberá que é o fim, quando eu começar a contrariar os políticos hahaha!

      Bom fim-de-semana!

      Eliminar
  3. Respostas

    1. Olá, Anónimo!

      Obrigada pelo seu comentário; espero que volte!

      Um abraço!

      Eliminar
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  5. Perdoem-me mas tinhas postado o comentário errado. O que eu queria dizer neste é: o jorge é um espectáculo e o irmão não lhe fica atrás! Isto só nos mostra que embora as pessoas pareçam pacientes e queridas por fora os seus pensamentos ditam algo diferente! Adorei, meus amores!!!
    E agora já expus o meu método de blogagem hehehe...

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Hey,hey,hey...!

      Bem-vinda, caríssima!

      C'est pas grave!

      Bjcas!

      Eliminar
  6. Ela é menina? Como assim...bem, vou pular logo para o próximo episódio...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço