Segurança Nacional Portuguesa: O Rei Vai Nú

Navio Escola Sagres (Fonte: Google Images)

O ministro da defesa, José Pedro Aguiar Branco, disse num Jantar debate em Coimbra que 86% do orçamento da defesa é aplicado na remuneração do pessoal e somente 13% é investido na gestão operacional e de manutenção. Devido a este desfasamento o detentor da pasta da Segurança Nacional está seriamente a contemplar o uso da tecnologia do corte – porque segundo o ministro “não há milagres” – com a finalidade de obter “Forças Armadas mais ágeis, mais flexíveis e melhor equipadas com menos despesa”.

Mas o que aconteceria se Portugal – afinal o sul do nosso país pertenceu ao império Andaluz – sofresse um ataque terrorista dos islamistas?
Como cidadã estou apreensiva porque a 74 indivíduos, supostamente cidadãos sírios, empunhando documentos falsos, sem um interrogatório aprofundado, foi-lhes facultada a entrada e livre circulação neste país e a consequente fuga – abandonando até um bébé prematuro no hospital – por falta de legislação. Quem poderá garantir aos portugueses que isto não foi um balão de ensaio, visto afinal não ser a primeira vez que a Guiné Bissau, país muçulmano, nos brinda com seus irmãos na fé?

Segundo o artigo do Miguel Machado no Operacional, Portugal gasta com a Defesa em percentagem de PIB 1,6% (i.e. $3mil e 360 milhões) e tem 43.000 efectivos militares, par contre a Espanha gasta 1,1% do seu PIB (i.e. $15 mil e 400 milhoes) e tem 131,000 efectivos militares – nós proporcionalmente, temos mais efectivos – agora hipoteticamente falando, suponhamos que a Espanha esteja a reclamar a posse das ilhas Selvagens porque sabe que elas são um infindável filão de hidrato de metano que tornaria os nuestros hermanos energeticamente independentes por 500 anos. Ora, se os espanhóis o sabem, nós certamente o suspeitamos, então criar-se-ia um impasse e os Spaniards invandiriam Portugal por mar e por terra; que faríamos nesse caso nós?
Rezaríamos pelo espírito de Nuno Alváres Pereira para nos orientar na formação do quadrado em Aljubarrota? Seguiriamos o exemplo dos valentes guerreiros dos campos de Ourique? Não duvido que tenhamos estrategas; mas onde estão os maganos com disciplina militar e concentração necessárias para seguir as instruções, sem anunciar a posição das tropas nas redes sociais?
Clamaríamos pela padeira de Aljubarrota? Bom, não sei se o Continente, o Auchan, o Pingo Doce, o Intermarché e outras companhias panificadoras que fabricam pão à pressão – causador de alergias – depois de feitos os cálculos, se juntariam e fariam o papel da padeira...

No dito jantar o ministro – um feroz praticante do wishfull thinking; do quem me dera e do oxalá – gostaria de ter assegurado o seu apoio aos militares e às suas parcas exigências; mas as suas intenções foram goradas pelo propósito do encontro que era essencialmente comunicar à tropa o seguinte: quero agilidade mas sem lanchas rápidas fluviais e maritímas, sem barcos patrulha equipados com as últimas tecnologias, sem mais  fragatas, e sem mais dois submarinos. E nem pensem em dois porta-aviões por isso continuem as vossas passeatas no navio escola Sagres porque estou sem cheta! Quero mais flexibilidade sem drones, sem investimento no sistema cibernáutico; sem investimento no serviço de informação; sem recurso às últimas tecnologias e tendências; sem investimento para a criação da indústria militar como complemento financeiro...mas quero o melhor dos equipamentos sem grandes despesas.

Eu sei que a maioria dos militares portugueses são de esquerda, por isso quando os socialistas fizeram os primeiros cortes na defesa, os generais não se queixaram porque estavam a colaborar com o Partido. Mas agora neste tempo tão incerto em que os quatro cantos do mundo fervilham em conflitos político-religiosos, os militares portugueses estão na penúria.

Eu poderia recomendar ao ministro José Aguiar Branco que desse carte blanche aos militares portugueses para que frequentassem as feiras dos patriots e tea-party nos Estados Unidos da América, pois por lá, sr. ministro, Portugal adquiriria todas as pechinchas.

Para a semana cá estarei, operacional.

Comentários

  1. Foi mesmo vergonhoso ver os sírios pisgarem-se daqui sem mais nem menos, o que indica que eles eram bandidos, e portugal simplesmente não pôde fazer o que deveria por falta de legislação, uau! Agora, se isto foi um ensaio então que Deus nos acuda porque o inimigo já viu que por aqui pode fazer o que quiser!
    Hahahahaha opá, adorei a mensagem implicita do ministro de defesa:

    "E nem pensem em dois porta-aviões por isso continuem as vossas passeatas no navio escola Sagres porque estou sem cheta!" - HAHAHAHA lindo!
    Adorei, adorei, adorei. Shabbat Shalom, lindas!

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Hey, Ana!

      Eu gostaria de saber quem organiza esses "jantares debate"; a mim parece-me que sejam: monólogos de mal agoiro.

      Bjcas e Shabbat Shalom, minha linda!

      Eliminar
  2. Olá Lenny,

    Ainda bem que resolveste levantar esta vital questão: estará Portugal preparado para um ataque terrorista ou mesmo uma invasão? Não se pode ficar encostado a pensar "Ah, não estamos em guerra, estamos em paz!" ou "Isso nunca acontece aqui!" porque os americanos também diziam que depois de Pearl Harbour nunca mais iriam sofrer ataque nenhum e olha o que aconteceu no 9/11...

    Eu só gostaria de saber como é que o ministro Aguiar Branco gostaria de ter mais agilidade e flexibilidade na defensa nacional a baixos custos. Certamente sabe quanto custa um drone, por exemplo...
    Mas pronto, se calhar ele estava a dizer: está na hora de despedir metade do Top Brass porque temos chefes a mais e não tropas suficientes? Parece-me tudo demasiado absurdo para ser verdade.

    Muito bom trabalho, Lenny. Como sempre.

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Olá, Max!

      O mais surpreendente é que nunca ninguém se lembra de que as Forças Armadas são também uma boa fonte de formaçao profissional; as pessoas saiem melhor preparadas porque a formação é acompanhada pela prática no terreno; enfim..!

      Obrigada, pelo teu comentário, minha linda!

      Eliminar
  3. Hahaha Toda a mensagem implícita é maravilhosa, rim-me imenso. Olhe Lenny, o estado da defesa em portugal é tão mau que só temos de agradecer aos socialistas por essa vergonha! Graças a António Guterres deixou de ser obrigatório ir à tropa, querendo dizer que diminuímos significativamente o número de reservas treinadas para uma eventual batalha. Se formos invadidos ou sofrermos um ataque terrorista, estaremos tramados, Lenny.

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Olá, Maria!

      Eu concordaria com os cortes se os militares tivessem um back up: por exemplo indústria militar, para que produzissem coisas inovadoras e as comercializassem.

      Os políticos são espécies de vistas curtas: é tão desapontante!

      Maria, gostei de vê-la por aqui!

      Eliminar
  4. É uma maravilha dar jantares para se dizerem merdas.

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Olá, Anónimo!

      Sendo a nossa essência o pensamento; quando o ser humano fala e não se ouve: é lamentável!

      Um abraço

      Eliminar
  5. Realmente, se portugal não quer investir na modernização militar e das suas forças de segurança, no actual contexto mundial, então é que não há mesmo milagres que o acudam quando a bosta chegar ao ventildor...

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Olá, Anonymous!

      Exactamente, o meu pensamento.

      Um abraço

      Eliminar
  6. Ó lenny, eu não sei para que é que se organizam estes jantares, só pode ser pelo convívio! E pergunto isto porque, penso eu que se deveriam organizar estes convívios para obter o que se quer e não para ouvir que não se vai obter o que quer que seja: mas obrigadinho pelo comerete!
    Eu rezo a Deus para que nunca soframos ataques da natureza que aqui mencionou, porque acho que não estaríamos prontos para eles.

    ResponderEliminar

  7. Olá, Maria Joaquina!

    Ahahahahah, obrigadinha pelo comerete? Essa é boa!

    Se por acaso este país sofresse um ataque, Deus diria " sofre as consequências, porque não te soubeste conduzir": mas estou-lhe agradecida por pôr este país nas sua orações: eu faço o mesmo.

    Boa semana de trabalho!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço