Moçambique à Beira da Ruptura

Mapa de Moçambique (Fonte: Google Images)

Moçambique – a terra que me viu nascer – estava com um sorriso de donzela; porque era uma menina titubeante e, no entanto, uma moça esperançosa e preparada para vencer os obstáculos e construir um lar. Mas sem mais nem porquê, neste último trimestre de 2013, ela resolveu ser vagabunda.

Não vou aqui fazer análises politiqueiras do que se passa em Moçambique – deixo isso para os habitués e para a +Max Coutinho - porém como a Frelimo e a Renamo – por dá cá aquela palha – resolveram cair na banalidade de mais uma vez destruírem o país na sua plenitude (porque pelos vistos a guerra cívil entre 1977 e 1992 não foi bastante), eu vou antes falar do povo...daqueles que estão desprotegidos, desprovidos e desarreigados:

1- Desprotegidos, pois que não há quem os valha. São filhos do vácuo, são seres cuja existência é nulificada de sonhos; foram moldadas para nascer, temer e morrer. Porque intervenientes políticos da sua região põem e dispõem do ar da sua vivência. Este é o povo moçambicano que está novamente a farejar o medo.
2- Desprovidos porque quem não tiver ligações governamentais/partidárias não progride; quem quiser uma fazenda tem de alugá-la ao Estado e seus lacaios. Os moçambicanos são todos arrendatários do Estado; propriedades que sempre estiveram nas famílias são desapropriadas porque alguém da Frelimo a quer para si ou para arrendá-la aos estrangeiros. O povo moçambicano está sem dinheiro, logo, vive lado-a- lado com os mortos; vive em barracos de zinco medonhos e também nas lixeiras.
3- Desarreigados porque mais uma vez terão de ser refugiados e viver em tendas horrorosas da UN, próprias para zorkas – aos Sírios foram- lhes ofertadas umas tendas do IKEA todas turbinadas; atravessarão as fronteiras para ir viver miseravelmente e, ser tratado abaixo de cão, na África do Sul; terão que ser novamente acolhidos no Malawi, onde tentarão prevalecer sem comida nutritiva; sem banho diário, sem água potável suficiente, tal qual um animal sarnento e, no entanto cheio de esperança de regressar à sua casa...aquela que a guerra deitou abaixo.

À Frelimo (Armando Guebusa) e sua comparsa Renamo (Afonso Dhlakama) por favor tomem tenência! A África do Sul e a Rodésia do Sul estão felizes com esta vossa estupidez porque enquanto vocês andam nessa coboiada, esses dois países estão a entrar subterraneamente em território moçambicano e, a sacar o ouro e os diamantes que são pertença do povo moçambicano.
Os outros países produtores de gás e petróleo estão a esfregar as mãos de contentes porque a vossa leviandade vai posicioná-los melhor nos mercados internacionais (clientela), enquanto o povo moçambicano vê o seu desenvolvimento cativo devido à vossa diatribe.
Os países compradores de recursos naturais estão extasiados porque, com a instabilidade político-social, eles poderão entrar numa corrida desenfreada de pagamento de saldo, pois os dois casmurros (Frelimo e Renamo) irão precisar de armamento para arrasarem o país; obrigando depois a povo moçambicano a apanhar os cacos e a engolir a vossa retórica reconciliatória da caca.

Quanto ao sistema eleitoral e sua legislação: por favor Afonso, todos sabemos que a Frelimo resistirá até à última para mudar estes dois pontos porque eles são meliantes e fraudulentos eleitorais; e Dhlakama se até agora não aprendeste a decifrar o sistema eleitoral (roubo descarado) da Frelimo, meu caro, acho que o teu partido só é bom para oposição e não para governar.

Defesa e Segurança: é claro que de boa fé permitiste que os teus homens fossem incorporados nas forças armadas do país e, sem nenhuma explicação foram compulsivamente reformados pela Frelimo. Então, és assim tão santinho que não tenhas antecipado e entendido que a Frelimo pensa que Moçambique é o seu quintal no qual só poucos podem nele brincar?
Estavas mesmo à espera que vos convidassem a comer do bolo arrancado à má fé da boca do povo moçambicano?
Meu caro Afonso, deixaste a Frelimo comer-te as papas na cabeça; agora bola para frente, reorganiza a tua zona incentivando o povo a construir habitações, escolas, centros de apoio à juventude; equipa a tua área com saneamento básico juntamente com a população; organizem e incentivem o povo a juntarem-se em pequenas cooperativas agrícolas, organiza os teus homens para esta grande empreitada e verás que um dia estarás no poder pela positiva e não porque queres enriquecer a tua família e camarilha, mas sim pelo e para o povo moçambicano.

Afonso, não caias na armadilha do Guebusa, ele está a fazer tudo isto não é pelo moçambicano, é para se agarrar ao poder e continuar a enriquecer a sua família e companhia limitada: tenho a certeza que tens alguém para negociar com os frelimistas; se temes pela tua vida, eu até entendo; mas por favor, guerra não!!!

Da tua conterrânea,
Lenny Hannah

Comentários

  1. Olá Lenny,

    Com que então "deixo isso para os habitués e a Max", hein? lol
    Moçambique neste momento preocupa-me porque não se compreende como é que um país que se estava a tornar um exemplo económico e de desenvolvimento, pós guerra civil, se permite a desestabilizar-se desta maneira. O timing da desestabilização é suspeito tendo em conta tudo o mais que se está a passar no continente africano neste momento.

    Se os desestabilizadores são a África do Sul, o Zimbabué e os países muçulmanos produtores de pretróleo - com certeza para afastar os australianos, os brasileiros e todos aqueles que mantendo uma exploração organizada, e controlada, os impede de pilhar o país à vontade - então alguém terá de dizer à FRELIMO que se não tiverem cuidado os ganhos do partido estarão a perigo...independentemente do que certos grupos lhes possam prometer. E aqui incluo a China.

    Mas vamos lá ver o que vai acontecer. Mas seria uma pena que os políticos moçambicanos permitissem que forças externas destruissem tudo aquilo por que lutaram.

    Um trabalho fabuloso, Lenny. Obrigada por falares do país que nos viu nascer.

    Beijocas e bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Olá, Max!

      Quanto aos políticos e governantes: cada povo tem exactamente aquele que merece. Com isto quero dizer que, se o povo moçambicano permitir que esta charada vá avante, eu perderei a minha esperança na juventude de Moçambique; afirmarei também, sem alguma reserva mental, que eles merecem ser desgraçados e roubados pelos seus concidadãos menos escrupulosos.

      Bjcas e obrigada pelo teu comentário

      Eliminar
  2. Epá, eu não sei o que deu naquele povo lá em baixo, mas estou preocupada! Pá, com tudo o que se passa em África agora vêm estes armar confusão? O que é que a Frelimo quer exactamente? Decerto não pensavam que poderiam continuar a roubar e que os outros ficariam de braços cruzados. É que pelo que entendi a Frelimo é que começou tudo isto, nem sequer foi a Renamo...quer dizer! Enfim, Lenny, esperemos que sigam o teu conselho porque senão daqui a uns tempos vamos ouvir que os Islamistas tomaram Moçambique de assalto também!

    "Moçambique, que palavra tão bonita...!" não sei o resto da música.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hey, hey, hey...

      Como a Frelimo desconhece o conceito de rotatividade governativa em democracia e, sendo incapaz de governar o país, sem causar sobressaltos constantes ao povo. Então, se calhar a intenção frelimista é jogar a toalha ao chão, fugir de Moçambique e, no processo faz-se uns cobres e entrega-se o país aos islamistas; estes últimos irão pôr os cristãos e animistas de joelhos e decapità-los-ãos; tal qual se está a fazer na Síria, no República Centro Africana, Afeganistão, Iémen etc; etc...e viva a cobardia aliada a religião da paz!

      Amiga vai ao Youtube está lá a letra; Já agora: "Moçambique ah xonguile!" Lol

      Obrigada e bjcas!

      Eliminar
  3. Lenny, que postagem bonita! Em primeiro lugar, lamento o que está a acontecer no seu país de nascença!
    Acha que os chineses possam ter algo a ver com o que ali se passa? Eles têm a mania de influenciar e fazer jogos nos países dos outros para afastar a concorrência, não é? Li o artigo da Max sobre a china e fiquei a pensar se não estariam eles também aqui envolvidos. Mas a Ana tem razão numa coisa também: os muçulmanos extremistas podem agora aproveitar-se dos acontecimentos e tomar o país de assalto (se a memória não me falha, há muitos muçulmanos nos norte de moçambique não é verdade?).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Carla!

      Os chineses não interferem, interferindo; topas?

      Sempre houve muçulmanos em Moçambique, mas agora há um fenómeno novo: dizem que proliferam mesquitas em cada esquina e até no programa do Stewart Sukuma (xtopela Moçambique, RTP África) ouvi uns moçambicanos a falarem de madrassas e, aparentemente sem mais nem porquê, está-se a verificar um fluxo inexplicável de paquistaneses rumo à Moçambique; hum...

      Sinceramente acho que os paquistaneses deveriam ficar-se pelo Quénia, Tanzânia e Nigéria e deixar Moçambique na paz de Cristo.

      Obrigada pelo seu comentário; um abraço!

      Eliminar
  4. Eu rezo muito pelos coitados de moçambique que neste momento se vêem ameaçados por um novo conflito civil quando já haviam posto o anterior pra trás das costas! Ai meu Bom Deus, ajuda estes nossos irmãos: amén!
    E deixo-vos com esta oração!

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Olá, Maria Joaquina!

      Obrigada pela oração, minha querida!

      Um abraço

      Eliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço