Amor: Fé e Sugestão

Margaret in Church - Eugéne Delacroix

A não ser que politicamente aconteça algo transcendental, até fins de Agosto tentarei não me dirigir aos líderes políticos; porque o verão começa amanhã e oficialmente entraremos na saison de férias: uns vão para o Algarve, outros para Torremolinos, alguns para Fortaleza e como são também humanos, os políticos portugueses irão desfilar a sua parolice nas ilhas Margarita e na de Fidel Castro.
Por isso, até Setembro iremos jogar conversa fora. Esta semana foquemo-nos no pensamento!

Muitas vezes as mulheres dizem “gosto muito de fulano, penso que estou apaixonada por ele”; as pessoas ficam todas enternecidas perante esta frase, mas o facto é que gostar é uma acção que está supostamente para além da superficialidade, porque se for uma manifestação simplesmente mental passa a ser uma acção comportamental sugestionada. Depois a paixão é um estado sensorial e sensual, significando que os sentidos são quem está em controle. Logo, como podem as pessoas aceitar tal verborreia como válida e nutri-la a ponto de se disporem a testemunhar matrimónios (50% divórcios, 25% miseravelmente infelizes e 25% aborrecidos) que sabem ter partido de uma premissa errada?

A certos homens apraz-lhes dizer “aquela mulher deixa-me louco; amo-a como ninguém; estou sempre a pensar nela, é uma loucura!”; os amigos batem palmas, dão-lhe palmadinhas nas omoplatas, riem-se e com o punho cerrado sinalizam a sua virilidade.
Caramba aquela frase deveria ter sido construída assim “aquela mulher deixa-me louco; amo-a como ninguém; estou sempre a pensar nela, é uma loucura; logo: vou fugir dela a sete pés”.

Qualquer um que quisesse pensar realmente poderia antever, para as pessoas acima mencionadas, uma grande confusão porque elas guiam-se pelo sentimento, regem-se pelo medo da solidão, movem-se ao som da ansiedade, enlouquecem-se com o silêncio ensurdecedor dos orgãos reprodutores, debatem-se com a continuidade da espécie e, depois, quando cansados do abuso de toda a ordem e finalmente caem em si, perdem-se entre a consciência e o subsconsciente, e deliberadamente afundam-se porque o acto de fé transformou-se numa pura percepção.

Obviamante, as emoções estão no comando e o raciocínio está toldado, porque o pensamento não se coaduna com a loucura (pelo menos, não dentro do conceito de razão como a conhecemos, até a data); o amor não sincroniza com a loucura, mas é capaz de demonstrações de afectividade.

O amor tem afinidades com o pensamento, pois ambos partilham o uso das profundezas do cérebro, da racionalidade, da intelectualidade e da reflexão.
Quem ama não agride gratuitamente e quando magoa toma consciência e corrige o acto; quem ama atinge a satisfação pelo facto de partilhar o mistério da vida; quem ama não é intrusivo, espera pela epifania ainda que por vezes seja a conta-gotas; o amor é o último bem e não é para todos.

Comentários

  1. Olá Lenny,

    As pessoas, na maioria das vezes, falam sem pensar porque permitem que muitos factores influenciem tanto o seu comportamento como o mecanismo de raciocínio.
    Adorei o último paragrágrafo:

    "Quem ama não agride gratuitamente e quando magoa toma consciência e corrige o acto; quem ama atinge a satisfação pelo facto de partilhar o mistério da vida; quem ama não é intrusivo, espera pela epifania ainda que por vezes seja a conta-gotas; o amor é o último bem e não é para todos."

    Beijinhos

    ResponderEliminar

  2. Olá, Max!

    Cá te espero na próxima semana!

    Obrigada e Shabbat Shalom, sweetie!

    ResponderEliminar
  3. Lindo e lindo, lenny. Parabéns, meu amor! Eu amo com consciência e deve ser por isso que ainda estou solteira hahaha...

    ResponderEliminar

  4. Hey, hey, hey...!

    Pas de problème! Tenho como missão casar três raparigas e, não me importo de, na minha lista, acrescentar mais um nome; ça marche?

    Beijocas e boa semana de trabalho!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço